Ser leitor

Ser um leitor é levantar uma peculiar bandeira, como se fosse a tal agulha no palheiro que decidiu mostrar a cara, para transformar toda a palha em agulha também.

Ser leitor é ler mais de uma vez o mesmo livro e querer que o mundo inteiro faça isso também.

O leitor, num dia que ele ainda não era leitor, sentiu que o livro o desafiava. Encarou e dominou, venceu a luta; mas então veio outro livro e um novo desafio. Ser leitor é sentir-se não-leitor e buscar o desafio da leitura diariamente.

Ser leitor é ler todos os dias, mesmo que seja só um pouquinho.

Ser leitor, como disse Virginia Woolf, é saber que quando a morte chegar, alguém do lado de lá vai avisar na catraca que “aquele ali é leitor, pode passar direto”.

Ser leitor é chorar quando o livro ainda está na página 6, geralmente cedida aos agradecimentos do autor.

Ser leitor é ler em qualquer lugar: no chão, no sofá, na cama, na sala, na cozinha, no banheiro, principalmente no banheiro.

Ser leitor é ser sensato com o próximo. Os tantos personagens que o leitor conhece por meio das leituras acabam se tornando exemplos da vida real que, de alguma forma, o deixa mais tranquilo em relação ao próximo. O leitor compreende mais o mundo à sua volta.

Ser leitor é querer matar alguém que não devolve o livro emprestado.

Ser leitor é andar com um caderninho de anotações para eventuais ideias sobre aquele livro lido na semana passada.

Ser leitor é odiar ver livro amassado, estragado, rabiscado, sujo ou mal utilizado. Somente o próprio dono do livro pode fazer tudo isso.

Ser leitor é entrar em total desespero ao estar na fila do banco e perceber que não há nenhum livro por perto.

Ser leitor é abraçar um desconhecido porque ele tem um livro nas mãos.

Ser leitor é sentir tanta emoção quando alguém pede alguma dica de livro que a memória falha e o leitor se sente uma fraude, como se nunca tivesse lido um livro.

Ser leitor é compreender o outro leitor que compra três livros com a mesma história, mas com capas diferentes.

Ser leitor é dormir abraçadinho… com o livro.

Ser leitor é trocar qualquer programa para ler – só até terminar o capítulo, mas quando se percebe, o livro acabou e outro já começou.

Ser leitor é cheirar livros.

Ser leitor é entrar em todas as livrarias, mesmo que o mundo esteja, naquele exato momento, acabando.

Ser leitor é reclamar que a atendente da livraria não conhece o seu autor preferido.

Ser leitor é esperar que as pessoas saibam o seu gosto literário, mas elas nunca acertam.

Ser leitor é, no meio de uma conversa informal com os amigos, cada fala deles, lembrar de algum personagem do último livro lido.

Ser leitor é usar a lembrança do rosto dos amigos para compor o personagem do livro.

Ser leitor é querer que o mundo todo leia os seus próprios livros, mas não há coragem de emprestar nenhum livro.

Ser leitor é reclamar sempre que o livro é muito melhor que o filme.

Ser leitor é poder viajar o mundo sem sair do lugar.

Ser leitor é, numa viagem, pesquisar as principais livrarias da cidade e descobrir onde morava o seu escritor preferido.

A leitura é uma atividade individual, mas ser leitor é pensar que seria muito bom todos os dias conhecer um novo leitor.

Ser leitor é entrar no ônibus e procurar o banco perto da janela, para ler e, de vez em quando, olhar o mundo lá fora.

Ser leitor é dirigir escutando audiolivro.

Ser leitor é saber o início dos livros preferidos. “A Sr. Dalloway disse que ela mesma iria comprar as flores.”

Ser leitor é ser um releitor, assim disse Nabokov.

Ser leitor é passar a tarde num sebo e não comprar nada. Ou tudo.

Ser leitor é querer que o mundo todo seja também.

Ser leitor é fazer uma piada sobre livros e ninguém entender.

Ser leitor é esperar pela oportunidade de usar aquela palavra diferente lida no livro de ontem.

Ser leitor é preferir ler a discutir com o vizinho.

Ser leitor é sentir uma enorme preguiça para tudo, menos para ler, claro.

Ser leitor é dormir e acordar com o livro na cara.

Ser leitor é aguardar o mundo acabar em barranco, para ficar mais confortável para ler.

Ser leitor é acreditar que o próximo livro será melhor que o anterior, mas nem sempre isso acontece.

Ser leitor é sentir-se triste porque não será possível ler todos os livros do mundo.

Ser leitor é procurar alguma identificação com o mundo lá fora, mesmo que seja apenas num texto sobre ser leitor.

Ser leitor é ter autonomia de pensamento. É pensar por si só.

E, como disse Rubem Alves, um leitor tem nas mãos as chaves do mundo.


Avatar
Francine Ramos

Faz da Livro&Café parte essencial de sua vida desde 2011. É professora de Língua Portuguesa, adora ler, escrever (um dia vai publicar um livro) e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

8 Comentários

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado