11 livros sobre deficiências que todos nós precisamos ler [parte II]

Recentemente, fiz um post com 13 dicas de livros que trazem personagens portadores de deficiências físicas ou mentais. Porém, além de acessarmos essas histórias por meio da ficção, memórias, biografias etc., existem diversos títulos que trazem estudos e debates sobre necessidades especiais, aspectos históricos, reflexões em torno da educação inclusiva e muito mais.

Assim, resolvi fazer uma segunda lista indicando algumas obras que podem nos ajudar a entender mais o assunto, independente da nossa área de atuação. Espero que sejam boas dicas e que possamos levá-las adiante!

 

O que é deficiência (Coleção Primeiros Passos)

deficiências

Os estudos sobre deficiência surgiram no Reino Unido nos anos 1970. Deficiência não é mais uma simples expressão de uma lesão que impõe restrições à participação social de uma pessoa. Deficiência é um conceito complexo que reconhece o corpo com lesão, mas que também denuncia a estrutura social que oprime a pessoa deficiente. Assim como outras formas de opressão pelo corpo, tais como o sexismo ou o racismo, os estudos sobre deficiência descortinaram uma das ideologias mais opressoras de nossa vida social: a que humilha e segrega o corpo deficiente. + Compre na Amazon

 

Deficiência em questão: para uma crise da normalidade

A deficiência é uma construção cultural cuja história (de poucos séculos) pode e deve ser conhecida e analisada de acordo com uma perspectiva crítica que denuncia as formas particulares de opressão de um segmento significativo da sociedade. Este é o pressuposto teórico e epistemológico compartilhado pelos autores e organizadores desta coletânea, afinados com o pensamento dos chamados Estudos da Deficiência (Disability Studies), área de estudos em franca expansão – no Brasil e no exterior – no campo das ciências humanas e sociais, que procura aproximar a pesquisa e a produção acadêmicas da realidade e das demandas dos movimentos sociais de pessoas com deficiência.
O questionamento cultural, social e político da normalidade levado a cabo aqui não nega o papel da medicina e da reabilitação nas vidas das pessoas com de­ficiência, mas vai além, afirmando a necessidade de estar com os sujeitos, de atentar para a singularidade de suas experiências, de escutar suas demandas e de se engajar na luta com eles pelos seus espaços de visibilidade e inclusão na sociedade, distante portanto, das políticas meramente caritativas e paliativas. + Compre na Amazon

 

Por um pensar sociológico sobre a deficiência

O livro erigido mediante processo de revisão literária objetiva apresentar as contribuições do grupo londrino denominado Disability Studies, arcabouço teórico pouco conhecido em terras brasileiras e cujos textos possibilitam uma transformação nuclear na maneira de interpretar a deficiência, na medida em que a expõe e estrutura o pensar sobre a mesma sob o prisma da produção social. Destarte, busca-se romper dialeticamente com a sobreposição da explicação médica, cujo fundamento se erige sobre lentes da Biologia, em direção a um referencial interdisciplinar que objetiva captar a globalidade e contrariedades do fenômeno da deficiência. + Compre na Amazon

 

Estatuto da pessoa com deficiência: Comentários à Lei 13.146/2015

O Estatuto da Pessoa com Deficiência constitui marco legal sem precedentes no Brasil, que dá cumprimento à Convenção Internacional das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD) e seu Protocolo Facultativo. Desse modo, em razão das profundas inovações promovidas pelo Estatuto da Pessoa com Deficiência (EPD) e, por conseguinte, das dúvidas instaladas em boa parte da comunidade jurídica no que tange à sua interpretação e aplicação, o presente estudo apresenta-se como valiosa contribuição para a promoção dos direitos das pessoas com deficiência. Os coordenadores, Guilherme Magalhães Martins e Lívia Pitelli Zamarian Houaiss, reuniram mais de 30 pesquisadores de diferentes formações e campos de atuação para fornecer um rico exame pormenorizado de cada um dos 127 artigos que compõem o EPD. O resultado desse esforço conjunto contribui, desse modo, para a difusão dos direitos das pessoas com deficiência e encaminha soluções para as importantes questões levantadas pelo advento do EPD. + Compre na Amazon

 

Políticas públicas e pessoa com deficiência: direitos humanos, família e saúde

deficiências

Este livro divide-se em quatro seções: a primeira é dedicada aos Direitos Humanos; a segunda apresenta uma revisão conceitual sobre deficiência e reabilitação; a terceira aborda a implementação de Políticas Públicas através da análise teórica e conceitual de experiências concretas; a quarta e última seção debate a acessibilidade, analisando a dimensão dos serviços de saúde, as consequências de assistência ao parto e a acessibilidade nas cidades. + Compre na Amazon

 

Caminhando em silêncio: Uma introdução à trajetória das pessoas com deficiência na história do Brasil

deficiências

Em Caminhando em silêncio, o psicólogo Emilio Figueira apresenta a história das instituições e entidades assistenciais, das legislações e das políticas direcionadas às pessoas com deficiência no Brasil. Uma obra multidisciplinar e abrangente, resultado de dez anos de pesquisa. A exclusão entre os indígenas, o assistencialismo dos jesuítas, a violência que gerou deficiências entre os escravos. As primeiras instituições, os principais personagens históricos. Neste livro, Figueira também reforça a teoria que a maior das questões que envolvem as pessoas com deficiências foram construídas culturalmente.
Livro indispensável para entender o processo de inclusão social brasileiro. + Compre na Amazon


 

Preconceito contra as pessoas com deficiência: as relações que travamos com o mundo

deficiências

Este livro baseia-se no dia a dia de muitas pessoas portadoras de deficiências. Fala de suas rotinas e experiências, de histórias de vida e de relatos de situações vividas, de convivências com outras pessoas, e dos problemas e discriminações que sofrem seus portadores no trabalho, nas escolas, e até mesmo para caminhar na rua. O autor escreve um texto apaixonado e otimista, descrevendo as dificuldades do cotidiano dessas pessoas na busca de exercer sua cidadania. + Compre na Amazon

 

O Corpo Rebelado. Autonomia, Cuidado e Deficiência Física

deficiências

O Corpo Rebelado é uma contribuição para a reflexão sociológica sobre autonomia no contexto da dependência física. Tratando em especial da deficiência motora, a autora propõe uma autonomia relacional em oposição à ideia de autossuficiência e individualismo. Isso implica considerar a autonomia não como um estado fixo baseado sobre a existência de um “eu” transcendental, mas interpretá-la como um fenômeno processual e contextual ligado à construção da subjetividade. Inspirado nas teorias da Ética do Care, no Interacionismo Simbólico e Filosofia da Diferença, o livro chama atenção aos dois polos envolvidos na situação de dependência física: aquele que necessita de cuidado e aquele que oferece o cuidado, o que convida ao exercício de compreender a autonomia dentro da complexidade que lhe é inerente. Trazendo uma reflexão crítica sobre os discursos militantes voltados às pessoas com deficiência e sobre o dualismo estabelecido entre construcionismo social e explicações biológicas, esta obra nos chama a pensar a deficiência a partir da pluralidade de sentidos que a constitui. + Compre na Amazon

 

Esclarecendo as deficiências: Aspectos teóricos e práticos para contribuir para uma sociedade inclusiva

deficiências

Com informações a respeito das deficiências e sugestões de ações pedagógicas, este livro abre as portas do conhecimento para que profissionais da educação, pais e todos os interessados em ter uma sociedade mais inclusiva trabalhem com diversas ações para atingir esse objetivo. Apresenta ainda indicações de sites e filmes que abordam o tema das deficiências e levam à reflexão. + Compre na Amazon

 

Educação inclusiva, deficiência e contexto social: questões contemporâneas

O enfoque desta obra decorre da relevância que o contexto sociocultural em que a pessoa está inserida serve de parâmetro para classificá-la como normal e anormal, além de enfatizar o ensino e a escola, bem como as formas e condições de aprendizado. Esta perspectiva, ao invés de procurar no aluno a origem de um problema, define o tipo de resposta educativa e de recursos e apoios que a escola deve proporcionar a esse aluno para que ele obtenha o sucesso escolar. + Compre na Amazon

 

Práticas inclusivas em escolas transformadoras: acolhendo o aluno-sujeito

Os textos aqui apresentados buscaram não apenas contemplar os fundamentos de uma visão contemporânea da inclusão, mas também as articulações desses fundamentos com as práticas inclusivas que algumas escolas já vêm adotando e ampliando. Há um fio condutor que atravessa e alinha os textos deste livro, sejam quais forem suas filiações teóricas ou profissionais: todos estão buscando orientar-se por uma visão precisa de sujeito. Os autores aqui presentes sabem que as crianças em situação de inclusão não são apenas um conjunto de feixes de nervos, músculos e ossos comandados por comportamentos automáticos a serem condicionados, adaptados e canalizados. Crianças-sujeito são habitantes desse corpo ao mesmo tempo que habitados por ele e não existem sem que um laço com os outros as constitua, as mantenha e lhe dês um sentido marcado pelo desejo. Levar em conta, dar ouvidos, dar voz a esses sujeitos é o norte da reflexão e da ação que orienta os autores desta coletânea. + Compre na Amazon

 

Conhece outros títulos que abordam o tema das deficiências? E o que você pensa sobre o assunto? Conte para nós nos comentários.

 

Foto: iStock/Arte Lunetas

 


Leia mais:

11 dicas de livros sobre diversidade na escola


Avatar
Bruna Bengozi

Bruna é mestra em História pela USP, redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome do impostor".

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado