25 Livros Essenciais sobre Feminismo

Em tempos que o tema feminismo cai em prova escolar, causando a ira de políticos e “formadores” de opinião, o post que vi no site Stylist me inspirou a criar esta lista, junto com outro post que vi no site Bustle, que lista também livros contemporâneos. E mais uma pesquisa, encontrei no Flavorwire uma lista com livros sobre feminismo para jovens leitores. Então, o resultado é uma miscelânea do que vejo por aí, com adição de alguns livros que li e outras belezas do feminismo que amigas indicaram. 


Se o seu livro feminista preferido não estiver nesta lista, indique nos comentários.

Vamos espalhar feminismo por aí. E se reclamar, espalho mais, porque não sou obrigada, a vida é minha, o corpo é meu e ninguém manda em mim! <3

1. Antígona (Sófocles): tragédia escrita em 442 A.C. conta a história de Antígona, uma mulher que desafiou as autoridades patriarcais. +Amazon

2. Em defesa dos direitos da mulher (Mary Wollstonecraft): escritora inglesa do século XVIII deixou para nós uma das primeiras obras sobre filosofia feminista. Nele, Wollstonecraft responde aos teóricos da educação e políticas que não acreditam que as mulheres devem ter direitos iguais. + Amazon (em inglês)

3. Jane Eyre (Charlotte Brontë): romance lançando em 1847 possui como personagem principal uma mulher pobre e feia – o oposto dos livros da época – e além disso, ela se torna dona de sua própria vida, indo em busca de seus desejos profissionais e sentimentais. Leia a resenha aqui. + Amazon

4. Mulherzinhas (Louisa May Alcott): O romance de Louisa May Alcott (1832 – 1888), escrito no período da Guerra Civil Americana, aposta na questão da independência das mulheres. +Livraria Cultura

5. Middlemarch (Mary Ann Evans/ George Eliot): publicado em 1869 por Mary Ann Evans com o pseudônimo de George Eliot – porque na época livros escritos por mulheres não eram levados a sério, tem como protagonista Dorothea Brooke, que leva a sua própria vida a lugares muito diferentes do que a sociedade diz que ela é capaz. +Amazon

um-teto-todo-seu-virginia-woolf6. Um Teto Todo Seu (Virginia Woolf): O livro fala principalmente da importância de um discurso feminino na literatura. Um dos exemplos mais conhecidos do livro é sobre a ideia de que se Shakespeare tivesse uma irmã tão talentosa quanto ele, porém ela não seria conhecida como o irmão e talvez não conseguiria escrever uma linha, porque a ela não foi fornecida a mesma educação, condição social e respeito. Leia a resenha aqui. +Livraria Cultura

7. Orlando (Virginia Woolf): Publicado em 1928, o romance é baseado em parte na vida da amiga íntima de Virginia Woolf, Vita Sackville-West. A história é considerada importante na literatura em geral, particularmente na história da escrita das mulheres e estudos de gênero. Leia a resenha aqui+Amazon

8. O Segundo Sexo (Simone de Beauvoir): Simone De Beauvoir foi pioneira em estudos de gênero com este livro lançado em 1947. É nele que esta a poderosa frase que assusta até hoje os mais conservadores: “Ninguém nasce mulher, torna-se mulher”. +Livraria Cultura

9. A Mística Feminina (Betty Friedan): Um livro 1963  em que Betty Friedan desmonta o mito da dona de casa feliz pós-guerra que tinha se proliferado pelos meios de comunicação. +Amazon (em inglês)

10. Wide Sargasso Sea (Jean Rhys): Escrito em 1966 por Jean Rhys, o livro conta a história da primeira mulher de  Mr. Rochester, o homem que Jane Eyre se casa (personagem de Charlotte Brontë), humanizando-a e tendo um olhar mais simpático a uma das personagens mais mal compreendida do período vitoriano. +Amazon

SOBREVIVI-POSSO-CONTAR11. Sobrevivi, posso contar (Maria da Penha): Lançado em 2010, o livro relata a vida da autora que sofreu uma cruel, dolorosa e covarde violência. Maria da Penha oferece sua história generosamente a toda sociedade, como uma forma de contribuir com transformações urgentes, pelos direitos das mulheres a uma vida sem violência. Ícone dessa causa, sua vida está hoje também simbolicamente subscrita e marcada sob a lei nº 11.340 ou lei Maria da Penha. +Amazon

12. I Know Why The Caged Bird Sings (Maya Angelou): Autobiografia de Maya Angelou, que lida principalmente com as possíveis maneiras de superar o racismo e o abuso. Outro tema recorente é sobre a superação das dificuldade sociais em ser uma mulher diferente dos padrões patriarcais. +Amazon

13. Política Sexual (Kate Millett): Lançado em 1970, o livro de Kate Millett foi o primeiro texto acadêmico feminista de crítica literária. Millett critica DH Lawrence, Henry Miller e Norman Mailer sobre a representação ficcional deles discutirem o sexo apenas de uma forma patriarcal. +Livraria Cultura

14. The Sex Which Is Not One (Luce Irigaray): Mais um livro acadêmico, escrito em 1977 por Luce Irigaray, que aborda questões da linguística e da falta de discurso feminino na história literária. +Livraria Cultura (em inglês)


15. A cor púrpura (Alice Walker): O livro narra a comovente trajetória de uma mulher negra na racista América do início do século XX. A Cor Púrpura é um romance feminista sobre a força e dignidade do espírito humano. Aline Walker foi vencedora do Prêmio Pulitzer em 1983. +Amazon

16. O conto da Aia (Margareth Atwood): A história tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes – tudo fora queimado. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado. Com esta história, o leitor irá refletir sobre liberdade, direitos civis, poder, a fragilidade do mundo tal qual o conhecemos, o futuro e, principalmente, o presente. +Amazon

17. Sejamos Todos Feministas (Chimamanda Ngozi Adichie): Neste ensaio preciso e revelador, Adichie parte de sua experiência pessoal de mulher e nigeriana para mostrar que muito ainda precisa ser feito até que alcancemos a igualdade de gênero. Segundo ela, tal igualdade diz respeito a todos, homens e mulheres, pois será libertadora para todos: meninas poderão assumir sua identidade, ignorando a expectativa alheia, mas também os meninos poderão crescer livres, sem ter que se enquadrar em estereótipos de masculinidade. +Submarino

americanahcapa18. Americanah (Chimamanda Ngozi Adichie): Livro lançado em 2014. Principal autora nigeriana de sua geração e uma das mais destacadas da cena literária internacional, Chimamanda Ngozi Adichie parte de uma história de amor para debater questões prementes e universais como imigração, preconceito racial e desigualdade de gênero. Bem-humorado, sagaz e implacável, Americanah é, além de seu romance mais arrebatador, um épico contemporâneo. Leia a resenha aqui+Livraria Saraiva

19. Paraíso (Toni Morisson): Lançado em 1998. Este é o primeiro romance que Toni Morrison publicou depois de sua consagração mundial em 1993, quando recebeu o Nobel de Literatura. Neste livro, com uma lingaugem extremamente metafórica, a autora revela que o livro é um corajoso apelo à liberdade em que a elegância do estilo colore os matizes do ódio e da intolerância. +Amazon

20. Minha História das Mulheres (Michelle Perrot). Com uma linguagem simples, o livro narra em cinco capítulos o processo da crescente visibilidade das mulheres em seus combates e suas conquistas nos espaços público e privado. Mães e feiticeiras, trabalhadoras e artistas, prostitutas e professoras, feministas e donas-de-casa e muitas outras personagens femininas fazem parte desse relato sensível e atual de uma das pesquisadoras mais conceituadas da história das mulheres. Leia a resenha aqui+Livraria Saraiva

o_mito_da_beleza_21. O Mito da Beleza (Naomi Wolf): A autora enfrenta o que ela acredita ser a única trincheira ainda por derrubar para que a mulher possa obter sua igualdade em todos os campos. Para mostrar como a indústria da beleza e o culto à bela fêmea manipulam imagens que minam a resistência psicológica e material femininas, reduzindo as conquistas de 20 anos de lutas a meras ilusões, Naomi escreveu um livro com dados estatísticos. +Amazon

22. Dicionário crítico do feminismo (organização de Helena Hirata): Com o objetivo de estimular a reflexão crítica sobre a construção social da hierarquia entre os sexos e, dessa forma, desenvolver um pensamento crítico feminista que favoreça a emancipação das mulheres e a igualdade na diferença. +Livraria Saraiva

23. Como se ensina a ser menina – o sexismo na escola (Montserrat Moreno): Destacando-se pela análise crítica e a perspicácia, este livro constitui um questionamento a respeito da visão sexista dominante na sociedade e, conseqüentemente, na escola. Propõe que a escola critique qualquer pretenso fundamento científico em nome do qual se discrimina a mulher, para que se rompa a cadeia de transmissão do androcentrismo. +Livraria Saraiva

24. Universo Desconstruído (vários autores): Organizado por Aline Valek e Lady Sybylla, o livro é uma coletânea de contos de ficção científica feminista. A idéia, segundo as organizadoras, é quebrar dois estigmas extremamente negativos: que mulheres não sabem escrever ficção científica e que feminismo é um movimento que quer destruir o gênero masculino. O objetivo principal é a quebra dos estereótipos negativos que recaem sobre mulheres, gays, lésbicas, os ditos “trans”, negros e homens. +Download gratuíto aqui

25. O histórico infame de Frankie Landau-Bankies (E. Lockhart): Livro lançado em 2013, indicado para jovens leitores. Frankie Landau-Banks, uma estudante de segundo ano em uma escola americana, assume o patriarcado masculino numa sociedade secreta. O livro contém leves pitadas de feminismo, brincadeiras e piadas adolescentes. Leia a resenha aqui+Livraria Saraiva


Francine Ramos

Criou o Livro&Café em 2011, é professora de Língua Portuguesa, adora ler e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

29 Comments
  1. Excelente lista, Francine.
    Não sei se ainda está disponível, mas no app da BBC tem, na íntegra a peça Antígona, nova versão para o teatro estrelado pela Juliette Binoche.

  2. Tenho muita vontade de ler alguma coisa da Toni Morrison, já vi muita gente elogiando os livros dela e sempre fico curiosa. Mary Shelley é outra que estou ansiosa para conhecer, ainda mais com tantas pessoas participando de clubes de leitura com Frankenstein.
    Fiz uma listinha também esses tempos com alguns livros que eu tinha lido e citado no blog e estou impressionada com a minha memória péssima. Lembrei de falar de Sejamos todos feministas e esqueci logo de Americanah. Os dois livros da Chimamanda são igualmente poderosos e sensíveis, não tem como só falar de um deles. Acho que a Chimamanda foi uma das minhas melhores descobertas esse ano! E veja só, só comprei o Americanah por indicação sua! Vi o seu vídeo sobre o livro, e até acho que foi o primeiro vídeo que eu vi do Livro e café, e fiquei alucinada. Alias, tem outras coisas ai nessa lista que eu li ou quero ler por sua culpa né? hahaha
    Adorei essa lista!
    Beijos

    1. hahahaha adoro me sentir culpada por essas coisas!
      Chimamanda é sem dúvida a minha melhor descoberta literária desde 2014. <3 Dela, ainda quero ler Hibisco Roxo e Meio Sol Amarelo. 🙂
      Bjooo

  3. Adorei!
    Meu livro feminista é MUNDOS DE EUFRÁSIA, de Claudia Lage. É a história da filha do maior barão do café do Vale do Paraíba (Vassouras, especificamente) no séc XIX. Pois a Eufrásia tomou as rédeas de sua vida, foi a 1ª mulher a operar na Bolsa de Paris e, apesar da paixão por Joaquim Nabuco, resistiu a se casar com ele, que exigia as regras vigentes de comunhão de bens e gerência total do patrimônio por parte do marido.

  4. Muito boa essa lista, estava procurando algo para aumentar meu conhecimento sobre esse tema e seu artigo será uma ótima base, parabéns!

  5. Olá,Francine!
    Linda lista!
    Anotei muitos para eu conhecer. Gratidão!
    Vou sugerir um para rechear mais essa saborosa lista:
    Grrrrls,garotas iradas – autora:Vange Leonel

    Traz notícias reais de mulheres que se libertaram de seus maridos castradores e violentos; artigo sobre a Virgínia Woolf; importância da literatura feminista e outros temas. É uma coletânea de textos curtos sobre feminismo.

    Um beijo,menina!

  6. Francine, pesquise Novas Cartas Portuguesas, foi um manifesto na Europa na década de 70, proibido pela censura, não pode ficar de fora dessa lista. bjs

  7. Queria muito um livro que contasse “A história do feminismo” , algum desses tem esse retrato? Senti que todos são mais voltados para a literatura, menos O segundo sexo.

  8. Muito boa a lista de Sófocles até Aline Valek! Só senti falta de uma obra: Complexo de Cinderela de Colette Dowling.

  9. Olá! Soube por um programa, RTP2 Curso de Cultura Geral, que na Noruega oferecem o livro “Sejamos todos feministas”,de Chimamanda Ngozi Adichie, a todos os alunos de 16 anos! Parabéns a quem teve a iniciativa!

  10. Só basta ler para desmascara qualquer moviemnto feminista a ideologia a base teorica de cada um não a diferença com as feminazis as feminazis são os orgulho das primeira feminista, e quaçquer movimento pos mordenismo usa como base vitimismo e otimismo opressor e oprimido… é bom uma pessoa ler para desmascara qualquer feminista.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Primeiramente, Fora Temer!

Livro&Café é feito por Francine Ramos, desde 2011.

“Livros, o precioso sangue dos espíritos imortais” Virginia Woolf