branquitude

12 leituras urgentes sobre branquitude

Black Friday Amazon

Branquitude. Um termo pouco discutido, mas que é essencial para repensar as relações sociais e combater o racismo. Porém, existe uma dificuldade enorme para os brancos reconhecerem sua branquitude, principalmente porque ela foi construída e mantida a partir da violência racial.

O fato é que a branquitude, ao longo da História, determinou a imagem de superioridade dos brancos num processo inseparável da criação do conceito de raça e da inferioridade dos não-brancos. O racismo é, afinal, um problema de branquitude. E enquanto a submissão de negros e outras etnias foi criada e reforçada pelos brancos pelos mais diversos e absurdos meios, a naturalização da branquitude persistiu sem questionamentos: brancos foram e são vistos como indivíduos; detentores naturais de privilégios; são sinônimo de humanidade.

“Ruth Frankenberg, teórica britânica do tema, diz que a branquitude ‘é um lugar confortável, onde você olha os outros através da lente que você não olha a si mesmo’, e esta lente é a raça. Olham-se os negros como um grupo racializado, os indígenas como grupo racializado, mas os brancos como indivíduos. A branquitude é uma racialidade que se compõe desta noção de raça construída no século XIX, mas que não é vista enquanto tal: é vista como neutra. E, além de neutra, ela blinda aos brancos a ideia do que é negativo.” 

Lia Vainer Schucman, doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo (USP).

A questão é ainda mais complexa quando pensamos no contexto brasileiro, marcado pela persistência do passado escravista. Lembro-me de uma palestra do advogado, filósofo e professor Sílvio Almeida, em que ele comenta que o brasileiro que se considera branco não se pensa racialmente e só percebe que é racializado quando vai para os Estados Unidos e é lido como latino. Você já pensou nisso?

O fato é que a discussão sobre a branquitude incomoda. Percebemos esse incômodo na manutenção do mito da democracia racial brasileira, na negação de que existe racismo no Brasil – onde a discriminação racial é sistêmica, estrutural, e o genocídio negro persiste rotineiramente -, na falácia do racismo reverso.

Sem surpresa, sabemos que os brancos não foram massivamente escravizados desde que a Europa passou a tomar as rédeas do mundo no século XVI. Gerações após gerações de brancos não foram explorados à exaustão e à morte para o benefício de outros. Brancos não foram tratados como produtos passíveis de serem vendidos, humilhados, estuprados, torturados. Brancos não tiveram suas redes familiares dilaceradas, comunidades desmontadas e culturas atacadas, rebaixadas, proibidas ou segregadas por leis amparadas em intelectuais e ideias racistas. O contrário, nós sabemos, foi realizado por brancos.

Bruno Ribeiro Oliveira, mestre em História de África pela Universidade de Lisboa e doutorando do Programa de História e Artes da Universidade de Granada.

Buscando auxiliar nas reflexões que todas e todos nós precisamos fazer, deixo algumas indicações de leituras sobre branquitude. Claro que os títulos não esgotam o tema, então ficarei muito feliz se você deixar seu comentário com outras sugestões de livros ou artigos, questões para debate e muito mais!

Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil

branquitude

A branquitude significa pertença étnico-racial atribuída ao branco. Podemos entendê-la como o lugar mais elevado da hierarquia racial, um poder de classificar os outros como não brancos, que, dessa forma, significa ser menos do que ele. O ser-branco se expressa na corporeidade, a brancura. E vai além do fenótipo. Ser branco consiste em ser proprietário de privilégios raciais simbólicos e materiais. Com dezessete capítulos, este livro trata da identidade branca com foco na realidade social brasileira. “Os estudos sobre as relações raciais muito falaram do negro e dos problemas que lhe foram criados no universo racial brasileiro, mas deixaram de falar de brancos numa sociedade em que a branquitude poderia também fazer parte do processo de transformação social, partindo da hipótese de que os brancos conscientes dos privilégios que sua cor lhes traz na sociedade poderiam questioná-los e participar do debate sobre a divisão equitativa do produto social nacional entre brancos e negros. Sem entrar nos pormenores da riqueza de cada um desses textos cuja leitura nos desafia, devo aqui relevar suas contribuições na renovação e atualização do nosso pensamento sobre as lutas contra o racismo em busca de mudanças transformadoras do desequilíbrio e desigualdades entre brasileiros e brasileiras de descendência africana, sujeitos da negritude, e de ascendência europeia, sujeitos da branquitude” (Kabengele Munanga, Universidade de São Paulo). + COMPRE NA AMAZON

Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo

branquitude

Este livro foi um dos responsáveis por tornar o termo “branquitude” conhecido no Brasil. Se concordamos que a “linguagem é a consciência real, prática”, o que a Lia Vainer Schucman faz ao destacar este termo em seu livro Entre o Encardido, o Branco e o Branquíssimo, de 2014, foi uma pequena revolução. A partir de suas pesquisas em São Paulo, a autora desvela a maneira como se constrói o privilégio branco no Brasil contemporâneo. Depois de anos, finalmente este livro tão influente ganha uma nova edição, com um novo prefácio, de Antonio Sérgio Alfredo Guimarães, professor do departamento de Sociologia da USP. + COMPRE NA AMAZON

Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil

O livro parte de um estudo feito pelas organizadoras sobre a negritude em São Paulo, objetivando captar os efeitos psicológicos do legado do branqueamento sobre o processo de construção da identidade negra. Através dos resultados desta pesquisa, as autoras organizaram esta obra como um tributo capaz de desencadear um debate e uma reflexão conscientizadores sobre os efeitos psicológicos provocados pelo racismo na sociedade brasileira. + COMPRE NA AMAZON


Por que não converso mais com pessoas brancas sobre raça

branquitude

Em 2014 a premiada jornalista Reni Eddo-Lodge escreveu sobre suas frustrações a respeito da forma como as discussões sobre raça e racismo no Reino Unido estavam sendo lideradas por aqueles que não eram afetados por isso. Ela postou um texto em seu blog, com o título: Por que eu não converso mais sobre raça com pessoas brancas. Suas palavras atingiram em cheio. O post viralizou e chegaram comentários de outras pessoas desesperadas para compartilhar suas próprias experiências. Impressionada com essa explícita necessidade de uma conversa franca, ela decidiu se aprofundar na fonte desses sentimentos. Explorando questões desde a erradicada história negra até o propósito político da dominância branca, do feminismo branqueado até a intrínseca relação entre classe e raça, Reni Eddo-Lodge proporciona uma oportuna e essencial estrutura nova de ver, reconhecer e combater o racismo. + COMPRE NA AMAZON

Pele negra, máscaras brancas

branquitude

Primeiro livro de Frantz Fanon, Pele negra, máscaras brancas é um dos textos mais influentes dos movimentos de luta antirracista desde sua publicação, em 1952. Logo de início, se apresenta como uma interpretação psicanalítica da questão negra, tendo como motivação explícita desalienar pessoas negras do complexo de inferioridade que a sociedade branca lhes incute desde a infância. Assim, descortina os mecanismos pelos quais a sociedade colonialista instaura, para além da disparidade econômica e social, a interiorização de uma inferioridade associada à cor da pele – o que o autor chama de “epidermização da inferioridade”. Não se compreende a questão negra fora da relação negro-branco. Com erudição, Fanon articula conceitos da filosofia, psicanálise, psiquiatria e antropologia, e autores como Hegel, Sartre, Lacan, Freud e Aimé Cesaire (referência literária, intelectual e política que perpassa toda a obra), numa notável linguagem poética, que nos conduz a uma reflexão sobre sua relação com o tema. Um dos principais efeitos da leitura da obra – diz o professor e pesquisador Deivison Faustino no posfácio a esta edição – é fazer leitores e leitoras se descobrirem, seja em sua vulnerabilidade e desamparo, seja angustiados sob a consciência de seus pecados, ou ainda como demônios que impõem sofrimento e dominação a outros, mesmo que a princípio se vejam como anjos. Em um momento de ampliação da luta antirracista e conscientização e incorporação de brancas e brancos a essa luta, este livro continua sendo transformador, em busca de uma sociedade realmente livre e igualitária. A edição da Ubu conta com prefácio de Grada Kilomba e posfácio do especialista em Fanon Deivison Faustino. Textos escritos especialmente para a edição da Ubu. O livro traz ainda textos do intelectual e ativista Francis Jeanson e do historiador Paul Gilroy. Tradução de Sebastião Nascimento, com colaboração de Raquel Camargo. + COMPRE NA PRÉ-VENDA DA AMAZON

Olhares negros: raça e representação

branquitude

Na coletânea de ensaios críticos reunidos em Olhares negros, bell hooks interroga narrativas e discute a respeito de formas alternativas de observar a negritude, a subjetividade das pessoas negras e a branquitude. Ela foca no espectador ― em especial, no modo como a experiência da negritude e das pessoas negras surge na literatura, na música, na televisão e, sobretudo, no cinema ―, e seu objetivo é criar uma intervenção radical na forma como nós falamos de raça e representação. Em suas palavras, “os ensaios de Olhares negros se destinam a desafiar e inquietar, a subverter e serem disruptivos”. Como podem atestar os estudantes, pesquisadores, ativistas, intelectuais e todos os outros leitores que se relacionaram com o livro desde sua primeira publicação, em 1992, é exatamente isso o que estes textos conseguem. + COMPRE NA AMAZON

Racismo sem racistas: o racismo da cegueira de cor e a persistência da desigualdade na América

Racismo Sem Racistas é um livro para quem quer entender como o racismo se perpetua, consciente ou inconscientemente disfarçado em um discurso contestatório do politicamente correto. Mas também, e principalmente, para aqueles, a grande maioria neste país, que ainda acham que a melhor maneira de combater o racismo é fazendo de conta que ele não existe. Eduardo Bonilla-Silva, professor de sociologia na Universidade Duke, demonstra, com base em análises de casos e pesquisas de campo, como o discurso e a noção de que a cor da pele não importa (o “racismo da cegueira racial”) vêm sendo instrumentais para a permanência do preconceito. Ele desmascara os argumentos, as frases feitas e as narrativas que os brancos nos EUA usam para justificar a desigualdade racial. Esse não é, no entanto, um problema circunscrito a norte-americanos, como sabemos e como a polícia (daqui como de lá) constantemente nos lembra. “Democracia racial” por definição, o Brasil tem larga experiência em disfarçar o racismo na sisudez das planilhas dos economistas. Inconveniente como todo bom cientista social, Bonilla-Silva nos faz reconhecer o racismo nosso de cada dia – nos outros, mas também em nós mesmos. + COMPRE NA AMAZON

Nem preto nem branco, muito pelo contrário

No Brasil, a questão do preconceito racial é tão complexa que parece desafiar a própria objetividade dos números. Em uma pesquisa realizada em 1988, 97% dos entrevistados afirmaram não serem racistas, mas 98% deles declararam conhecer alguém que fosse. E nem mesmo as análises mais biológicas, que apostam num DNA fixo para a nossa pele parecem resistir à ambiguidade das relações sociais brasileiras, já que, como se diz popularmente, “preto rico no Brasil é branco, assim como branco pobre é preto”. Nesse contexto, a determinação da própria cor se torna critério tão subjetivo que em questionário recente do IBGE, pautado na autoavaliação, foram detectadas mais de uma centena de colorações diferentes de pele. Em Nem preto nem branco, muito pelo contrário, a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz revela um país marcado por um tipo de racismo muito peculiar – negado publicamente, praticado na intimidade. Para isso, volta às origens de um Brasil recém-descoberto e apresenta ao leitor os primeiros relatos dos viajantes e as principais teorias a respeito dos “bárbaros gentis”, desse povo “sem F, sem L e sem R: sem fé, sem lei, sem rei”, teorias estas fundamentais para o leitor moderno entender a complexidade de uma nação miscigenada e com tantas nuances. + COMPRE NA AMAZON

Lugar de negro, lugar de branco? Esboço para uma crítica à metafísica racial

Ao refletir sobre a naturalização do lugar da raça, Lugar de negro, lugar de branco? desvela a força da escravidão moderna. Para isso, o autor revisita o pensamento de Sartre e dos Iluministas, o surgimento da etnologia e das ciências modernas, com o objetivo de criticar certa tendência do movimento negro à procura da África ancestral, figura mítica produzida por um sistema simbólico branco e capitalista. Contestando as concepções simplificadoras do continente africano que perdem de vista justamente a sua multiplicidade cultural, o livro problematiza a exaltação de uma identidade negra estancada e não relacional, ligada às características supostamente originárias que não podem se misturar. Aponta como essa “loucura da busca por identidade hipostasiada só indica que o mundo do trabalho ruiu”. O ensaísta convoca ainda para uma ação contra o “romantismo conservador adaptável ao mercado” e seus simulacros imaginários identitários, diante do massacre e invisibilização cotidiana da população negra. Neste ousado e radical ensaio, o intelectual militante Douglas Rodriques Barros desconstrói paradigmas e apresenta novas possibilidades para o movimento negro. + COMPRE NA AMAZON

O lugar dos sujeitos brancos na luta antirracista

Este artigo, escrito pela mestra e doutora em educação pela USP, Denise Carreira, propõe a necessidade de maior engajamento de pessoas brancas e das instituições comprometidas com a promoção, defesa e garantia dos direitos humanos na luta antirracista, abordando alguns dos obstáculos, desafios e possibilidades envolvidos nessa conflitiva construção, em especial, no que se refere à reflexão crítica e ao processo de desconstrução da branquitude como lugar de manutenção de privilégios materiais, subjetivos e simbólicos na sociedade e base de sustentação do racismo. + LEIA O ARTIGO COMPLETO

Retrato do branco e antirracista

Na literatura científica de maneira geral as pesquisas sobre a branquitude têm se restringido em investigar a branquitude crítica, deixando de lado a branquitude acrítica. A branquitude crítica refere-se ao indivíduo ou grupo branco que desaprovam publicamente o racismo. Enquanto que a branquitude acrítica refere-se a branquitude individual ou coletiva que sustenta o argumento em prol da superioridade racial branca. Este artigo, escrito por Lourenço Cardoso, possui a preocupação em salientar a importância de distinguirmos a branquitude crítica e a branquitude acrítica. O que pode parecer apenas uma simples distinção pode nos levar a analisar com maior atenção e profundidade o crescimento e fortalecimento de grupos neonazistas e membros da Ku Klux Klan: grupos que representam dois significativos exemplos da expressão da branquitude acrítica. + LEIA O ARTIGO COMPLETO

Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público

Esta tese, defendida por Maria Aparecida da Silva Bento no Instituto de Psicologia da USP, trata das manifestações da racialidade branca no discurso dos gestores de pessoal (chefes e profissionais de recursos humanos) de duas prefeituras do sudeste brasileiro. Seu objetivo é melhor compreender como se dá a reprodução das desigualdades raciais nas relações de trabalho no interior das organizações. A racialidade branca, entendida aqui como branquitude, é abordada como um elemento subjetivo, ocultado que interfere na ação dos gestores nos processos de avaliação da força de trabalho, notadamente nos processos de seleção, promoção, treinamento, demissão e resolução de conflitos na Instituição. Ao longo do texto foi configurada a situação de desigualdade de negros e brancos no mercado de trabalho contemporâneo, bem como as tímidas respostas das organizações brasileiras a esse quadro. A omissão e o silêncio de importantes atores do mercado de trabalho aparecem materializados nas entrevistas com os gestores, que raramente percebem o negro em seu universo de trabalho. Tudo se passa como se houvesse um pacto entre brancos, aqui chamado de pacto narcísico, que implica na negação, no evitamento do problema com vistas a manutenção de privilégios raciais. […] Neste contexto é que se caracteriza a branquitude como um lugar de privilegio racial, econômico e político, no qual a racialidade, não nomeada como tal, carregada de valores, de experiências, de identificações afetivas, acaba por definir a sociedade. Branquitude como preservação de hierarquias raciais, como pacto entre iguais, encontra um território particularmente fecundo nas Organizações, as quais são essencialmente reprodutoras e conservadoras. + LEIA A TESE COMPLETA



Leia mais: 15 livros infantis para trabalhar relações raciais

Imagem padrão
Bruna Bengozi
Bruna é mestra em História pela USP e graduanda em Letras pela Univesp. Redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome da impostora".

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário