5 Quadrinhos Independentes para conhecer

Com o tema A cidade em quadrinhos, a 5ª edição da Bienal Internacional de Quadrinhos de Curitiba aconteceu entre os dias 06 e 09 de setembro no MuMA (Museu Municipal de Arte). Apesar de contar com nomes famosos, como Luli Penna e Gidalti Jr, e com grandes editoras, boa parte da graça de participar desse tipo de convenção é andar meio sem rumo e sem pressa pelas mesas, é ver e conversar com os artistas, é perceber a quantidade e qualidade de arte independente que é produzida em todo o nosso país, é voltar para casa com uma (ou algumas) sacola cheia de HQs que você talvez nunca descobriria caso esse tipo de evento não existisse. Confira, abaixo, cinco HQs e artistas que tive o prazer de conhecer na Bienal:

1. Ânsia eterna – Verônica Berta

Júlia Lopes de Almeida é mais uma das várias escritoras brasileiras apagadas ao longo do tempo. Figura importante do século XIX, foi uma das idealizadoras da Academia Brasileira de Letras, mas, graças ao veto à participação de mulheres, nunca chegou a ser considerada uma “imortal”. Em Ânsia eterna, Verônica Berta adapta três contos da escritora, mantendo, como diz a sinopse, o “suspense, surpresa, grotesco e tragédia” encontrados em sua obra. Compre na Amazon

2. Quadrinhos A2 – Paulo Crumbim & Cristina Eiko

Publicado inicialmente como uma webcomic, os Quadrinhos A2 são uma série de histórias autobiográficas que misturam dramas do cotidiano de quadrinistas independentes, a adoção do fofíssimo cachorro Pino, viagens, conversas aleatórias e uma boa dose de fantasia. Compre pelo site do projeto

3. Bad Omen – Alice Monstrinho

Inspirado em jogos de RPG, Bad Omen é uma história sobre um mundo onde criaturas sobrenaturais habitam o planeta sem o conhecimento dos homens. Metáfora para doenças mentais, a HQ mostra como vivem vampiros, lobisomens e outros seres míticos, e os problemas culturais, medos, desejos e a guerra que precisam lidar. A campanha de financiamento coletivo para a terceira edição da saga vai até o dia 15/10 e você pode conhecer mais e ajudar através do link.

4. Se apagar – Bel Pardal

“A escuridão é esmagadora e todos sabem do perigo que é enfrentá-la. É nela que habitam suas inseguranças, medos e defeitos. Para se protegerem, as qualidades das pessoas são transformadas em lanternas, que iluminam seu redor e as mantêm seguras”. É esse o mundo de Lina, uma garota que vê a sua vida mudar quando deixa de acreditar em si e uma de suas lanternas se apaga. Saiba mais sobre o projeto no Catarse

5. Légume e o tempo – Michel Ramalho

Por último, mas definitivamente não menos importante, temos Légume, esse pequeno mensageiro que, em uma de suas viagens por um mundo onde tudo parece possível, conhece Anita, uma camponesa que, apesar de parecer muito alegre, “carrega consigo uma montanha de culpa e um dilema que se arrasta do passado até o presente”.  A campanha de financiamento coletivo para o segundo volume das jornadas do mensageiro vai até o dia 05/10 e você pode conhecer mais o projeto e contribuir  através do link. ou Comprar o livro na Amazon


Vanessa Pessoa

Vanessa é uma feminista introvertida, estuda letras na UFPR e coleciona uma porção de figos maduros que apodreceram aos seus pés. Gosta de livros riscados, lombadas quebradas, café sem açúcar e não sabe muito bem como escrever sobre ela mesma.

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu e-mail não será publicado, fique tranquilo.