Diário de Viagem #7 Londres, Inglaterra, BigBen, LondonEye

Diário de Leitura

Londres, BigBen, London Eye

Londres é uma cidade que foi me conquistando aos poucos. Não senti por ela aquela paixão imediata, como foi em Lisboa e Amsterdam. E isso foi um pouco estranho, afinal, eu achei que iria morrer de amores pela cidade que Virginia Woolf tanto amou.

Mas então, no primeiro dia, eu estava caminhando pela cidade e vi o Big Ben. E tirei mais de 100 fotos dele (pior que turista japonês). Não sei o que aquele relógio me causou, mas fiquei encantada e, claro, lembrei muito de Mrs Dalloway…

bigben, londres, turismo

Londres é muito charmosa, organizada, gigante e funciona perfeitamente: o metrô, os carros, os ônibus vermelhos, os taxis (que agora são pretos) e as pessoas parecem viver numa boa harmonia, onde nada atrapalha ou incomoda. Turistas por todos os lados, de todas as partes do mundo. Que cidade incrível!

A London Eye, que eu achava tão comum nas fotos, ao vivo é tão bonita e o seu formato dá mesmo aquela impressão de estarmos sendo vigiados. Mas são olhos tão belos…

londres, london eye, turismo

Eu também vi o Big Ben à noite. O curioso é que ele me deu as 12 badaladas, a primeira quando era meio dia e a outra quando era meia noite. É uma sensação de viagem cumprida estar naquelas ruas e ouvir o relógio.

Eram precisamente doze horas; doze horas, pelo Big Ben; cujo toque irradiava-se pela zona norte de Londres; fundia-se com o dos outros relógios, misturava-se, de forma tênue e etérea, com as nuvens e as espirais de névoa, e morriam lá no alto, entre as gaivotas – batia as doze horas enquanto Clarissa Dalloway estendia o vestido verde sobre a cama, e os Warren Smith desciam a Harley Street. Doze horas era o horário da consulta. Provavelmente, pensou Rezia, aquela era a casa de Sir William Bradshaw, com o carro cinza na frete. Os círculos de chumbo dissolviam-se no ar.

Mrs Dalloway, tradução de Tomaz Tadeu. Editora Autêntica. p. 95

Bares (os famosos pubs) tem aos montes. E tudo parecia ser um bom motivo para apreciar uma cerveja inglesa, entrar nos locais antigos e bem conservados. Apreciar, curtir, se sentir um pouco parte daquilo. Perceber que “opa, estou numa cidade muito importante para o mundo”. Despertei: estou sonhando? Amei Londres.


Criou o Livro&Café em 2011, é professora de Língua Portuguesa, adora ler e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.
2

Comentários

Comentar
  1. Larissa Varela Do Pilar

    Oi Fran, acabei de achar seu blog, na verdade faz 10 minutos que achei hehe mas já estou amando. Pois então, acabei de voltar de Londres, a primeira viagem da vida, assim como você tive o privilégio de ver o Big Ben badalando ao meio dia, incrível! Creio que vemos muito falar sobre Londres na literatura e no cinema, mas estar lá foi diferente e encantador. Porém de todos os lugares que fui o que mais tocou meu coração foi Richmond, me senti em um conto de fadas, você chegou a conhecer? Diz que sim! kkk
    Espero que apareçam mais e mais posts de viagens hehe Beijos <3

    • Oi, Larissa! Ah… que saudades de Londres!! <3
      Eu não fui para Richmond, mas na semana passada vi um vídeo sobre o lugar e fiquei encantada. Está no roteiro da minha próxima viagem, com certeza!
      Bjão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.