Dia dos pais: 21 livros para presentear

O Dia dos Pais está chegando e a Livro & Café fez uma seleção especial de livros para presentear nesta data. E há sugestões para entreter, para educar, para acertar contas com o passado…

1984, de George Orwell

dia dos pais

Publicada originalmente em 1949, a distopia futurista 1984 é um dos romances mais influentes do século XX, um inquestionável clássico moderno. Lançada poucos meses antes da morte do autor, é uma obra magistral que ainda se impõe como uma poderosa reflexão ficcional sobre a essência nefasta de qualquer forma de poder totalitário. + Compre na Amazon

 

A viagem vertical, de Enrique Vila-Matas

Estreia brasileira de um dos principais escritores espanhóis da atualidade, e também um dos mais originais. Dono ao mesmo tempo de uma poderosa capacidade fabuladora e de um trabalho reflexivo sobre a natureza do romance, Vila-Matas consegue atingir tanto um público de amplo espectro quanto inquietar a crítica especializada. Passado em Barcelona, A viagem vertical começa por um momento crucial da existência do protagonista Federico Mayol, um nacionalista catalão que construiu a partir do nada um grande império econômico no ramo de seguros. O livro recebeu o mais importante prêmio espanhol de literatura, o Rómulo Gallegos de Melhor Romance em Língua Espanhola e também o Prêmio Cidade de Barcelona (Espanha, 2002), Melhor Livro Estrangeiro (França, 2002). + Compre na Amazon

 

Na minha pele, de Lázaro Ramos

Movido pelo desejo de viver num mundo em que a pluralidade cultural, racial, étnica e social seja vista como um valor positivo, e não uma ameaça, Lázaro Ramos divide com o leitor suas reflexões sobre temas como ações afirmativas, gênero, família, empoderamento, afetividade e discriminação. Ainda que não seja uma biografia, em Na minha pele Lázaro compartilha episódios íntimos de sua vida e também suas dúvidas, descobertas e conquistas. Ao rejeitar qualquer tipo de segregação ou radicalismos, Lázaro nos fala da importância do diálogo. Não se pode abraçar a diferença pela diferença, mas lutar pela sua aceitação num mundo ainda tão cheio de preconceitos. Um livro sincero e revelador, que propõe uma mudança de conduta e nos convoca a ser mais vigilantes e atentos ao outro. + Compre na Amazon

 

A invenção da solidão, de Paul Auster

Construído na forma de um mosaico poético, o livro alterna recordações pessoais com comentários argutos sobre literatura, pintura e filosofia. O tema de base é a paternidade. Na primeira parte do volume, “Retrato de um homem invisível”, Auster, abalado com a morte do pai, tenta examinar o mistério desse homem frio, esquivo, cujo enigma só começa a se desvendar por um lance de sorte. Chega ao conhecimento do escritor a notícia de um assassinato, ocorrido em sua família sessenta anos antes. Um trauma capaz de dobrar a vida de um homem em uma face visível e outra invisível.Auster relaciona essa experiência à literatura, arte que ensina a ver por trás de cada coisa uma outra, que só se vislumbra quando encarada do ângulo da ficção. As coisas têm uma vida dupla, no mundo e na nossa mente. Eis a raiz da solidão que Auster deseja investigar: o pensamento e a linguagem, que nos projetam para fora de nós mesmos, erguem ao mesmo tempo a barreira que nos isola do mundo e dos outros.Na segunda parte, “O livro da memória”, Auster inverte as posições e põe em foco sua relação com o filho. Experiências e situações se repetem, em um sutil jogo de coincidências, que deixam Auster frente a frente com as limitações inerentes ao papel de pai e com a solidão que também envolve seu filho. + Compre na Amazon

 

Pai, me conta sua história, de Elma Van Vliet

Dedicado aos pais de todos os tipos – desde aqueles que não conseguem expressar suas emoções até os que estão sempre por perto nos momentos difíceis –, Pai, me conta a sua história? é uma oportunidade única de compartilhar memórias e de estreitar ainda mais os laços de amor e admiração. Com espaço para escrever, colar fotografias e incluir o que mais desejar, este livro é um presente valioso. Afinal, os verdadeiros tesouros de família são as lembranças que compartilhamos com as pessoas que amamos. + Compre na Amazon

 

Meu pai é um homem-pássaro, de David Almond

O pai de Lizzie achava que era um pássaro. Correndo pela sala, ele agitava os braços, piava, grasnava e até comia minhoquinhas. Quando se inscreveu numa competição de pássaros humanos, Lizzie, contra tudo e contra todos, resolveu participar da sua fantasia, pois seria a única maneira de protegê-lo. Com o pai, Lizzie aprendeu a apreciar o colorido e a maciez das penas dos pássaros. Com o pai, construiu um ninho confortável e aconchegante e fez dois belos pares de asas. E, mais do que isso, com a convivência aprendeu a compreender o mundo daquele homem tão diferente dos outros. + Compre na Amazon

 

Sentimento do Mundo, Carlos Drummond de Andrade

Esse é para os papais amantes de poesia! Publicado em 1940, Sentimento do mundo permanece, tantos anos depois, ainda um dos livros mais celebrados da carreira de Drummond. Não é para menos: o livro enfileira poemas clássicos como “Sentimento do mundo”, “Confidência do Itabirano”, “Poema da necessidade” – é possível que versos do livro inteiro tenham sido impressos no inconsciente literário brasileiro, tamanha é sua repercussão até hoje. Já estabelecido no Rio e observando o mundo (e a si mesmo) de uma perspectiva urbana, o Drummond de Sentimento do mundo oscila entre diversos polos: cidade x interior, atualidade x memórias, eu x mundo. Perfeita depuração dos livros anteriores, este é um verdadeiro marco – e como se isso não bastasse, é o livro que prepara o terreno para nada menos do que A rosa do povo (1945). Por isso a ênfase, ao longo de todo o livro, na vida presente. + Compre na Amazon

 

Dias de abandono, de Elena Ferrante

Em Dias de abandono, Ferrante escancara a dor da rejeição moldada pelos sentimentos e particularidades de uma mulher. Em um corajoso e às vezes violento mergulho existencial, Olga vai aos poucos substituindo um atormentado desejo de redenção por algo ainda desconhecido. Antes presa a um personagem construído pela sociedade e por suas próprias expectativas, ela se dá conta de que amou mais justamente quando se sentiu “enganada, humilhada e abandonada”. A raiva pela justificativa mentirosa do marido ao tê-la deixado, que antes parecia acender a urgência do amor, agora o esvazia. No espaço entre esses dois pólos distintos, sem amor, dentro do nada, resta a ela saber se novos sentidos podem tomar formas na urgência da vida. + Compre na Amazon

 

Laços, de Domenico Starnone


Vanda e Aldo estão casados há mais de cinco décadas. Ao voltarem de uma agradável semana de férias na praia, eles encontram seu apartamento completamente revirado. Reorganizando seus papeis, Aldo se vê forçado a encarar lembranças de décadas atrás: os anos que abandonara Vanda e os filhos para viver com outra mulher. As fissuras causadas por esse trauma familiar permanecem latentes no presente. Laços é um romance provocativo e de leitura irresistível sobre os vínculos familiares e as amarras do casamento. Uma obra vulcânica e marcante escrita por um dos principais autores italianos da atualidade. + Compre na Amazon

 

O segundo sexo, de Simone de Beauvoir

Uma obra clássica para os pais que querem aprender mais sobre feminismo. O segundo sexo foi publicado originalmente em 1949 e consagrou Simone de Beauvoir na filosofia mundial. A obra, no entanto, não ficou datada e tornou-se atemporal e definitiva. Este boxe traz a divisão original em dois volumes. No primeiro volume, a autora aborda os fatos e os mitos da condição da mulher numa reflexão fascinante. Já no segundo, Simone de Beauvoir analisa a condição da mulher em todas as suas dimensões: sexual, psicológica, social e política. Uma obra fundamental, que inaugurou um novo modelo de pensamento sobre a mulher na sociedade. + Compre na Amazon

 

O fim do homem soviético, de Svetlana Aleksiévitch

O povo russo assistiu com espanto à queda do Império Soviético. A política de abertura do governo Gorbatchóv impôs uma mudança drástica da estrutura social, do cotidiano e, sobretudo, da direção ideológica da população. Em O fim do homem soviético, Svetlana Aleksiévitch examina a vida das pessoas afetadas por essa transformação. Em cada personagem está um pouco da história russa – a mãe cuja filha morreu em um atentado; a antiga funcionária do Partido Comunista que coleciona carteiras abandonadas de ex-filiados; o velho militante que passou dez anos em um campo de trabalhos forçados. O livro traz um painel fantástico de russos de todas as idades que se movem entre a possibilidade de uma vida diferente e a derrocada da sociedade que conhecem. + Compre na Amazon

 

Ainda estou aqui, de Marcelo Rubens Paiva

Eunice Paiva é uma mulher de muitas vidas. Casada com o deputado Rubens Paiva, esteve ao seu lado quando foi cassado e exilado, em 1964. Mãe de cinco filhos, passou a criá-los sozinha quando, em 1971, o marido foi preso por agentes da ditadura, a seguir torturado e morto. Em meio à dor, ela se reinventou. Voltou a estudar, tornou-se advogada, defensora dos direitos indígenas. Nunca chorou na frente das câmeras. Ao falar de Eunice, e de sua última luta, desta vez contra o Alzheimer, Marcelo Rubens Paiva fala também da memória, da infância e do filho. E mergulha num momento negro da história recente brasileira para contar – e tentar entender – o que de fato ocorreu com Rubens Paiva, seu pai, naquele janeiro de 1971. + Compre na Amazon

 

Pai, pai, de João Silvério Trevisan

João nasceu em Ribeirão Bonito, interior de São Paulo, filho mais velho de uma família de classe média baixa. Desde o início, acompanha a forma rude como o pai José trata sua mãe, de origem mais humilde. É vítima, ainda criança, da violência de José, que não aceita sua natureza de “menino maricas”. Antes de completar 10 anos, João entra num seminário, para escapar do ambiente de casa. “Eu iniciava meu processo de ser outro, um homem, sem deixar de ser o mesmo filho de José, o cachaceiro.” Depois de abandonar o seminário, ele busca sua liberdade, e deixa o Brasil da ditadura para conhecer o mundo. Atravessa graves momentos políticos na América Latina e vivencia a contracultura nos Estados Unidos. Mergulha na escrita e nas artes. Mas a sombra do pai continuará sempre consigo. + Compre na Amazon

 

Carta ao pai, de Franz Kafka

A Carta ao pai é uma peça fascinante da obra de Franz Kafka. Dificilmente algum filho pôde escrever ao pai carta mais pungente do que esta. Nela o grande escritor realiza um ajuste de contas memorável com o tirano familiar Hermann Kafka. O móvel do confronto é uma tentativa de casamento do filho que o pai desaprova, mas o texto abrange toda a relação entre ambos, num ritmo dolorosamente ágil. Como sempre, a capacidade de análise e argumentação do escritor surpreende. Aqui ela transforma uma carta em documento perene da literatura universal. + Compre na Amazon

 

21 lições para o século 21, de Yuval Noah Harari

Como podemos nos proteger de guerras nucleares, cataclismos ambientais e crises tecnológicas? O que fazer sobre a epidemia de fake news ou a ameaça do terrorismo? O que devemos ensinar aos nossos filhos? Em Sapiens, Yuval Noah Harari mostrou de onde viemos; em Homo Deus, para onde vamos. 21 lições para o século 21 explora o presente e nos conduz por uma fascinante jornada pelos assuntos prementes da atualidade. Seu novo livro trata sobre o desafio de manter o foco coletivo e individual em face a mudanças frequentes e desconcertantes. Seríamos ainda capazes de entender o mundo que criamos? + Compre na Amazon

 

O ócio criativo, de Domenico de Masi

Atento ao crescente interesse de um público mais amplo em seus conceitos e sua visão do futuro, De Masi elabora de forma acessível neste livro os temas da sociedade pós-industrial, do desenvolvimento sem emprego, da globalização, da criatividade e do tempo livre. Em O Ócio Criativo Domenico De Masi elabora não apenas os temas da sociedade pós-industrial, do tempo livre e da criatividade, como também as questões da globalização, do desenvolvimento sem emprego, da feminilização, do declínio das ideologias tradicionais e dos sujeitos sociais emergentes. A conversa tem como pano de fundo uma profunda insatisfação com o modelo social elaborado pelo Ocidente, sobretudo pelos Estados Unidos, centrado na idolatria do trabalho, do mercado e da competitividade. A este é contraposto um novo modelo com as seguintes premissas: – baseado na simultaneidade entre trabalho, estudo e lazer – centrado mais no crescente tempo livre do que no tempo decrescente dedicado ao trabalho – atento à distribuição equânime da riqueza, assim como à sua produção de forma eficiente – militante pela redistribuição do tempo, do trabalho, da riqueza, do saber e do poder – no qual os indivíduos e a sociedade são educados  para privilegiar a satisfação de necessidades radicais, como a introspecção, o convívio, a amizade, o amor e as atividades lúdicas. + Compre na Amazon

 

A grande saída, de Angus Deaton

dia dos pais

Em A grande saída, Deaton, um dos maiores especialistas em estudos sobre pobreza e vencedor do Prêmio Nobel de Economia, recua 250 anos para traçar a impressionante história de como diversas regiões do mundo vivenciaram um progresso significativo e, assim, abriram abismos que levaram ao cenário extremamente desigual de hoje. O estudo aprofunda-se nos padrões históricos e atuais por trás das nações ricas e com boas condições de saúde, e aborda o que é preciso fazer para ajudar os países que ficaram para trás. + Compre na Amazon

 

Minhas invenções, de Nikola Tesla

dia dos pais

A autobiografia deste notável inventor e engenheiro elétrico, responsável por revolucionárias invenções no campo do eletromagnetismo entre o fim do século XIX e o começo do XX, indica como seu legado de patentes e sua obra teórica formaram a base dos modernos sistemas de energia elétrica, inclusive o sistema polifásico de distribuição elétrica e o motor de corrente alternada, que contribuíram para o desenvolvimento da Segunda Revolução Industrial. + Compre na Amazon

 

Born to Run, autobiografia de Bruce Springsteen

dia dos pais

Um dos artistas mais admirados e influentes da história do rock and roll mundial, Bruce Springsteen passou os últimos sete anos escrevendo secretamente a história de sua vida. O resultado é Born to run, esta autobiografia extraordinária, que a LeYa publica quase que simultaneamente ao lançamento mundial. O livro, que se tornou um best seller instantâneo e atualmente ocupa a quinta posição entre os mais vendidos da Amazon americana, carrega a mesma honestidade, humor e originalidade que Bruce imprime a suas canções. Nele, o músico descreve sua criação católica, a obsessão pela carreira musical, o início em bares ao apogeu da E. Street Band e, com muita sinceridade, fala pela primeira vez das batalhas pessoas que inspiraram seus melhores trabalhos. Born to Run será reveladora para qualquer um que goste de Bruce Springsteen, mas vai muito além das memórias de um legendário astro do rock. Este é um livro para trabalhadores e sonhadores, pais e filhos, apaixonados e solitários, artistas, loucos, e qualquer um que já tenha desejado ser batizado nas águas do rio sagrado do rock and roll. E se torna indispensável por trazer a reflexão sobre o posicionamento do artista e o papel da cultura em um contexto de crise e perda de valores humanos. Raramente uma lenda como Bruce contou sua própria história com tanta força e vigor. Como nas canções (“Thunder Road,” “Badlands,” “Darkness on the Edge of Town,” “The River,” “Born in the U.S.A,” “The Rising,” e “The Ghost of Tom Joad,” para ficar somente com algumas), sua autobiografia foi escrita com o lirismo de um poeta singular e a sabedoria de um homem que refletiu profundamente sobre suas experiências. + Compre na Amazon

 

Maus, de Art Spiegelman

dia dos pais

Maus (“rato”, em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, o livro ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica. Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas – história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável. + Compre na Amazon

 

Lugares Distantes, de Andrew Solomon

dia dos pais

Esse livro é tão maravilhoso e já ganhou resenha aqui na revista. Andrew Solomon ― um dos pensadores mais originais de nossa época ― reúne neste livro escritos sobre lugares que passaram por abalos sísmicos culturais, políticos ou espirituais. Passando por lugares tão diversos quanto África do Sul, Brasil, China, Romênia, Ilhas Salomão, Equador, Taiwan, Mongólia, Antártica e Líbia ― foram sete continentes e 83 países ―, esta coletânea traz uma janela única sobre a própria ideia de transformação social, vista sobretudo pelos olhos das pessoas comuns. Figuras como ex-prisioneiros políticos, vítimas de estupro, garçonetes trans, xamãs e outros excluídos da sociedade são boa parte das fontes do autor. Com seu brilhantismo e compaixão característicos, Solomon demonstra tanto como a história é alterada por indivíduos quanto como as identidades pessoais são alteradas quando governos mudam. + Compre na Amazon

Gostou das dicas? Quer sugerir outros títulos? Deixe aqui nos comentários!

Anúncio
Avatar
Bruna Bengozi

Bruna é mestra em História pela USP, redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome do impostor".

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado