15 livros para ensinar crianças sobre igualdade, feminismo e direitos humanos

Estamos acompanhando, nos últimos meses, uma crescente perseguição aos professores e professoras do nosso país, que estariam “doutrinando” crianças e jovens em sala de aula. Essa situação, infelizmente, não é atípica; na verdade, é fruto de uma grande ignorância de certas pessoas – algumas nos altos escalões do governo e que nunca passaram um dia ao lado de professores na labuta – sobre o que acontece no ambiente escolar e sobre todas as dificuldades que os educadores enfrentam nesta profissão, especialmente no ensino público.

Parte das críticas contra os professores se volta à chamada “ideologia de gênero”, um termo pejorativo e equivocado que sempre é utilizado para deslegitimar as tentativas de se tratar as questões de gênero e sexualidade no ambiente escolar. O que muita gente não entende – ou não quer entender – é que falar sobre gênero em sala de aula não é motivar crianças e adolescentes a “mudar de sexo” ou ter uma vida sexual irresponsável.

Pelo contrário, quando se fala sobre feminismo, direitos humanos, igualdade, sexualidade, afetividade etc., educa-se sobre a questão do consentimento, dos limites, sobre como todxs têm direitos e deveres, sobre como todxs podem ser responsáveis por uma sociedade mais justa e segura, na qual as mulheres, por exemplo, devem ser protagonistas de suas próprias histórias, respeitadas por suas escolhas e podem ser tudo o que quiserem, de donas de casa a grandes cientistas. Discutir tais assuntos é lutar contra a cultura do estupro, o machismo, a homofobia e tantas outras violências em um país que mais mata LGBTQ+, onde as taxas de feminicídio só aumentam, e crianças e jovens são constantemente abusados e negligenciados no seio da “família tradicional brasileira”.

Por isso, gostaria de deixar algumas sugestões de livros que podem ser usados com crianças e jovens para tratar destes temas tão essenciais e urgentes. Espero que professores e pais aproveitem as dicas!

Coleção antiprincesas, de Nádia Fink e Pitu Saá

Esta coleção apresenta três grandes artistas latino-americanas: a pintora mexicana Frida Kahlo; a cantora e compositora chilena Violeta Parra; e a escritora brasileira Clarice Lispector. Recheados de informações sobre a vida e a obra dessas artistas, os livros da coleção têm caráter biográfico e inspiram meninos e meninas a buscarem seus sonhos e não terem medo de serem quem são! + Compre na Amazon

 

O Mundo no Black Power de Tayó, de Kiusam de Oliveira e Taisa Borges

Tayó é uma menina negra que tem orgulho do cabelo crespo com penteado black power, enfeitando-o das mais diversas formas. A autora apresenta uma personagem cheia de autoestima, capaz de enfrentar as agressões dos colegas de classe, que dizem que seu cabelo é “ruim”. Mas como pode ser ruim um cabelo “fofo, lindo e cheiroso”? “Vocês estão com dor de cotovelo porque não podem carregar o mundo nos cabelos”, responde a garota para os colegas. Com essa narrativa, a autora transforma o enorme cabelo crespo de Tayó numa metáfora para a riqueza cultural de um povo e para a riqueza da imaginação de uma menina sadia. + Compre na Amazon

 

Malala, a menina que queria ir para a escola, de Adriana Carranca e Bruna Assis Brasil

Malala Yousafzai quase perdeu a vida por querer ir para a escola. Ela nasceu no vale do Swat, no Paquistão, uma região de extraordinária beleza, cobiçada no passado por conquistadores como Gengis Khan e Alexandre, o Grande, e protegida pelos bravos guerreiros pashtuns – os povos das montanhas. Foi habitada por reis e rainhas, príncipes e princesas, como nos contos de fadas. Malala cresceu entre os corredores da escola de seu pai, Ziauddin Yousafzai, e era uma das primeiras alunas da classe. Quando tinha dez anos viu sua cidade ser controlada por um grupo extremista chamado Talibã. Armados, eles vigiavam o vale noite e dia, e impuseram muitas regras. Proibiram a música e a dança, baniram as mulheres das ruas e determinaram que somente os meninos poderiam estudar. Mas Malala foi ensinada desde pequena a defender aquilo em que acreditava e lutou pelo direito de continuar estudando. Ela fez das palavras sua arma. Em 9 de outubro de 2012, quando voltava de ônibus da escola, sofreu um atentado a tiro. Poucos acreditaram que ela sobreviveria. A jornalista Adriana Carranca visitou o vale do Swat dias depois do atentado, hospedou-se com uma família local e conta neste livro tudo o que viu e aprendeu por lá. Ela apresenta às crianças a história real dessa menina que, além de ser a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da paz, é um grande exemplo de como uma pessoa e um sonho podem mudar o mundo. + Compre na Amazon

 

As cientistas: 50 mulheres que mudaram o mundo, de Rachel Ignotofsky

Recheado de ilustrações encantadoras, As cientistas destaca as contribuições de cinquenta mulheres notáveis para os campos da ciência, da tecnologia, da engenharia e da matemática, desde o mundo antigo até o contemporâneo, além de trazer infográficos sobre equipamentos de laboratório, taxas de mulheres que trabalham atualmente em campos da ciência e um glossário científico ilustrado. + Compre na Amazon

 

Para educar crianças feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie

Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, Para educar crianças feministas traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, o que se inicia pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido igualmente por homens e mulheres, pais de meninas e meninos.
Partindo de sua experiência pessoal para mostrar o longo caminho que ainda temos a percorrer, Adichie oferece uma leitura essencial para quem deseja preparar seus filhos para o mundo contemporâneo e contribuir para uma sociedade mais justa. + Compre na Amazon

 

Histórias de ninar para garotas rebeldes, de Elena Favilli

Cem histórias que provam a força de um coração confiante: o poder de mudar o mundo. Que essas valentes mulheres inspirem vocês. Que os retratos delas imprimam em nossas filhas e filhos a profunda convicção de que a beleza se manifesta em todas as formas, cores e idades. Em Histórias de ninar para garotas rebeldes, tudo o que podemos sentir é esperança e entusiasmo pelo mundo que estamos construindo. Um mundo onde gênero não defina quão alto você pode sonhar nem quão longe você pode ir. + Compre na Amazon

 

Coisa de menina, de Pri Ferrari

O que é coisa de menina? Oras, isso é algo que toda menina (e todo menino) deveria saber muito bem. Afinal, é na infância que a gente percebe que não existe regra e que todo mundo pode tudo: tem menino que gosta de brincar de casinha, tem menina que gosta de construir foguete. Por que, então, temos que nos adaptar a certos padrões de comportamento? Por que ainda dizem por aí que certas coisas não são apropriadas para mulheres? Este livro é para todos aqueles que acreditam na liberdade como a melhor escolha ― e que têm certeza que meninas fizeram, fazem e farão muito mais. + Compre na Amazon

 

Coisa de menino, de Pri Ferrari

O que é coisa de menino? Tem menino que deseja ser super-herói, jogador de futebol e astronauta. Outros sonham em ser estrelas do rock e viajar o mundo cantando para multidões. Mas todos eles também podem querer brincar de boneca, cozinhar receitas gostosas e fazer aulas de dança. Muitos meninos crescem ouvindo que não podem agir e sentir da mesma forma que meninas ― por que as coisas têm que ser assim? Este livro é para todos aqueles que acreditam que o importante é ter liberdade para fazer da vida o que se bem entender. + Compre na Amazon

 

A vida não me assusta, de Maya Angelou e Jean-Michel Basquiat

Você tem medo de quê? Cachorros bravos, cobras, sapos, dragões soltando fogo? A Vida Não me Assusta é um pequeno livro de arte para crianças valentes, que enfrentam fantasmas e meninos brigões da escola com a cabeça erguida. É até difícil não se apaixonar por este livro. Publicado originalmente há 25 anos, e até então inédito no Brasil, A Vida Não me Assusta reúne os talentos da poeta e ativista Maya Angelou e do artista gráfico Jean-Michel Basquiat. Dois artistas com histórias de vida sofridas e infâncias problemáticas, mas que nunca se deixaram intimidar. Não importa qual obstáculo apareça no caminho, você sempre pode encontrar forças para superá-lo. A Vida Não me Assusta é o mais novo lançamento da Caveirinha, o selo infantil da DarkSide Books que ajuda os pequenos a darem seus primeiros passos no mundo mágico da fantasia e da imaginação. + Compre na Amazon

 

Tudo bem ser diferente, de Todd Parr

Este livro trabalha com as diferenças de cada um de maneira divertida, simples e completa, alcançado o universo infantil e trabalhando com assuntos que deixam os adultos de cabelos em pé, como adoção, separação de pais, deficiências físicas, preconceitos raciais, entre outros. + Compre na Amazon

 

O menino de vestido, de David Walliams

A vida de Dennis não é nenhum mar de rosas: ele foi abandonado pela mãe, não se entende com o irmão, o pai está deprimido e, para piorar, há uma regra em casa que proíbe abraços. Só duas coisas o fazem feliz: jogar futebol e olhar vestidos bonitos. Ele é o atacante do time do colégio e adora a revista Vogue. Durante uma detenção, Dennis conhece Lisa, a menina mais bonita da escola e que também se interessa por moda. Os dois se tornam amigos e passam a se encontrar na casa dela. Até que um dia ela o convence a pôr um vestido e ir à aula fingindo ser uma aluna de intercâmbio. + Compre na Amazon

 

Até as princesas soltam pum, de Ilan Brenman e Ionit Zilberman

Laura é uma garotinha (como toda criança) bem curiosa e uma das questões que mais a intriga (e a seus colegas de escola também) é saber se as princesas soltam ou não pum. Ela recorre ao pai para esclarecer a dúvida tão perturbadora, que, por sua vez, recorre ao antigo “livro secreto das princesas” e, com ele, a confirmação “sim, Cinderela, Branca de Neve e até a Pequena Sereia sempre soltaram pum. “. Mesmo diante da realidade, Laura sabe que as princesas dos contos de fadas continuam a ser as mais lindas princesas. + Compre na Amazon

 

Cachorros não dançam balé, de Anna Kemp e Sara Ogilvie

Filé não é um cachorro como os outros. Apesar de muito fofo e leal ele não tem hábitos típicos dos cães, na verdade, ele é bem diferente de todos. Nada de fazer xixi no poste, ficar se coçando ou beber água da privada. Ele gosta é de apreciar o luar, ouvir música e de andar na ponta dos pés. Filé jura que não é um cachorro… mas sim uma bailarina! Um livro muito divertido, um humor sem igual, e uma bela lição sobre como os sonhos de cada um devem ser perseguidos mesmo quando parecem ser algo impossível. • Cachorros não dançam balé é leitura constantemente recomendada. + Compre na Amazon

 

Aparelho sexual e cia.: Um guia inusitado para crianças descoladas, de Zep e Hélène Bruller

Falar sobre amor e sexo com os jovens não é fácil. Mas apesar de toda a complicação, essa é uma conversa necessária e inevitável, afinal a informação correta é o maior inimigo dos problemas – dos mais diversos tipos — que os jovens podem vir a enfrentar. Com o humor do celebrado personagem de quadrinhos francês Titeuf (na versão brasileira, Tito) e o rigor científico adequado, este guia é uma alternativa original para pais e professores em apuros. Com mais de um milhão e meio de exemplares vendidos, e publicado em quinze línguas diferentes, este guia é para todos aqueles que procuram uma maneira nova e mais atraente de informar os jovens sobre assuntos da maior importância. + Compre na Amazon

 

Mais pessoas para me amar: família de tudo que é jeito! – Mo O’Hara

A família desta garotinha é muito grande! Enorme! E a forma que ela encontrou para mostrar, a seus amigos e professora, todos que fazem parte de sua família foi desenhando uma árvore genealógica. Com a madrasta, o padrasto, quatro irmãos e irmãs, um monte de avôs e avós, sua árvore ficou com um montão de galhos e com muitas pessoas que a amam penduradas neles. A história acolhedora e divertida da autora Mo O’hara traz para os pequenos as diversas configurações que uma família pode ter. E não importa se a família é grande ou pequena; o importante mesmo é ter pessoas que nos amam. + Compre na Amazon

Bruna Bengozi

Bruna é mestra em História pela USP, redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome do impostor".

2 Comentários
  1. MUITO AMOR POR ESSE SITE! O TRABALHO DE VOCÊS É SIMPLESMENTE MARAVILHOSO! OBRIGADA, APENAS!

Leave a Reply

O seu e-mail não será publicado