Evelina (Frances Burney)

 photo evelina_zpse5mw6rcg.jpgLivros escritos em forma de cartas eu gosto. Porque parece que estamos violando alguma coisa secreta, proibida. Eu tive um pouco dessa sensação no começo da leitura do romance Evelina (Frances Burney, Editora Pedrazul), pois Evelina, a protagonista, escreve cartas ao seu tutor detalhando tudo o que acontece em sua vida, durante o período que, pela primeira vez, ela sai de casa para conviver na sociedade burguesa inglesa e francesa.

A história do nascimento de Evelina a permite ter contato com pessoas diferentes dela – algumas de boa índole, outras com atitudes bastante duvidosas. Ela é fruto de um casamento muito errado, pois o pai casa-se com uma moça, mas depois foge sem deixar provas sobre o casamento, o que deixa a mãe de Evelina numa situação extremamente delicada. Por outro lado, Evelina tem sorte em encontrar um tutor muito bom, que cuida da menina com muito carinho, respeito e também colabora para ela encontrar o próprio caminho e enfrentar os obstáculos que uma garota simples enfrenta ao conviver com a alta burguesia.

Evelina é uma personagem contagiante, uma Bridget Jones dos tempos antigos. Atrapalhada, graciosa e impulsiva, ela consegue sobreviver ao mundo tão superficial, interesseiro e machista.

O primeiro momento dela na sociedade inglesa é num baile em que ela fica sabendo que é preciso dançar com algum homem. E que se ela aceitar a dança com um, não pode aceitar a dança com um segundo homem na mesa festa, pois assim ela se tornaria uma mulher leviana. Mas ela, apavorada pelo simples fato de dançar, decide antes de começar a festa que não irá dançar com ninguém, como uma forma de não se atrapalhar com a situação da dança e etc. Porém, o primeiro a querer dançar com ela é Lord Orville, que possui todas as qualidades exigidas para um bom ser humano – educação, respeito, cordialidade, mas por medo da dança, ela diz não. E passa o reto da noite negando convites. Até que aparece um homem extremamente inconveniente e ela, toda atrapalhada e assustada, diz a ele que já está dançando com Lord Orville e, para desespero de Evelina, o homem inconveniente não acredita nela e – literalmente – a persegue durante toda a festa.

Aliás, o homem a persegue durante a história toda, o que me deixou bastante incomoda com isso; e também os outros que aparecem para cortejá-la. Todos desrespeitosos, que de um jeito absurdo, mas muito praticado até os dias de hoje, colocam a mulher como sedutora e o homem como a vítima.

E por se tratar de um livro epistolar, cada passo de Evelina é registrado nas suas cartas, que mais parece um diário, por possuir tantos detalhes. Ela conta ao seu tutor todos os momentos de sua rotina: os passeios em belos jardins, jantares e conversas com suas novas amizades.

Dos outros personagens, destaco Lord Orville, o príncipe encantado da história, num estilo muito parecido com Mr. Darcy (Jane Austen; que por sinal, recebeu influências literárias de Frances Burney) – impossível não ficar encantada.

A leitura é muito agradável. A história mostra para o leitor o que irá acontecer – a moça quer encontrar um grande amor e casar-se – mas isso não é o principal, apesar de ser a base de toda a história, o que fica, e por isso é um clássico, é a crítica social. Frances Burney (1776-1840), por meio de sua personagem Evelina, mostra o quanto é difícil viver em sociedade, o quanto as pessoas podem ser cruéis de acordo com os seus instintos, conta bancária e gênero.

Onde comprar “Evelina”: Amazon

Avatar
Francine Ramos

Faz da Livro&Café parte essencial de sua vida desde 2011. É professora de Língua Portuguesa, adora ler, escrever (um dia vai publicar um livro) e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

3 Comentários
  1. Esse livro parece ser muito bom, e a capa ficou tão linda, gosto muito de Jane Austen e ao saber dessa leitura que ela fez, acaba fazendo com que eu queira ainda mais ele, até por que você gostou dele também.
    Os: acompanho seu vlog e acho muito fofo o seu amor pela Virginia, e é muito bom você falar nela, pois não têm muitos vlogs que falem de livros clássicos, e principalmente da Virginia, li o “um teto todo seu”, por causa da sua indicação.

    1. Oi, Raquel!
      É um livro gostoso de ler sim.
      Obrigada por acompanhar o canal. Estou aprendendo ainda a fazer os vídeos, mas está sendo uma experiência boa. 🙂
      E vc gostou de “Um Teto Todo Seu”?
      Bjo!

      1. Gostei muito, foi o primeiro livro dela que eu li, e a forma com que ela argumenta sobre o espaço para a mulher crescer fez tanto sentido para mim, e a temática também fez com que eu inicia-se a leitura do segundo sexo da Simone de Beauvoir.

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado