Morte no Nilo (Agatha Christie): paixão, ameaças e morte

Compartilhe:

Publicado em 1937, Morte no Nilo é um dos livros mais incríveis de Agatha Christie, protagonizado por Hercule Poirot que, ao estar em férias, a bordo de um navio a caminho do Egito, se envolve numa história de paixão, ameaças e morte, o que coloca um fim em seu descanso, pois, como todos sabem, o detetive Poirot não consegue negar casos intrigantes.

Morte no Nilo
Compre na Amazon

As personagens da trama

Há uma jovem milionária que está em lua de mel, uma moça amargurada pelo fim de seu relacionamento e um jovem simples casado com uma milionária. Sim, a milionária Linnet Ridgeway casou-se com o noivo da melhor amiga, a Srta. Jacqueline de Bellefort que, arrasada com o fim do seu relacionamento e a perda de sua melhor amiga, também está no navio, perseguindo o novo casal, para incomodar a felicidade deles.

Poirot, muito atento ao que acontece em sua volta, percebe a infelicidade dos três que, por motivos tão diferentes, estão angustiados. Mas é a partir de várias conversar com Jacqueline Bellefort que ele percebe que algo de ruim está para acontecer nesta história, uma vez que ela diz claramente que deseja ver o fim da felicidade de Linnet e de seu ex-noivo, Simon Doyle.

Linnet, além de despertar o interesse nas pessoas à bordo por conta de sua fortuna, ela é descrita como uma mulher muito linda e inteligente, o que acaba incomodando também algumas mulheres e homens. Ela, por ter herdado a fortuna da família, tinha como primeira opção casar-se com um homem tão milionário quanto ela, mas o que prevaleceu foi o seu desejo por Simon Doyle que, feliz ao lado de uma mulher tão incrível, demonstra uma certa devoção a ela.

Quem morre em “Morte no Nilo”?

Quem é morta nesta história de Agatha Christie é mesmo Linnet Rigeway e a pergunta que fica é sobre quem é o seu verdadeiro inimigo. A bordo, além da ex-amiga, estão homens interessados em sua fortuna, por conta de especulações financeiras. Há uma moça que vive resmungando pelos cantos e não se conforma com a perfeição de Linnet. Também encontramos um jovem que se diz rebelde, que condena a vida luxuosa. Vamos descobrir um homem que foi prejudicado por Linnet no passado e outros que, como sempre, acabam mentido por motivos diversos, dificultando assim o trabalho do detetive que, muito antes da história chegar ao final, revela saber a verdade da história, porém não diz:

“– Meu caro, é claro como água. Está um pouco turva, é verdade, pelas ondas que se faz em torno. Veja bem, em volta de uma pessoa como Linnet Doyle existe tanto ódio, ciúme, inveja e maldade. Parece um enxame de abelhas…
– Mas você acha que sabe? – perguntou Race, curioso. – Você não diria isto se não tivesse certeza. É claro que tenho minhas teorias, mas…
Poirot colocou a mão sobre o braço de Race.
– O senhor é formidável, mon colonel. Não diz: “Fale-me, conte-me sua teoria”, porque sabe perfeitamente que se pudesse eu já teria falado. Mas primeiro é preciso limpar as arestas.” (p. 193)

Um padrão nas obras de Agatha Christie

É um padrão das obras de Agatha Christie, primeiro apresenta-se alguns personagens e alguém é assassinado. Em seguida Poirot interroga todas as pessoas do lugar. Depois ele, engenhosamente, trava situações simples com os suspeitos, a fim de tirar alguma informação quando a pessoa está mais relaxada. Por fim, com pequenos detalhes que o leitor leu, mas que apenas Poirot interpretou da maneira correta, o assassinato é revelado em detalhes, de forma que ninguém duvida da verdade e todos aplaudem mais uma vez o grande detetive. No caso do livro Morte no Nilo, aplausos também a Agatha Christie que, somente depois do leitor descobrir a verdade, perceberá o quanto genial foi a autora.

Assista ao vídeo no canal Livro&Café:

Onde comprar Morte no Nilo: Amazon

Quer conhecer outros livros de Agatha Christie? Confira:

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário