Jane Eyre (Charlotte Brontë): porque precisamos saber como o mundo é

“Que nunca andara neste mundo louco maior do que Jane Eyre, que nunca maior idiota fantasista se enganara a si próprio com mentiras e falaciosas nem engolira tanto veneno como se fosse néctar.” (p. 200)

O livro termina e eu brigo comigo mesma: “por que você não havia lido esse livro ainda?” A história de Jane Eyre possui todos os ingredientes dos romances clássicos e também aqueles pertencentes às histórias de amor, porém a narrativa permanece original e surpreendente, talvez pela elegância da narrativa inglesa e a sagacidade da personagem Jane Eyre, uma menina órfã que tem uma infância muito dura e triste, mas que consegue trilhar um bom caminho na vida, devido ao seu comportamento observador e honesto.

Já dizia Virginia Woolf que “precisamos saber como o mundo é”, e assim Jane Eyre vive a sua vida, analisando os fatos, interpretando as atitudes das poucas pessoas que cruzam o seu caminho.

charlotte-bronteDepois de passar momentos terríveis na infância, ela vai para um colégio interno, que a deixa mais triste ainda – devido às péssimas condições do local – mas que por outro lado a faz sentir pela primeira vez a boa sensação da liberdade. Ela aprende a ser educada, a não contrariar os superiores, a se esforçar em tudo na vida, de modo que aos 17 anos, ela é uma das professoras do próprio colégio onde estudou, recebe um pequeno salário e também o respeito do próximo.

Apesar da vida dela até aquele momento ter sido uma fase de contenção: da criança rebelde (com causa), intensa e sem papas na língua para a professora contida e reservada, nutria em Jane Eyre o desejo de descobrir outros lugares, conhecer outros tipos de pessoas, quebrar barreiras. E assim, ela coloca um anúncio no jornal, para conseguir um trabalho em outro lugar. Tempos depois ela recebe uma carta, que solicita os serviços dela numa casa de família, para ser professora de uma menininha francesa e com um salário muito, mas muito maior do que o que ela recebia até o momento. E lá vai Jane Eyre para a maior aventura de sua vida…

O cenário é a Inglaterra do século XIX, grande montanhas, caminhos de terra, carruagens e belos horizontes são narrados com clareza pela própria personagem Jane Eyre, que provoca o leitor, por ser pobre, órfã e questionadora (imagino esse livro sendo lido no século XIX, provocação pura). Jane Eyre, uma garota simples, chega à Mansão de Thornfield e conhece Mrs. Fairfax, a menina Adele, Mr. Rochester, outras personagens que colaboram para o desenrolar do romance e, principalmente, os limites que a mantém segura em suas próprias palavras.

Quando falamos de romances clássicos, dificilmente fica de fora a história de amor. Em Jane Eyre, ela se apaixona por Mr. Rochester, um homem 20 anos mais velho que ela, estranho, misterioso, cheio de segredos, orgulhoso e feio, como ela mesma constata. Mas quando isso é apresentando ao leitor, este já sabe que ela também é estranha, misteriosa e feia. O que torna tudo bonito: os diálogo entre os dois são incrivelmente belos, sarcásticos e espirituosos, é impossível não torcer pelo amor dos dois.

Há mistérios que rondam a mansão de Thornfield que dificultam a felicidade do casal. Jane Eyre tem pressentimentos ruins, sonhos terríveis que condizem com os fatos estranhos daquela casa. E vou parar por aqui e apenas acrescentar que Jane Eyre entrou para a minha lista dos melhores clássicos que já li. Os motivos que me levam a classifica-lo como tal são inúmeros, mas acredito que o mais importante é ter visto numa personagem clássica o que uma mulher moderna precisa ter: coragem.

Assista ao vídeo-resenha no canal Livro&Café:

 Onde Comprar Jane Eyre: 

Amazon
Americanas
Livraria Cultura
Saraiva
Submarino


Francine Ramos

Criou o Livro&Café em 2011, é professora de Língua Portuguesa, adora ler e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

12 Comments
  1. Como não se apaixonar por essa personagem tão maravilhosa?
    Bela resenha, fiquei com vontade de ler o livro novamente!

  2. Eu adorei seu texto, muito simples e direto. Também percebi muito sua personalidade inserido no texto e de certa forma consigo entender um pouco dessa leitora que agora é escritora. O livro em si é maravilhoso. Passar bem e meus parabéns.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Lula Livre!

Livro&Café é feito por Francine Ramos, desde 2011.

“Livros, o precioso sangue dos espíritos imortais” Virginia Woolf