A voz do autor e Virginia Woolf

Compartilhe:

Quando leio, além de apreciar a história, eu tento também buscar a voz do autor. Isso, a princípio, parece ser algo difícil de mensurar, mas com o passar do tempo e com mais leituras de um mesmo autor, meus olhos ficam mais apurados para reconhecer a identidade do autor através dos seus parágrafos ficcionais. Então, por mais que eu esteja fazendo a leitura de uma história irreal eu procuro buscar a realidade que levou o escritor a juntar aquelas palavras e formar cada frase e – sempre – ali mora a história de uma vida, de uma sociedade, de um mundo particular que é melhor e maior que a ficção. E é isso que me impulsiona a ler mais: quero encontrar a literatura pela arte, pela provocação, pela descoberta de vozes que tentaram mudar o mundo.

A voz do autor e Virginia Woolf

E isso acontece quando leio Virginia Woolf: a cada livro novo de sua ficção eu vou descobrindo mais a voz dela inserida em cada linha, em cada parágrafo, em cada capítulo sendo narrado em primeira ou terceira pessoa. É lindo, é um mergulho maior e mais profundo na escrita literária. E hoje me vejo uma leitora muito melhor do que sempre fui. Graças à ela, Virginia – tão sábia, tão perfeita. Porque, a cada término de frase, além de mais um passo à compreensão da história contada, também dou um passo para o reconhecimento do autor, como se ele fosse um grande espaço rodeado de dinamites, é preciso saber onde pisar: para não morrer; para não matar.

A voz do autor e Virginia Woolf
A autora quando jovem

E assim, quando há a busca da voz do autor, é o momento exato para ler sua biografia e poder analisar os mitos e verdades da pessoa (o objeto de estudo). A biografia deve ser vista como uma conversa de amigos contando sobre outro alguém. E quando esse alguém não é ninguém a conversa torna-se sem graça, superficial.

Literatura inglesa: 15 livros essenciais para ler

Compre livros de Virginia Woolf na Amazon

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

3 comentários

  1. Adorei esse texto, Francine, quanta sensibilidade, hum? Gosto de toda essa arte, desse prazer. Pelas fotos e comentários o último clube do livro deve ter sido maravilhoso. (Ah, adoro gente apaixonada mesmo.)

    Um beijo.

  2. Eu também sou assim, sempre que começo a ler um livro tento saber mais da vida do autor para entender mais a forma de pensar dele, acho que todo mundo que curte mesmo a literatura faz isso, assim a leitura se torna mais completa.

Deixe um comentário