Serena (Ian McEwan)

Serena-capa-x

Meu primeiro Ian McEwan foi “O Jardim de cimento”, um ano depois fiz uma leitura estranha de “Reparação”. E hoje terminei de ler “Serena”, o novo romance do escritor britânico que teve lançamento mundial no Brasil (Companhia das Letras, tradução e Caetano W. Galindo).

Serena é uma garota universitária que faz um curso que não gosta para agradar a mãe, que tem medo da filha se tornar dona de casa. Em meio a um ambiente machista, ela até considera interessante ser estudante de Matemática, porém, como nunca foi um sonho de estudo, Serena Frome (“a pronúncia é Frum”) conclui o curso sem brilhantismos e destaques. E para aguentar um ambiente tão diferente do seu desejo de ter estudado Letras, os livros a acompanharam por todo o período universitário e também o caso amoroso com um homem mais velho, que a ensinou a gostar de literatura e a entender de política e economia.

Sem grandes ambições, seguindo a linha “carpe diem”, Serena é uma mulher que diz sim às oportunidades. E assim, quando ela tenta descobrir porque o seu amante a abandonou, aceita o trabalho no MI5 e passa a fazer parte de um grupo de espionagem que põem em destaque revelações literárias, por meio de um bom salário mensal para que o artista se sinta livre para criar, sem se preocupar com algum outro trabalho, a não ser escrever. Serena é a mulher responsável por realizar o primeiro contato com o escritor e convencê-lo da excelente oportunidade de fazer parte de um grupo selecionado de escritores proeminentes. É neste ponto que mora a mentira de Serena que, apaixonada pelo escritor que ela convenceu a fazer parte do projeto “cultural”, sua vida é transformada. Antes, a garota que não sabia por que estudou Matemática, passa a ter como trabalho o que mais gosta de fazer: estar perto da literatura, ler.

“Eu era a mais simples das leitoras. Só queria o meu mundo, comigo dentro, devolvido para mim de maneiras artísticas e de uma forma acessível”

T.H. Healy é um escritor de imagem frágil, um professor que se sente preso ao trabalho, impedido de exercer sua profissão de forma completa e significante. Porém, alguns contos dele já estão na mídia e causam boas impressões, principalmente à Serena, a menina que fez o curso que sua mãe escolheu, que teve um amante porque era a pessoa que falava sobre livros com ela, que aceitou o primeiro emprego porque estava curiosa, passa a amar Tom H. Healy como se ele fosse a única chama acesa que apareceu no horizonte de sua monótona vida: ela divide a casa com meninas que ela não se identifica e acabou de levar um fora de seu amigo de trabalho, o Max, que passa a ter um papel importante nessa história de espiões e literatura.

Chamamos de metaliteratura quando uma história conta sobre a própria história. No caso Serena, é um romance sobre o próprio romance. Não é novidade esse estilo de composição e justamente por isso Ian McEwan prova seu poder literário, pois fez de Serena – personagem, romance e literatura; espiã, amante e inspiração – mais uma obra que vai morar nas prateleiras dos grandes livros literários de sempre.

Onde Comprar: 
Americanas
Livraria Cultura
Livraria Cultura (ebook)
Submarino

Francine Ramos é formada em Letras Português/Inglês, trabalha com Tecnologia Educacional e em 2011 criou o blog Livro&café. O que ela quer é ser professora de literatura, ter uma boa biblioteca particular, viajar e ler Virginia Woolf. Tudo isso e mais, sem esquecer do café.

  • http://www.facebook.com/alister.vieira Alister Vieira

    Gostei mais de Solar. .-. Mas o melhor mesmo é Reparação.

  • http://www.facebook.com/jeniffergeraldine Jeniffer Santos

    Quero muito ler.
    bjs

  • Raphaela B.

    computado para minha lista de preciso ler..

  • Izabela Cristina

    Incluído na lista das futuras não tão distantes leituras. *-*

  • Fernanda Jimenez

    Bacana! Vou anotar esse!
    Beijos