Segunda ou terça (Virginia Woolf): de onde vem a beleza?

Livro que possui o conto Segunda ou Terça

Virginia Woolf escreveu muitos contos, entre eles Segunda ou Terça. Todos eles estão reunidos em uma coletânea de lançada pela editora Cosac Naify e, talvez, saia neste ano uma nova edição com os contos completos pela editora Companhia das Letras.

Como meta iniciada no último ano, mas que vai durar alguns anos, quero ler, no mínimo um conto de Virginia Woolf por mês.

Dos poucos que li, a experiência tem sido muito significativa, pois se trata de uma releitura, mas é como se esses contos – muitos deles esquecidos – se abrissem em uma nova perspectiva para mim. Pois, a cada dia somos um leitor diferente.

O conto Segunda ou Terça é muito curto, mas possui uma beleza única que me faz perguntar de onde vem tanta beleza.

Tudo se inicia com uma garça cruzando o céu londrino. Portanto, a impressão é que estamos nos olhos desse bicho e assim podemos visualizar toda a Londres, com suas belezas e encantamento de uma cidade grandiosa e movimentada.

O cenário

“(…) the sky veils her stars;
then bares them.”

Lentamente, como a aproximação de uma pássaro à terra, é possível ver uma senhora tomando chá, casacos de pele sobre a mesa e conversas banais. Apenas por um breve momento e, depois, voltamos a ser a garça esplêndida no céu. É simples.

A beleza do conto está em como é formado esse cenário, que se inicia grande, como o infinito do céu, a partir da garça, mas termina “espiando” detalhes de uma vida cotidiana.

assim, há uma profundidade muito bonita ali, quando após o movimento de uma cidade, em sua rotina, alguém deixa cair um livro. Talvez, como um momento de descuido ou sono, ou quem sabe o cansaço… e a garça indiferente a tudo isso, continua sua jornada.

A natureza

A garça pode ser uma representação da natureza, que, independente da vida cotidiana, sempre promove a sua magnitude. Nas últimas palavras, temos também o contraste de velar e revelar, como se isso fosse função da própria narrativa do conto. Uma breve cortina que se abre e fecha.

Outro pensamento que pode ocorrer ao leitor é a construção do fluxo de consciência, pois ele começa assim – leve como uma garça a se aproximar de uma personagem e, de repente, há um mergulho tão profundo e denso.

Entretanto, neste conto, parece ser apenas uma tentativa, como se a autora estivesse preparando o leitor para o que ela é capaz. Como se fosse um mágico, mas que decide deixar o seu melhor espetáculo para outro dia. Segunda ou terça?

Assista ao vídeo sobre o conto Segunda ou Terça no canal Livro&Café

Onde encontrar o conto “Segunda ou Terça” (Virginia Woolf):

É uma tarefa difícil, pois o conto está presente em livros esgotados, mas, com muita pesquisa, ainda é possível encontrar com preços mais justos:

Anúncio
Avatar
Francine Ramos

Faz da Livro&Café parte essencial de sua vida desde 2011. É professora de Língua Portuguesa, adora ler, escrever (um dia vai publicar um livro) e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado