Para cima e não para norte (Patricia Portela)

Eu, que faço cinema, convivendo com isso percebo que é uma arte feita em grupo, ao contrário do que costumamos dizer sobre autores. É uma fala comum: Escrever é uma arte que se realiza sozinho. Porém, ela só se torna completa com vocês: leitores.

Talvez (ou não) pensando nisso, Patricia Portela cria “Para cima e não para norte”: a história de um homem plano. Uma pausa aqui para as minhas primeiras impressões do livro: Eu pensava que homem plano poderia ser uma referencia ao próprio ser humano em estado plano. Blá blá blá. Essa parte é mais simples.

patricia portela

Voltando, os seres planos são aqueles que vivem dentro das páginas do livro, literalmente. Ele até chega a se definir como um ponto que viaja e mora no meio de palavras.

E aí começa a grande aventura do homem plano que descobre o universo 3D, o nosso.
Como reagir quando você descobre que existe algo a cima de você, além da sua vida? O engraçado é que eles lêem nossas historias, como James Bond, porém, nao sabiam que existíamos.

Imaginem um livro LOTADO de referencias literárias, e cheio de interatividade. Se tiver alguma oportunidade, só abra o livro. Suas páginas são criativas, divertidas e cheia de surpresa.

E a cada virada de pagina (ouviram?) algo te espera. E o livro parece que foi feito pra você, para reafirmar que as historias só continuam respirando enquanto há leitores e amantes de histórias para as ouvir, ler e relembrar. Porque as melhores histórias são aquelas que você guarda no coração e usa quando tem vontade.

Para cima e não para norte é quase uma declaração de amor para os livros, feita de uma maneira inversa e criativa.

Onde comprar livros de Patricia Portela: Amazon

Conheça: Escritoras brasileiras contemporâneas: Aline Bei e Clarissa Wolff