1984 (George Orwell), um livro essencial para a humanidade

Compartilhe:

Eu me preocupo mais em ler outros tipos de romance aos como 1984 (George Orwell), porém, este era meu pensamento antes de ler 1984 porque agora a vontade é ir para uma ilha deserta com uma seleção incrível de livros do gênero e me acabar e aprender, conhecer, entender, analisar, criticar e amar os livros de ficção científica. E tudo isso é culpa do autor.

O que eu sabia antes da leitura é que o livro se passa num mundo onde tudo é controlado por um tal de Big Brother, o mesmo que inspirou o reality show. E só.

1984 (George Orwell), um livro essencial para a humanidade
Compre na AMAZON

O que eu encontrei no livro foi uma história incrível sobre o comportamento humano relacionado ao poder. Sobre como seria a nossa vida caso um sistema político maluco assumisse o controle do mundo. Um sistema onde não é possível nem pensar, ter desejos e sonhar, onde tudo é extremamente controlado ao ponto dos seres humanos nem conseguirem sentir que eles estão vivendo numa condição pior que bosta.

Leia também: Por que 1984 (George Orwell) pode te ajudar a entender o jogo político

O personagem principal chama-se Winston Smith, ele é funcionário público e um dos poucos que ainda não caíram nas garras do poderoso Grande Irmão. Ou seja, ele ainda consegue analisar a história, pois a sua lembrança de um passado melhor ainda é viva, o que difere de uma boa parte da população, que vive na ilusão de que as melhorias do sistema totalitário estão a todo vapor, mas na verdade o que o sistema faz é enganar o povo com notícias falsas e com alterações constantes do passado, para que em nenhum momento seja possível questionar o presente.

A história se passa em 1984, em Londres, mas na ficção de Orwell se chama Oceânia, que além das Ilhas Britânicas engloba outros continentes que foram conquistados durante uma guerra nuclear.

Onde Comprar 1984 (George Orwell): Amazon

A leitura de 1984 (George Orwell) pode ser comparada a uma entrada num túnel muito escuro e estreito e que vai piorando na medida em que as páginas vão sendo viradas. A vida de Winston interessa muito ao leitor, pois representa o último resquício de humanidade como a conhecemos – a sensação de liberdade, o poder gostar, amar, sentir, discutir, conversar, sorrir, ir, vir, etc – e o túnel que a leitura provoca faz cada uma dessas sensações irem se perdendo de acordo com as tentativas do personagens em permanecer humano.

Há muito para falar sobre o mundo que George Orwell inventou. Não há uma metáfora no livro que não seja possível relacionar aos dias de hoje, à nossa história, o passado e ao futuro. É desconcertante a lucidez política de George Orwell. Um livro que foi escrito em 1948 traz reflexões e algumas profecias, infelizmente, sobre o quanto somos acostumados com o poder político e o quanto somos pequenos, frágeis e tolos ao acreditar no que a televisão e os jornais nos dizem todos os dias.

O poder da linguagem em 1984

O livro é incrivelmente bom. Mas quero destacar o que eu mais gostei, que foi a questão da linguagem. Em Oceânia o governo pretende até 2050 implantar uma nova língua, chamada de Novafala. A ideia é que ela seja o mais simples e básica possível. Cada ano, quando é lançado uma nova versão do Dicionário de Novafala as palavras vão sendo diminuídas para que, aos poucos, a população, não reconheça certos sentimentos e desejos, já que são de palavras que não existem; e já que eles estão habituados em acreditar e obedecer tudo o que é dito na televisão (“teletela” em Novafala); já que eles não tem passado; já que eles mal sabem quando é o futuro. Assim, resumidamente, parece complicado entender como isso é possível, mas no livro tudo se torna muito real a partir da linguagem tão clara de George Orwell, que constrói um universo tão assustador quanto real.

Me interesso muito pela linguagem porque acredito que ela é o que mais nos representa como um povo, um país. O jeito que formamos as palavras, que as reconhecemos e as estudamos faz com que seja possível compreendermos um pouco mais de tudo. Ou seja, quanto maior for o meu vocabulário, mais vou conseguir entender a minha vida e a vida do próximo. E a medida que esse vocabulário que uso for diminuindo, eu serei prejudicada, pois deixarei um pouquinho de humanidade para trás. Um mundo com um vocabulário ruim, com um sistema de linguagem/comunicação fraco pode transformar novamente, cada pessoa, em moradores de uma caverna, prontos para golpear o próximo. E isso lembra alguma coisa ou estou enganada?

Onde Comprar 1984 (George Orwell): Amazon

Conheça as melhores frases do livro 1984

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

5 comentários

  1. A Novafala também foi o aspecto do livro de que eu mais gostei! =D
    Sempre lembro de 1984 quando vejo as pessoas querendo substituir palavras: “deficiente” por “portador de necessidades especiais”, “menor” por “criança e adolescente, “anão” por “verticalmente desfavorecido” e por aí vai. É como se o poder estivesse na palavra, e não no conceito por trás dela.

    • Oi, Eduarda!
      É bem por aí mesmo. Nós já usamos alguns conceitos da “Novafala” e isso dá um medo! rs E se prestarmos atenção em conversas (nas nossas também), sejam elas orais ou escritas, fica muito claro o quanto o nosso vocabulário está cada vez menor. Quantas palavras será que caíram em desuso? Quantas outras já nem lembramos que existem? Parece que o mundo moderno reduz automaticamente o nosso vocabulário em nome da praticidade e rapidez da informação…

      Bjos!!

  2. Nunca li 1984 e talvez não leia porque não tenho muita simpatia por ficção científica, mas todas as resenhas que leio sobre 1984 fala destes acontecimentos que são citados no livro e que de fato fazem parte da nossa realidade. É chocante, mas você não está enganada.

    • Oi, Maria! Eu me surpreendi muito com 1984. Eu sabia que seria uma boa leitura, pois já é um clássico, mas a escrita de George Orwell é muito boa de ler, o texto flui muito bem e, apesar de ser um livro classificado como ficção científica, as questões que o livro trata são com uma base muito humana. Vale à pena ler 🙂 Bjos

Deixe um comentário