O único e verdadeiro rei do bosque (Iban Barrenetxea): para revisitar o universo da fantasia

O único e verdadeiro rei do bosque possui uma narrativa tão rica que o leitor adulto terá a oportunidade de revisitar o universo de fantasia.

Os livros considerados infantis precisam ser acessados mais vezes pelos adultos. Muito além daquele momento de ler para uma criança, pois mergulhar no universo lúdico dos livros infantis é iluminar um espaço precisos de nossos corações, como se, por alguns instantes voltássemos a ser crianças.

O livro “O único e verdadeiro rei do bosque”, do escritor e ilustrador espanhol Iban Barrenetxea possui uma história simples, com personagens que já fizeram parte de outras histórias infantis. E, pela narrativa tão rica, o leitor terá a oportunidade de revisitar o universo de fantasia e as principais características de uma raposa, uma família de irmãos atrapalhados, um rei e seu exército.

Conheça 5 motivos para ler Lewis Carroll, por Virginia Woolf

E como aprendemos nas Fábulas de Esopo, a raposa é esperta e de uma forma divertida irá ficar livre do desejo dos outros personagens: matá-la para fazer um lindo cachecol.

Portanto, os outros detalhes dessa história, não cabem nesta resenha, porém, é preciso registrar as comparações que o livro faz de forma inteligente, na busca de outras referências infantis, como um gigante e os corvos como representantes de algo ruim que pode acontecer.

Por fim, outro ponto alto do livro O único e verdadeiro rei do bosque é a ilustração, uma peça fundamental nos livros infantis. Elas foram feitas pelo próprio autor,  é possível conferir algumas no site do autor e, assim, temos um livro infantil que se coloca como algo realmente especial e que merece ser lido por pessoas de todas as idades.

O livro você pode comprar na Amazon


Default image
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.
Deixe um comentário