A leitora Virginia Woolf: janeiro de 1915

Compartilhe:

A ideia desta série de artigos surgiu pela curiosidade em saber quais livros Virginia Woolf leu e, o mais importante, o que ela achou dessas leituras. É claro que nem tudo o que ela leu, ficou registrado, mas em seus diários e diversos artigos publicados podemos conhecer muita coisa interessante sobre ela e sobre outros escritores. Então, aqui está um pouco sobre A Leitora Virginia Woolf.

[Janeiro de 1915]
5 livros lidos, 1 presente, 1 indecisão

Em 1915 Virginia Woolf morava em Richmond, num quarto alugado, com Leonard Woolf, o marido dela. No último dia do mês, ela comenta sobre o quanto discutiu – por uma manhã toda – com ele. O motivo, como ela mesma registra é o mau-humor. “Quem começou? Quem continuou? Eu sei lá. O que posso dizer é isto: eu fervo em pouca água, e o L. fervilha. Em todo caso, fizemos as pazes de repente (mas a manhã ficou desperdiçada).”

Em janeiro do mesmo ano, ela leu o livro “The Wise Virgins”, escrito pelo seu marido. Fez alguns bons elogios, mas também é implacável:

“Em minha opinião é um livro notável; muito mau numas partes; excelente noutras. Um livro para escritores, acho eu, porque só talvez um escritor poderá perceber porque é que as partes boas são realmente tão boas, e porque é que as partes más não são muito más.”

Ela também leu: “Guy Mannering”, um romance de Sir Walter Scott (1771-1832), escritor conhecido como o criado do romance histórico; uma biografia de Fanny Kemble (1809-1893), atriz e escritora britânica; “Histoire de France”, escrito por Jules Michelet (1798-1874); e “O idiota” de Dostoiewsky (1821 – 1881). Esses dois últimos, eram livros que ela pediu emprestado a Clive Bell (1881-1964), marido de sua irmã Vanessa.

 “Bom, estou a ler O Idiota. Muitas vezes não consigo suportar o estilo; ao mesmo tempo parece-me haver nele o mesmo tipo de vitalidade que há em Scott; só que Scott apenas faz esplêndidas pessoas vulgares, e D. cria prodígios, com inteligências muito subtis e sofrimentos terríveis. Talvez a semelhança com Scott se deva em parte ao estilo livre e despreocupado da tradução. Também estou a ler Michelet, arrastando-me pela monótona Idade Média; e a vida de Fanny Kemble” (p. 41 e 42)

Artisticamente foi um mês produtivo pois Virginia estava trabalhando em textos que depois se tornariam partes do romance “Noite e Dia”, passando diversas manhãs concentrada em seu trabalho.

Indecisões sobre ir a uma festa e que roupa vestir, também fazem parte do início do ano de 1915 pra ela:

“Por um lado, fujo a ter de me vestir e à viagem; por outro lado, sei que havia de ficar embriagada à primeira cintilação de luz na entrada e burburinho de vozes, e decidir que nada na vida se compara a uma festa. Havia de ver gente linda e de ter a sensação de estar na crista mais alta da maior onda – de estar mesmo no centro de tudo o que está a acontecer.” (p. 35)

E, claro, ela também teve indecisões literárias: não sabia se lia “Rob Roy”, romance de Sir. Walter Scott, por outro lado fico muito feliz quando ganhou, de presente de aniversário, um outro romance do escritor, o “The Abbott”.

Virginia Woolf, conhecida por amar a cidade de Londres, estava gostando de morar em Richmond: “Pensei como eu sou feliz, sem essa vida agitada que em tempos me pareceu trazer a felicidade” (p. 38). Além dos livros, o trabalho como escritora fluía bem. E ela tinha um cachorro chamado Max, que sempre levava para passear.

Onde comprar os livros:

  • The Wise Virgins (Leonard Woolf): encontrei na Livraria Cultura (em espanhol)
  • Guy Mannering, Rob Roy e The Abbott (Sir Walter Scott): achei a obra completa (ebook, em inglês) na Livraria Cultura e  vários livros dele na Amazon (ebook também)
  • Fanny Kemble (autobiografia): Achei um na Amazon (ebook)
  • Histoire de France (Jules Michelet): Tem uma lista enorme na Amazon. Somente “Histoire de France” contém 10 volumes.
  • O idiota (Dostoievsky): Tem na Amazon

Referência: Virginia Woolf – Diário I. Primeiro Volume 1915-1926. Bertrand Editora. Portugal. Tradução de Maria José Jorge

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

2 comentários

Deixe um comentário