Malala Yousafzai

9 livros para conhecer Malala Yousafzai

Ativista na luta pelos direitos das meninas em todo o mundo, Malala Yousafzai teve sua história retratada em vários livros.

Malala Yousafzai é uma grande inspiração para todas e todos nós. Nascida em 12 de julho de 1997, é a mais jovem vencedora do Prêmio Nobel da Paz, símbolo da luta pelo direito à educação das meninas, feminista. É também uma sobrevivente da violência extremista do Talibã. Em 2012, foi baleada quando voltava para casa em um ônibus escolar, desafiando os talibãs locais que impedem as jovens de frequentar a escola.

Considerada uma das pessoas mais influentes do mundo e uma das vozes mais respeitadas, existem vários livros que nos ajudam a conhecer a trajetória de Malala. Vamos ver alguns desses títulos?

Eu sou Malala: a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã

Quando o Talibã tomou controle do vale do Swat, uma menina levantou a voz. Malala Yousafzai recusou-se a permanecer em silêncio e lutou pelo seu direito à educação. Mas em 9 de outubro de 2012, uma terça-feira, ela quase pagou o preço com a vida. Malala foi atingida na cabeça por um tiro à queima-roupa dentro do ônibus no qual voltava da escola. Poucos acreditaram que ela sobreviveria. Mas a recuperação milagrosa de Malala a levou em uma viagem extraordinária de um vale remoto no norte do Paquistão para as salas das Nações Unidas em Nova York. Aos dezesseis anos, ela se tornou um símbolo global de protesto pacífico e a candidata mais jovem da história a receber o Prêmio Nobel da Paz. Eu sou Malala é a história de uma família exilada pelo terrorismo global, da luta pelo direito à educação feminina e dos obstáculos à valorização da mulher em uma sociedade que valoriza filhos homens. Escrito em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, este livro é uma janela para a singularidade poderosa de uma menina cheia de brio e talento, mas também para um universo religioso e cultural cheio de interdições e particularidades, muitas vezes incompreendido pelo Ocidente. + COMPRE NA AMAZON

“Eu lia livros como Ana Karênina, do Leon Tolstói, e os romances de Jane Austen. Confiava nas palavras de meu pai: ‘Malala é livre como um pássaro’. Quando ouvia as histórias sobre atrocidades que aconteciam no Afeganistão, eu celebrava o Swat [sua aldeia no Paquistão]. Aqui uma menina pode ir à escola, eu dizia. Mas o Talibã estava logo ali, na esquina, e era pachtum como nós. Para mim, o vale era um lugar ensolarado. Não pude ver as nuvens se juntando atrás das montanhas. Meu pai costumava falar: ‘Vou proteger sua liberdade, Malala. Pode continuar sonhando’.” (Eu sou Malala: a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo Talibã)

Eu sou Malala (edição juvenil)

Autobiografia da mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da Paz, escrita especialmente para o público juvenil. Nesta adaptação, ela conta sua história inspiradora para outros jovens como ela, Malala mostra que todos podem mudar o mundo. + COMPRE NA AMAZON

Malala, a menina que queria ir para a escola

Malala Yousafzai quase perdeu a vida por querer ir para a escola. Ela nasceu no vale do Swat, no Paquistão, uma região de extraordinária beleza, cobiçada no passado por conquistadores como Gengis Khan e Alexandre, o Grande, e protegida pelos bravos guerreiros pashtuns – os povos das montanhas. Foi habitada por reis e rainhas, príncipes e princesas, como nos contos de fadas. Malala cresceu entre os corredores da escola de seu pai, Ziauddin Yousafzai, e era uma das primeiras alunas da classe. Quando tinha dez anos viu sua cidade ser controlada por um grupo extremista chamado Talibã. Armados, eles vigiavam o vale noite e dia, e impuseram muitas regras. Proibiram a música e a dança, baniram as mulheres das ruas e determinaram que somente os meninos poderiam estudar. Mas Malala foi ensinada desde pequena a defender aquilo em que acreditava e lutou pelo direito de continuar estudando. Ela fez das palavras sua arma. Em 9 de outubro de 2012, quando voltava de ônibus da escola, sofreu um atentado a tiro. Poucos acreditaram que ela sobreviveria. A jornalista Adriana Carranca visitou o vale do Swat dias depois do atentado, hospedou-se com uma família local e conta neste livro tudo o que viu e aprendeu por lá. Ela apresenta às crianças a história real dessa menina que, além de ser a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da paz, é um grande exemplo de como uma pessoa e um sonho podem mudar o mundo. + COMPRE NA AMAZON

Leia mais: [Plano de aula] Malala – leitura, produção e interpretação de texto

Livre para voar: a jornada de um pai e a luta pela igualdade

Ziauddin Yousafzai tem motivos de sobra para ser um pai orgulhoso: Malala sobreviveu a um atentado do Talibã, ingressou na prestigiosa Universidade de Oxford e se tornou a mais jovem vencedora do prêmio Nobel da paz e uma das principais vozes da luta pelos direitos das mulheres.
O que ele fez para criar uma menina tão extraordinária? A resposta é mais trivial do que se imagina: educou-a com amor, incentivo e gentileza ― e sobretudo com a convicção de que sua filha era digna das mesmas oportunidades que os meninos recebem.

Longe de casa: minha jornada e histórias de refugiadas pelo mundo

Ao longo de sua jornada, a paquistanesa Malala Yousafzai visitou uma série de campos de refugiados, o que a levou a pensar sobre sua própria condição de migrante ― primeiro dentro de seu país, ainda quando criança, e depois como ativista internacional, livre para viajar para qualquer canto do mundo, exceto sua terra natal. Em Longe de casa, que é ao mesmo tempo um livro de memórias e uma narrativa coletiva, Malala explora sua própria trajetória de vida e apresenta as histórias de nove garotas de várias partes do mundo, do Oriente Médio à América Latina, que tiveram que deixar para trás sua comunidade, seus parentes e o único lar que conheciam. Numa época de crises migratórias, guerras e disputas por fronteiras, Malala nos lembra que os 68,5 milhões de deslocados no mundo são mais do que uma estatística ― cada um deles é uma pessoa com suas próprias vivências, sonhos e esperanças. + COMPRE NA AMAZON


Leia mais: Longe de casa (Malala Yousafzai) e a luta pela sobrevivência

Malala e seu lápis mágico

Malala Yousafzai

Um livro de Malala Yousafzai para os pequenos leitores sobre a importância de lutar pelos próprios direitos ― e nunca deixar de sonhar. Quando era apenas uma menina vivendo no Paquistão, o maior desejo de Malala era ter um lápis mágico. Mas quando seu direito à educação foi colocado em perigo por homens que acreditavam que meninas não deveriam ir à escola, Malala percebeu que a sociedade em que vivia precisava de mudanças imediatas. Só então ela foi capaz de enfrentar grandes obstáculos até encontrar dentro de si a força e as ferramentas necessárias para mudar o mundo. Em seu primeiro livro infantil, a garota paquistanesa ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, retorna à própria infância para apresentar sua história aos pequenos leitores e inspirar uma nova geração a quebrar o silêncio para transformar o mundo em um lugar melhor. + COMPRE NA AMAZON

Malala: pelo direito das meninas à educação

Malala Yousafzai

Malala Yousafzai é símbolo de coragem e paz para o mundo. Paquistanesa e muçulmana, desde os onze anos, luta contra os fundamentalistas islâmicos do Talibã, que dominaram sua cidade e proibiram as meninas de frequentar escolas. Malala se recusou a aceitar a proibição e, por meio de um blog no site da BBC de Londres, passou a denunciar a opressão do Talibã, ganhando notoriedade em seu país e, posteriormente, no mundo todo. Para tentar calar sua voz, os fundamentalistas tentaram assassiná-la, mas, felizmente, Malala conseguiu escapar com vida. Com ilustrações belíssimas e um texto emocionante, as autoras contam a história dessa jovem mulher, exemplo de caráter e dignidade, e inspiração para todos os povos de todas as raças e crenças. Da mesma série de Mandela e Martin e Rosa, amplamente adotados nas escolas brasileiras, o livro conta com a seção “Para compreender melhor”, em que o leitor encontrará material de pesquisa que inclui textos, fotos, mapa e documentos sobre a vida de Malala. + COMPRE NA AMAZON

Malala / Iqbal: Uma menina muito corajosa/Um menino muito corajoso

Malala Yousafzai

Malala/Iqbal traz nesta linda edição 2 em 1 as histórias das duas crianças paquistanesas que bravamente lutaram contra a injustiça de seu mundo. Malala é a menina que não tem medo. É assim que todos conhecem a jovem paquistanesa que acredita que uma criança, um professor, um livro e uma caneta podem mudar o mundo. Já Iqbal tinha apenas quatro anos quando foi obrigado a trabalhar na fábrica de tapetes. Junto com outras tantas crianças, ele tecia acorrentado para que não pudesse fugir. Quando ele descobre que finalmente está livre, passa a frequentar a escola, vai bem nos estudos e começa a protestar por outras crianças que ainda não se libertaram. Mesmo sendo ameaçado pelos donos, Iqbal visita fábricas de tapetes por todo Paquistão e cruza o oceano para espalhar sua mensagem de liberdade para todas as crianças e adultos que como ele podem ir atrás de seus sonhos e objetivos. Malala/Iqbal traz a história dessas duas crianças cuja coragem transcendeu sua juventude e que, cada uma a sua maneira, lutam para libertar de todas as injustiças outras crianças que têm seus direitos limados por culturas que negam até o direito à educação. Uma obra que servirá de inspiração para pessoas de todas as idades. + COMPRE NA AMAZON

Todo dia é Dia de Malala

Malala Yousafzai

Malala Yousafzai é uma inspiração para todos. A garota paquistanesa foi baleada pelo Talibã simplesmente porque queria ir para a escola. Desde então, chamou a atenção do mundo com sua coragem, tornando-se uma ativista na luta pelos direitos das meninas em todo o mundo. No ano de 2013, Malala se tornou a pessoa mais jovem a ser indicada ao Prêmio Nobel da Paz. No livro Todo dia é Dia de Malala, meninas de todo o mundo expressam sua solidariedade e admiração pela jovem paquistanesa. Muitas delas conhecem de perto as barreiras que se colocam entre as meninas e a escola, como a pobreza, a discriminação e a violência, e reconhecem em Malala não só uma líder, mas uma amiga. O livro é ilustrado com belas fotografias da Plan International, instituição fundada em 1937 e que trabalha em parceria com milhares de pessoas pelo mundo inteiro para acabar com a pobreza global. + COMPRE NA AMAZON

Imagem padrão
Bruna Bengozi
Bruna é mestra em História pela USP e graduanda em Letras pela Univesp. Redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome da impostora".

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário