Os primeiros anos da revolução francesa no filme “A Revolução em Paris”

Filmado em cenários históricos e autênticos de Paris e arredores, o longa-metragem “A Revolução em Paris” faz uma imersão nos três primeiros anos da Revolução Francesa, de 1789 a 1793, desde a tomada da Bastilha até a decapitação do Rei da França Louis XVI, trazendo questionamentos: “Como se chega em três anos à execução de uma figura que foi, durante vários séculos, tão sagrada e intocável? Como emerge a liberdade? Como nasce a consciência política? E uma resposta: a força da esperança do povo movido pelo lema “A liberdade ou a morte”.

Revolução francesaEspecialista de cinema político, o diretor e roteirista Pierre Schoeller coloca no centro da trama histórias íntimas de mulheres e homens da periferia parisiense, transformados pela História em heróis anônimos. Com destaque para as mulheres, protagonistas dos momentos mais importantes desse período, o filme cruza seus destinos com os de figuras históricas da revolução francesa: Robespierre, Danton, Saint-Just ou Marat, filmados na jovem Assembleia Nacional onde nasceram os textos mais importantes e sempre atuais sobre a liberdade e os direitos humanos.

A origem da Revolução Francesa

“A Revolução Francesa está na origem da República e dos direitos constitucionais. Embora 1789 pareça muito distante, liberdade, igualdade e fraternidade não são palavras vazias. Ecoam até hoje nas consciências. Vivemos em um mundo em crise de valores, em que esses direitos são seguidamente violados e isso reflete nas pessoas, no conjunto da sociedade. E tudo isso, a desigualdade, a exclusão, a violência social, possibilita uma gama infinita de histórias”, afirma Pierre Schœller.

LEIA: Diário de Leitura Os Miseráveis (Victor Hugo)

Grandes cenas históricas

Com estreia nacional em 28 de novembro, “A Revolução em Paris” teve exibição exclusiva no país, durante a décima edição do Festival Varilux de Cinema Francês e contou com a presença do diretor Pierre Schœller – sendo o filme mais assistido não apenas desta edição como também dos dez anos de evento: 20.751 espectadores. Apresentado também em seleção oficial na Mostra di Venezia, “A Revolução em Paris” foi um dos filmes franceses recentes de maior orçamento de produção, com cerca de 17 milhões de euros, o que permitiu reconstituir cenas históricas em cenários autênticos nas ruas de Paris.

Um trabalho de 7 anos

O longa levou sete anos para sua realização, passando pelas fases de pesquisa, roteiro, produção e filmagem. Mais de cem atores estavam muitas vezes presentes em cena. Segundo Schœller, “foi um trabalho longo e meticuloso.  A maioria das cenas conta com iluminação com luz natural e tochas. O figurino teve seus trajes principais produzidos com tecidos franceses e trazidos da Índia e da Itália”, ressalta.

O trabalho de som do filme é essencialmente direto, onde o espectador também é convidado a entrar em cada cena pela percepção sonora. A atmosfera das ruas de Paris em 1789, as explosões e os estrondos da primeira Assembleia Nacional refletem o borbulhar dos primeiros dias da Revolução. As músicas e as letras faziam parte da cultura política da época. Com exceção de pequenos trechos, improvisados, todas as canções são originais. Ainda segundo o diretor, a energia das mulheres com o seu canto ‘à capela’ ampliava a eficácia das cenas e surgiam em momentos cruciais para a composição da história.

No centro da trama, o povo. Com a presença marcante das mulheres na Revolução Francesa

revolução francesa
Cena do filme.

Durante os primórdios da revolução, o povo parisiense começa a imaginar outra existência. Uma maneira única de inventar uma cidadania, valores tão fortes quanto a igualdade, a soberania, a insubordinação que séculos e séculos de poder os haviam recusado e, a partir de então, uma nação inteira constrói uma nova sociedade. Para construir um afresco humano o longa-metragem vai além do horizonte político e narra uma revolução à altura dos homens, dos debates ideológicos. E, ao colocar as pessoas dos subúrbios – especialmente as mulheres – no centro dos acontecimentos, com discussões políticas e sociais, a trama retribui à Revolução Francesa seu rosto popular e contemporâneo.

CONHEÇA: 17 clássicos franceses para ler em 2020 (ou quando der)

Com intuito de oferecer grande destaque aos personagens do povo, liderados pela jovem Françoise, interpretada pela atriz Adèle Haenel, o longa mostra seus  personagens em torno da oficina do fabricante de vidro, no Faubourg Saint-Antoine. Outro cenário recorrente se passa na Assembleia Nacional, local de discursos, e que reabilitou o pensamento político da época e estabeleceu pontes entre o povo e a Assembleia, onde a Revolução nasceu, há 230 anos, data comemorada em 2019.

A trama destaca a onipresença das mulheres, que se fazem ouvir no coração da muito jovem Assembleia Nacional de Versalhes, em todas as datas importantes, desde o despertar da Revolução Francesa. Com personagens de coragem natural e inalienável, a história coloca o fio da história nas mãos do mais alto escalão de atrizes francesas da atualidade – Adèle Haenel (Françoise) Céline Sallete (Rainha Audu), Julia Artamonov (Pauline Léon), Noémie Lvovsky (Solange), Taïra Borée (La Vieille Gabrielle) e Emma Stive (a jovem Clémence).

A Marcha de Mulheres em Versalhes e a Revolução Francesa

Revolução francesa
Uma ilustração da Marcha das Mulheres em Versalhes, 5 de outubro de 1789 (autor desconhecido).

A Marcha de Mulheres em Versalhes, realizada em outubro de 1789, marca o primeiro grande evento feminino aos olhos de todos – deputados, nobreza e burguesia de Paris. O feito foi a irrupção de mulheres na cena política, que provocou também um evento impensável para a época: o rei e a rainha deixariam Versalhes para voltar à Paris. É um ponto de grande virada na revolução porque, pela primeira vez, mulheres jardineiras, lavadeiras, vendedoras e artesãs, promoviam a erupção da energia popular no coração do poder francês. “Eu realmente queria filmar o surgimento de uma consciência política, uma liberdade nascente, intoxicante e envolvente. Desde o início do projeto, sempre desejei que a coragem, a diversidade de sensibilidades, a esperança e o entusiasmo dessas mulheres ressoassem no filme”, ressalta o diretor.

Foto: divulgação

Sobre o diretor Pierre Schoeller

Pierre Schoeller começa sua carreira como roteirista para o cinema e a televisão. Em 2008, dirige seu primeiro filme para o cinema, “Versailles”, com 130 mil espectadores e duas indicações ao César, de Melhor Ator para Guillaume Depardieu, e de Melhor Primeira Obra. Com seu segundo longa-metragem, “O Exercício do Poder”, Schoeller chega ao sucesso e atrai mais de 500 mil espectadores, com o apoio de uma crítica entusiasta. O filme é selecionado em Cannes na prestigiosa categoria Um Certo Olhar.  Pierre Schoeller conseguiu conjugar uma exigência artística e um assunto profundo com um sucesso de público. O Exercício do Poder também suscitou o interesse da Academia do César, dessa vez com oito indicações, e três estatuetas recebidas: Melhor Som, Melhor Roteiro, e Ator Coadjuvante para Michel Blanc. Em setembro de 2018, lança seu terceiro longa-metragem, “A Revolução em Paris”, filme ambicioso, com um orçamento de 16,9 milhões de euros, que trata da Revolução Francesa.

Anúncio
Avatar
Francine Ramos

Faz da Livro&Café parte essencial de sua vida desde 2011. É professora de Língua Portuguesa, adora ler, escrever (um dia vai publicar um livro) e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado