A Arte da Imperfeição

Sabe quando você está passando naquelas feirinhas de livros de R$ 10,00 e um te chama atenção? Quando um livro chama a gente é quase que um encontro marcado pelo destino, a gente não ignora, a gente pára e leva. Foi o que eu fiz com A Arte da Imperfeição, de Brené Brown. Na época, eu não fazia idéia de quem era a autora e também nunca tinha ouvido falar do livro. A descrição na contracapa dando a autora o título de “especialista em vergonha” me fez ficar curiosa. Pensei:”Incomum, né? Tanta coisa mais sedutora para se estudar e a pessoa resolve se especializar em vergonha”. Levei.

 

Sobre a Autora

Brené Brown é escritora e professora, membro do corpo de pesquisa da Universidade de Houston. O livro A Arte da Imperfeição é resultado de sete anos de pesquisas sobre como vivências universais  de vergonha e medo nos afetam e como a prática da resiliência em nossa vida cotidiana pode mudar a forma como vivemos. E apesar de toda essa bagagem Acadêmica, Brené Brown fez uma coisa neste livro que poucos pesquisadores, poucos cientistas sabem fazer, contar sobre seus achados de uma forma que cative o leitor, que seja interessante e empolgante (e compreensível), mesmo para quem é leigo no assunto. É verdade, jornalistas são bons nisso, cientistas não. Mas ela fez. Conta sua história em um tom pessoal, na primeira pessoa, como se  fosse uma amiga sua contando. Fala como este tema surgiu da sua própria experiência pessoal.

Nada de Fórmulas

Para quem tem pavor de livros que passam “fórmulas da felicidade” aos leitores (Eu!), pode ficar tranquilo, não há nada parecido em A Arte da Imperfeição. A autora defende que, ao contrário, o autoconhecimento é a principal chave para quem está em busca de autenticidade e plenitude. Por tanto, sem “receitas de bolo”. Conhece-te a ti mesmo, antes de qualquer coisa.

Reduzindo a Autocobrança e a Mania de Perfeição

A Arte da Imperfeição é sobre parar de se preocupar tanto com o que os outros vão pensar, sobre não deixar de ser você mesmo e ir em busca do que faz sentido para você com receio de passar vergonha, de fracassar. É sobre buscar a autenticidade ao invés de um modelo de perfeição que atenda as expectativas do outro. Libertador, em tempos de redes sociais com vidas fabricadas especialmente para garantir audiência, né mesmo?

Fala, Brené Brown

Escolhi um trechinho do livro que me marcou para compartilhar com vocês e deixar a autora falar por si mesma.

“Escrever nossa própria história pode ser difícil, mas não é tão duro quanto passar a vida fugindo dela. Aceitar nossas vulnerabilidades é arriscado, mas não tão perigoso quanto desistir do amor, do pertencimento e da alegria que, por outro lado, são as experiências que nos deixam mais vulneráveis. Somente quando tivermos coragem suficiente para explorar a escuridão, descobriremos o poder infinito da nossa luz”.

Sim, foi nesse pedacinho do livro que a Arte da Imperfeição ganhou o meu coração. Se você também já leu, este ou outros livros da autora, conta o que achou aqui nos comentários!


Erika Saab

Erika Saab é Psicóloga, Psicoterapeuta e Coach. Cresceu cercada por livros e por eles se apaixonou cedo! Em seus atendimentos de Psicoterapia e nos processos de Coaching, sempre recebeu solicitações das pessoas de indicações de leituras que as ajudasse, de alguma forma, em suas jornadas em busca de autoconhecimento, bem estar emocional e desenvolvimento pessoal. Daí nasceu a ideia da coluna Livro Terapia.

2 Comments
  1. Eu comecei a ler esse livro e parei. Não pq não estava gostando mas pq surgiu outra leitura que falou mais comigo na época (Grande Magia). Mas depois do seu post resolvi que vou pegar pra ler de novo.
    Bjão

  2. No Carrefour que ficava perto da minha casa eu comprei muitos livros na baciada que o mercado fazia de vez em quando e li livros fantásticos, como O Mestre de Quéops ou Anatomia do Genocídio. São aqueles livros que encalharam, ninguém prestou atenção, mas acabou perdendo um grande livro.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Primeiramente, Fora Temer!

Livro&Café é feito por Francine Ramos, desde 2011.

“Livros, o precioso sangue dos espíritos imortais” Virginia Woolf