Literatura inglesa: 15 livros essenciais para ler

A História da Literatura Inglesa é muito vasta. Portanto, o que você encontrará aqui é apenas um recorte a partir de minhas leituras. Selecionei os autores que mais me interessaram e que, de alguma forma, contribuíram para a minha formação enquanto leitora.

Literatura inglesa: clássicos

1. Sonetos (William Shakespeare)

Shakespeare é mais conhecido por suas peças de teatro, porém, começar a desbravar o mundo shakespeariano a partir dos sonetos é uma forma de compreender o universo e a crítica a qual ele se pautou para construir toda a sua arte. “Os sonetos são imbuídos de um caráter universal e atemporal. Os temas tratados vão do amor, da beleza, do afeto, de inquietações políticas e da mortalidade à luxúria, infidelidade, ao ciúme, ao homoerotismo e à amargura.” COMPRE NA AMAZON

2. Orlando (Virginia Woolf)

Sou suspeita para falar sobre Virginia Woolf porque tudo dela me encanta. Suas ideias estão relacionadas ao Modernismo da Literatura Inglesa e o melhor de conhecer a autora é com o seu romance Orlando: “A fascinante história de Orlando compreende mais de três séculos. Somando experiências nesta jornada através da história, a personagem de Virginia Woolf é livre não apenas das restrições do tempo, mas também das imposições da sexualidade, numa narrativa brilhante que reflete de maneira espirituosa e feminista sobre a natureza dos sexos.” COMPRE NA AMAZON| Aqui você encontra muita coisa sobre a autora

3. Morte no Nilo (Agatha Christie)

Literatura inglesa

A rainha do crime. Sim. Eternamente. Quem gosta de suspense, mistério e a figura de um detetive com características únicas e peculiares, precisa ler Agatha Christie! A obra da autora é vasta, possui livros traduzidos em muitos países e até hoje é considerada a escritora mais bem sucedida na história da literatura popular. Indico Morte no Nilo para começar, no entanto, considero o melhor livro de Agatha Christie outro: “O assassinato de Roger Ackroyd”. Na dúvida, leia os dois! COMPRE NA AMAZON | Confira as resenhas aqui

4. Poemas (T.S. Eliot)

“T.S. Eliot produziu uma obra densa e profunda que, centrada na musicalidade, no ritmo e na sonoridade, revolucionou definitivamente a paisagem literária do século XX. Em 1948, o autor de A terra devastada, um dos mais célebres poemas da língua inglesa, recebeu o prêmio Nobel em reconhecimento à sua ‘contribuição excepcional e pioneira para a poesia contemporânea'”. COMPRE NA AMAZON

5. Alice no país das maravilhas (Lewis Carrol)

“Alice no País das Maravilhas é uma leitura que encanta crianças com sua trama, arrebata entusiastas da linguagem com seus jogos de palavras, chama a atenção dos fãs do psicodélico por seus personagens, entre tantos outros interesses que as aventuras da pequena Alice atraem. Uma menina, um coelho e uma história capazes de fazer qualquer um de nós voltar a sonhar…” COMPRE NA AMAZON

6. Frankenstein (Mary Shelley)

“O arrepiante romance gótico de Mary Shelley foi concebido quando a autora tinha apenas dezoito anos. A história, que se tornaria a mais célebre ficção de horror, continua sendo uma incursão devastadora pelos limites da invenção humana. Obcecado pela criação da vida, Victor Frankenstein saqueia cemitérios em busca de materiais para construir um novo ser. Mas, quando ganha vida, a estranha criatura é rejeitada por Frankenstein e lança-se com afinco à destruição de seu criador…” LEIA A RESENHA AQUI | COMPRE NA AMAZON

7. Mary Poppins (Pamela L. Travers)

Eu tenho a sensação de que as pessoas não conhecem a Mary Poppins que eu conheço! O livro é surpreendente e muito além da personagem com seus poderes mágicos. A escrita de Travers é encantadora, as entrelinhas arrebatadoras e realmente é um clássico da Literatura Inglesa que merece destaque! “Publicada em 1934, a primeira história de Mary Poppins foi um sucesso imediato e desde então fascina crianças e adultos.LEIA A RESENHA AQUI | COMPRE NA AMAZON


8. 1984 (George Orwell)

“Publicada originalmente em 1949, a distopia futurista 1984 é um dos romances mais influentes do século XX, um inquestionável clássico moderno. Lançada poucos meses antes da morte do autor, é uma obra magistral que ainda se impõe como uma poderosa reflexão ficcional sobre a essência nefasta de qualquer forma de poder totalitário.” COMPRE NA AMAZON | LEIA OS ARTIGOS SOBRE O LIVRO AQUI

Playlist: o dia em que 1984 de Orwell chegou

9. Orgulho e preconceito (Jane Austen)

“Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Por fim, Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista.” COMPRE NA AMAZON 

Orgulho e preconceito (Jane Austen): uma sátira também para os nossos dias

10. Tempos difíceis (Charles Dickens)

“Neste clássico da literatura inglesa, Charles Dickens trata da sociedade inglesa durante a Revolução Industrial usando como pano de fundo a fictícia e cinzenta cidade de Coketown e a história seus habitantes. Em seu décimo romance, o autor faz uma crítica profunda às condições de vida dos trabalhadores ingleses em fins do século XIX, destacando a discrepância entre a pobreza extrema em que viviam e o conforto proporcionado aos mais ricos da Inglaterra vitoriana. Ou seja, lança seu olhar sagaz e bem humorado sobre como a dominação social é assegurada por meio da educação das crianças…” COMPRE NA AMAZON 

11. Silas Marner: o tecelão de Raveloe, de George Eliot – pseudônimo de Mary Ann Evans)

Publicado originalmente em 1861, Mary Ann Evans, sob o pseudônimo de George Eliot, combate preconceitos, privilégios e desvios de conduta que se revelam até hoje na sociedade Silas Marner: O tecelão de Raveloe é a história de um tecelão de linho que foi traído por seu melhor amigo e acusado de um roubo que jamais praticara. Assim, desencantado com as pessoas e com a religião que o condenaram, ele abandona para sempre o lugarejo onde nasceu e morava. COMPRE NA AMAZON


Literatura inglesa: nossos contemporâneos

12. Amor sem fim (Ian McEwan)

Amor Sem Fim é um livro esquisito pra caramba. Tem um acidente de balão, um cara louco e um cientista frustrado. O cenário é Londres, suas ruas, bibliotecas e o Museu de História Natural. Dá vontade de estar lá, com o cientista frustrado, que narra a sua própria história de amor: por sua mulher, uma professora de literatura; e também o “amor” que um cara maluco sente por ele. Por fim, na sinopse temos: “nesse livro publicado originalmente em 1997, Ian McEwan mais uma vez trabalha de forma magistral com a ironia do acaso, que prega peças cruéis e determina o destino dos personagens.” LEIA A RESENHA COMPLETA AQUI | COMPRE NA AMAZON

13. Nadando de volta para a casa (Debora Levy)

Finalista do Man Booker Prize e eleito livro do ano pelo New York Times Book Review, Nadando de volta para casa, da britânica Deborah Levy, revela como os segredos mais devastadores são aqueles guardados de nós mesmos. Assim, com uma trama elíptica e perturbadora, o livro relata o que seria a idílica viagem de um poeta britânico à Riviera Francesa, com amigos e família, até uma enigmática jovem aparecer nua, na piscina da casa… COMPRE NA AMAZON | Leia a resenha aqui

14. Deuses Americanos (Neil Gaiman)

Da sinopse: “o que Gaiman constrói em Deuses americanos é um amálgama de múltiplas referências, uma mistura de road trip, fantasia e mistério — um exemplo máximo da versatilidade e da prosa lúdica e ao mesmo tempo cortante de Neil Gaiman, que, ao falar sobre deuses, fala sobre todos nós.” COMPRE NA AMAZON 

15. Alta fidelidade (Nick Hornby)

Por fim, um romance sobre música e relacionamento, sobre as muitas caras que o sucesso pode ter e sobre o que é, afinal, viver nos anos 1990. Com rajadas de humor sardônico e escrita leve, a juventude marinada em cultura pop ganhou aqui seu espaço na literatura. COMPRE NA AMAZON | LEIA A RESENHA AQUI

Imagem padrão
Camila Martins
Fã de David Foster Wallace e Italo Calvino, perde horas assistindo séries na Netflix, gosta de sorvete de amendoim e ouvir The Strokes aos domingos de manhã. Colabora no Livro&Café desde janeiro/2017.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário