“O Conto da Ilha Desconhecida”, escrito pelo renomado autor português José Saramago, é uma obra que nos transporta para um mundo de imaginação e reflexão. Publicado em 1997, este livro é uma narrativa que mescla a simplicidade e profundidade, com a maestria característica de Saramago.

Através de uma história aparentemente simples sobre a busca por uma ilha desconhecida, o autor desvela camadas de significado que convidam o leitor a explorar os recantos do desejo, da identidade e da descoberta pessoal. Com sua prosa única e marcante, Saramago nos conduz por um universo literário onde o inesperado é a norma e o leitor é desafiado a questionar e refletir sobre as verdades da vida e da existência humana. “O Conto da Ilha Desconhecida” é mais do que uma história; é uma jornada filosófica que nos envolve desde a primeira página e continua a ressoar muito depois de fecharmos o livro.

No conto sempre alguma coisa fica de fora”, escreveu Katherine Mansfield num inverno cortante de 1900 e alguma coisa. A contista neozelandesa era assim: prática, precisa, consistente, que fez de sua curta passagem por essa vida, um ode à literatura de qualidade. Seus contos utilizam pequenos acontecimentos do cotidiano para mostrar que a vida pode ser uma boa aventura.

Mas agora repenso sobre essa frase que sempre acreditei ser verdadeira, no conto sempre alguma coisa fica de fora, mas então você lê José Saramago e seu quebra-cabeça literário, já tão confuso e difícil de entender, perde algumas peças que representam as dúvidas: o conto é menor que o romance? Se sim, de que forma? Se não, por quê? O que fica de fora? Se for algo importante, o conto não é bom; se for algo inútil, é correto ficar de fora.

O conto da ilha desconhecida

Em “O conto da ilha desconhecida” há vários assuntos que se entrelaçam e todos, juntos, ganham a força tão característica de Saramago: personagens simples vivendo uma grande aventura que, aos olhos dos comuns (nós), são impossíveis de acontecer até a leitura do conto se tornar uma luz possível.

Leia mais: O memorial do convento (José Saramago)

Personagens sem nomes e inconfundíveis: a moça da limpeza e o homem que vai pedir um barco ao rei. Ele quer encontrar uma ilha desconhecida, é avisado que ilhas desconhecidas não mais existem, que todas já foram catalogadas pelos geógrafos do rei. Ele insiste “porque é impossível que não exista uma ilha desconhecida”. A moça da limpeza, por impulso e por ver na atitude do homem um ato de coragem, decide ir até o barco também. E os dois personagens, ainda desconhecidos um para o outro, travam o combate de “bombordo a estibordo“, para aquele difícil primeiro passo após a empatia se transformar numa relação verdadeira.

A ilha desconhecida é representada de diversas formas: o encontro entre a mulher da limpeza e o homem do barco; o desejo do homem em ter um barco; o impulso da mulher em querer mudar de vida; a coragem dos dois personagens. “Eram os dois ou um só, era o homem a descobrir que era também uma ilha em busca de si mesma e que no fim de tudo estava a procurar por si próprio quando saiu de casa para pedir um barco ao rei.

José Saramago é um escritor que me encanta muito. Gosto da sutileza que ele usa e, mesmo assim, as ações dos personagens ficam muito claras, transparentes. E voltando a ideia de Katherine Mansfield, que no conto sempre alguma coisa fica de fora, só tenho a lamentar que ela não conheceu José Saramago, um dos grandes nomes da literatura mundial. Com certeza, ao descobrir sobre a profundidade de uma ilha desconhecida, sua frase sobre as possíveis falhas de um conto teria um foco diferente, outro sentido, outras ilhas.

A Ilha Desconhecida fez-se enfim ao mar, à procura de si mesma.

Onde Comprar O Conto da Ilha Desconhecida (José Saramago): Amazon

Share.