13 livros sobre deficiências que todos nós precisamos ler

Memórias, biografias, obras infantojuvenis: 13 dicas de livros sobre deficiências

Sabemos o quanto a literatura tem o poder de nos levar a conhecer lugares e realidades diferentes da nossa própria existência. Os livros são uma excelente ferramenta de conhecimento, empatia e transformação.

E quando pensamos nas deficiências físicas e mentais, a literatura também pode nos proporcionar acesso a diversas histórias, que nos ajudam a transformar o modo como vemos as pessoas com deficiência e a respeitar e lutar ao lado destas por seus direitos.

Por isso, resolvi fazer uma lista com 13 livros que trazem personagens que possuem alguma deficiência. Separei em livros infantojuvenis e em livros de literatura e ficção, mas espero que você se empolgue para ler todos!

 


Livros infantojuvenis

 

O jardim secreto, de Frances Hodgson Burnett

livros sobre deficiência

A obra O jardim secreto é simplesmente maravilhosa, de um texto que emociona a cada página! Adaptada ao cinema e traduzida por Ana Maria Machado, retrata, em um cenário triste e sombrio de inverno, a vida de duas crianças que vivem em um casarão na Inglaterra, uma órfã e a outra solitária e doente. A chegada da primavera, porém, transforma o ambiente e o espírito dos personagens principais que podem sair de casa, passear pelos jardins e conhecer novas crianças da aldeia. A mudança ocorre realmente quando elas encontram um jardim secreto; lá irão viver dias inesquecíveis e mágicos. Frances, que escreveu o clássico O pequeno lorde, encanta o público de todas as idades com essa narrativa cativante e envolvente. + Compre na Amazon

 

As cores no mundo de Lúcia, de Jorge Fernando dos Santos

O nome Lúcia é uma variação de Luzia, do grego Loukia, feminino de Lúcio, do latim Lucius. Essa palavra significa “luminoso ou iluminado” e é derivada de Lux, ou luz. Nesse livro, Lúcia é uma menina de sete ou oito anos, muito inteligente e que adora brincar. Alegre e carinhosa com os pais e os avós, ela não pode enxergar, pois sofre de cegueira congênita. No entanto, descobre uma maneira divertida de perceber as cores no mundo a sua volta. Ela sabe usar como ninguém a audição, o olfato, o paladar e o tato, sentidos aguçados que lhe permitem superar a deficiência visual. Com belas ilustrações de Denise Nascimento e narrada em prosa poética, a história convida o leitor a superar preconceitos, a vencer dificuldades e a descobrir o quanto a vida pode ser uma festa. + Compre na Amazon

 

Daniel no mundo do silêncio, de Walcyr Carrasco

Quando Daniel perde a audição, aos 7 anos, ele precisa aprender a se comunicar de outra maneira: com as mãos. Seus pais e o irmão mais novo dão o maior apoio durante essa adaptação, e seus pais o matriculam em uma escola especializada em educação par a surdos, onde ele aprende a LIBRAS, a Língua Brasileira de Sinais. É assim que ele e a família se comunicam. Depois de um tempo, Daniel passa a frequentar simultaneamente uma escola comum. Nesta, porém, ele sofre bullying e não consegue interagir com os colegas, pois ninguém compreende a língua de sinais. Tudo muda quando o garoto por pouco não sofre um grave acidente devido à surdez. A cena é presenciada por uma colega de classe que, naquele instante, entende o que é ser surdo. A partir daí surge a solidariedade. Os colegas descobrem que falar com as mãos pode ser divertido e ganham um amigo esperto e inteligente. E a diretora da escola providencia um intérprete de LIBRAS para acompanhar Daniel durante as aulas – uma obrigatoriedade legal que ela desconhecia. + Compre na Amazon

 

Tom, de André Neves

Este é um livro-pássaro com toda a delicadeza que o seu tema pede. Assim devemos abrir suas asas (as orelhas) ao início e ao final da leitura, pois elas contém recados quase invisíveis. Nas ilustrações, Tom é um menino transparente que está sempre envolto de pássaros que ora o perpassam, ora o habitam por dentro, ora estão ao seu redor. Quem nos fala sobre Tom é o seu irmãozinho. Ele nos conta as suas perguntas, as suas percepções sobre Tom e os esforços da família no sentido de alcançar Tom que parece viver num mundo distante e desconhecido por eles. Mas nós conheceremos um pouquinho do universo particular de Tom quando com um “vem” ele chama o irmão para experimentar de dentro o seu silêncio. A beleza e a sensibilidade das ilustrações são complementadas pela poesia do texto em tom esverdeado. Sério, eu sou apaixonada pelas histórias e ilustrações do André Neves e recomendo fortemente todas as outras obras dele. + Compre na Amazon


 

Agentes especiais e o mistério da fábrica de celulares, de Vinicius Campos

Um grande mistério a ser desvendado pelos agentes especiais. Mais que especiais, esses agentes têm habilidades extraordinárias, desenvolvidas a partir da superação de suas limitações. Como as três cores primárias, nossos heróis se completam formando um time imbatível, sempre a postos para impedir o triunfo do mal. + Compre na Amazon

 

Com outros olhos, de Thati Machado

A vida perfeita de aparências da jovem Lana se desfaz como pó depois de um trágico acidente com seu então namorado Lucas. Destinada a ultrapassar todos os obstáculos que a vida lhe impõe, Lana ingressa na Companhia Raoul de Teatro – com a ajuda de seu irmão – sem que saibam das suas limitações. Seus companheiros de trabalho parecem não facilitar a vida da moça, principalmente Arthur, que interpreta seu par romântico na peça. Ironia do destino ou não, Lana vai descobrir que uma vida sem luz ainda pode lhe oferecer tudo que uma garota sempre sonhou. E que as aparências… Sempre enganam. + Compre na Amazon

 


Literatura e ficção

 

Feliz ano velho, de Marcelo Rubens Paiva

livros sobre deficiências

Feliz ano velho é o primeiro livro de Marcelo Rubens Paiva. Aos vinte anos, ele sobe em uma pedra e mergulha numa lagoa imitando o Tio Patinhas. A lagoa é rasa, ele esmigalha uma vértebra e perde os movimentos do corpo. Escrito com sentido de urgência, o livro relata as mudanças irreversíveis na vida do garoto a partir do acidente. Ele é transferido de um hospital a outro, enfrenta médicos reticentes, luta para conquistar pequenas reações do corpo. Aos poucos, se dá conta de sua nova realidade, irreversível. E entende que é preciso lutar. O texto expressa a irreverência e a determinação da juventude, mesmo na adversidade, e a compreensão precoce “de que o futuro é uma quantidade infinita de incertezas”. Leitura obrigatória do vestibular da UFRGS. + Compre na Amazon

 

Malacabado: a história de um jornalista sobre rodas, de Jairo Marques

Hoje erradicada no Brasil, a poliomielite provocou, em 1975, uma devastação no país. Foram atingidas pelo vírus que causa a paralisia infantil mais de 3 mil crianças, entre as quais o autor desse livro. Em uma cadeira de rodas, Jairo Marques atravessou a infância, a juventude e chegou à idade adulta como jornalista atuante e influente, empenhado em mudar a maneira como são vistas as pessoas com qualquer tipo de deficiência. Como colunista da Folha de S.Paulo, impôs novo olhar sobre essas pessoas, ampliando o entendimento sobre a realidade em que vivem e seus espaços de cidadania, ao considerá-las não como indivíduos aos quais “falta algo”, mas como seres íntegros. Partindo de sua própria experiência, o autor constrói em Malacabado um relato franco e irreverente sobre a condição das pessoas com deficiência. Para a jornalista Eliane Brum, que assina a orelha do livro, Malacabado é um “livro para todos”: “Ao nos levar pelos caminhos que literalmente rodou, como jornalista, pelo mundo afora, Jairo Marques nos interroga sobre o que é uma vida humana”. + Compre na Amazon

 

Como eu era antes de você, de Jojo Moyes

livros sobre deficiências

Best-seller adaptado para o cinema, Como eu era antes de você traz Louisa Clark, uma jovem de 26 anos que não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, que ao fechar as portas, a obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro. + Compre na Amazon

 

Salvando meu filho, de Richard Galli

livros sobre deficiências

Richard Galli é advogado e jornalista, mas desde o dia 4 de julho de 1998 teve sua vida completamente modificada por uma terrível fatalidade. Durante uma festa de comemoração do Dia da Independência Americana, seu filho Jeffrey, de apenas 17 anos, se afogou na piscina depois de um mergulho e ficou debaixo d’água por alguns segundos até que algúem percebeu o que se passava. Imediatamente, Richard mergulhou na piscina para tirar Jeffrey e viu que ele estava inconsciente. O pai fez tudo o que pode para salvar o filho, mas, a partir daquele dia, Jeffrey ficou incapaz de se mover do pescoço para baixo, de sentir seu próprio corpo e até de respirar sozinho. A vida de Galli tornou-se ainda mais difícil e ele chegou a se perguntar se teria feito certo ao preservar a vida de um menino que ficaria preso a uma cama para o resto da vida. + Compre na Amazon

 

Uma chance para recomeçar, de Diana Scarpine

livros sobre deficiências

Carina é uma workaholic risa e bem-sucedida cuja vida se resume ao trabalho. Afogada em estresse, ela não se importa com a solidão que habita seu coração, pois o amor nunca foi uma das suas prioridades, até que algo inusitado acontece. Repentinamente, ela se vê privada do trabalho e deseja aplacar a solidão que a consome, principalmente quando conhece Aurélio, que a trata de uma forma diferente da qual ela está acostumada. Consumido pela tragédia que vitimou sua família e deixou-lhe sequelas físicas e emocionais, Aurélio não quer nada além de se afundar cada vez mais na dor e na culpa que sente. Suas certezas começam a ficar abaladas à medida que Carina se aproxima cada vez mais dele. Quantos obstáculos precisam ser vencidos para recomeçar? O amor é capaz de vencer as amarras do passado e o preconceito? + Compre na Amazon

 

Jane Eyre, de Charlotte Brönte

livros sobre deficiências

Jane Eyre, romance de estreia da consagrada e renomada escritora inglesa Charlotte Brontë, narra a história de vida da heroína homônima. Quebrando paradigmas e criticando a realidade vitoriana da época, Jane Eyre desafia o destino imposto às mulheres e as posições sociais que elas deveriam ocupar. Recheado de características góticas, o romance possui personagens inesquecíveis e transformadores, como a figura do misterioso Rochester, patrão de Jane e peça vital da narrativa. Um livro que permite discutir como as deficiências física e mental eram vistas na época.  + Compre na Amazon

 

A Pedra da Lua, de Wilkie Collins

livros sobre deficiências

Publicado em folhetim entre janeiro e agosto de 1868, na revista de Charles Dickens, A Pedra da Lua é um dos mais importantes romances ingleses do século XIX. Uma descrição maravilhosa de uma empregada deficiente, Rosanna Spearman, que tem um “ombro deformado” como Gabriel Betteredge o descreve. Ela é suspeita de roubar um diamante de valor inestimável e se suicida de desespero. Sua reputação é defendida ferozmente por sua amiga, Limping Lucy, e por outros empregados. Collins tinha uma estatura muito pequena e tinha um desfiguramento facial – o que talvez explique a empatia de muitos seus dos livros entre pessoas com deficiência. + Compre na Amazon

 

Você conhece outros livros sobre deficiências? Compartilhe conosco nos comentários!

 

Foto da capa: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 


Leia mais:

Longe da árvore (Andrew Solomon): trechos do livro que celebra as diferenças


Avatar
Bruna Bengozi

Bruna é mestra em História pela USP, redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome do impostor".

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado