Maria Luiza Machado

Editada por Jarid Arraes, nova obra de Maria Luiza Machado narra a solidão feminina

“Todas que aqui passaram”, terceira obra da poeta baiana Maria Luiza Machado, traz poemas narrativos sobre mulheres plurais que, de alguma forma, passaram ou ainda perpassam a vida da escritora.
Compartilhe:

“Ler Maria Luiza Machado me fez perceber que a solidão é construída e também coletiva, que estamos – e ao mesmo tempo não somos – sozinhas. […] Quando lemos os poemas com nomes tantos, de mulheres que em algum momento conhecemos ou vamos conhecer, também assistimos episódios e sentimentos de nossa própria vida.”

Monique Malcher, escritora e antropóloga paraense, que assina o posfácio do livro.

A partir de um olhar pungente e detalhista, “Tantas que aqui passaram”, terceiro livro da escritora, poeta e editora baiana Maria Luiza Machado, conta, em forma de poemas narrativos, fragmentos e cenas que fazem parte da história de diferentes mulheres em algum momento presentes na vida da autora. Publicada pela sua editora recém-lançada no mercado, a Mormaço Editorial, a obra conta com parcerias de renome: a edição é da escritora, cordelista e poeta Jarid Arraes, e o projeto gráfico é assinado pela poeta e ilustradora Isabela Sancho. Maria Luiza fará o lançamento oficial do livro na 7ª edição da Festa Literária Internacional de Maringá (Flim 2020), no dia 11/12.

O livro foi concebido por meio de uma campanha de financiamento coletivo, via Catarse, no primeiro semestre de 2020 — a obra acabou sendo, também, uma selecionadas pela Editora Urutau para publicação, em meio a mais de cem originais avaliados. Composto por 29 poemas, cada um deles revela a história de uma mulher.

Maria Luiza Machado
Divulgação.

“Toda mulher tem uma história que merece ser contada, nem que seja uma cena, um pequeno fragmento”, frisa a poeta, evidenciando a pluralidade e singularidade de cada cena versada. “Ao mesmo tempo que revela a história de uma única mulher, muitas outras podem se identificar com o mesmo poema. Alguns temas podem parecer, em um primeiro olhar, banais, mas se houver um bom disparo para a escrita, são capazes de se transformar em poesia.”

Uma voz na poesia

Influenciada por poesia contemporânea feita por mulheres, Maria Luiza, dá continuidade, em sua nova obra, à escrita da poesia com personagens, aspecto já evidenciado em seu livro anterior, “Todos os nós” (Editora Penalux, 2019). O intuito é se desprender do “eu”, de suas próprias sensações, e embarcar em experiências de outras pessoas — em como elas são ou como poderiam ser. 

“Eu me sinto mais confortável escrevendo sobre pessoas que existem, pegando algum fragmento sobre suas vidas e transformando-os em narrativas curtas, em versos”, expõe a autora. Entre suas inspirações, estão nomes como a própria Jarid Arraes, Camila Assad, Maíra Vasconcellos, Aline Bei e José Luís Peixoto. “Foi quando comecei a ler o que está sendo escrito hoje que consegui me encontrar como escritora, me intitular escritora e, sobretudo, poeta.”

A terceira obra revela a maturidade e uma maior familiaridade com a poesia. “Por muito tempo misturei verso e prosa no mesmo texto — algo que ainda faço, com menos frequência. Mas foi experimentando cada vez mais os versos que ganhando mais confiança”, comenta. 

De acordo com Monique Malcher, escritora e antropóloga paraense, que assina o posfácio do livro, Maria Luiza cria imagens do que é particular para nos falar do que é gigante, tais como a sobrecarga de uma mãe, o desejo ou não-desejo de maternidade — nunca questionado, a solidão escolar, o não estar bem e dizer que sim, está tudo bem. 

O livro tem 70 páginas e está em pré-venda, podendo ser adquirido pelo site da Editora Mormaço: www.mormacoeditorial.com.br.

Maria Luiza Machado: despontando na cena independente nordestina

Nascida em Feira de Santana, no interior da Bahia, em 1995, Maria Luiza Machado mudou-se para Salvador, em 2014, onde vive há seis anos. Precoce, começou a escrever por volta dos nove anos, ainda na escola, e logo já foi vitoriosa em seu primeiro concurso de poemas. Voltou a escrever com afinco anos depois, já no final da adolescência. 

Foto: João Régis Novaes

Publicou seu primeiro livro em 2018, intitulado “Algumas histórias sobre a falta”, de forma independente. Após tiragem esgotada, o livro foi relançado em setembro do mesmo ano pela editora baiana Mondrongo. Em 2019, publicou em formato digital a antologia “Corpo que Queima”, que reuniu 41 poetas baianas de todo o estado. Idealizou, realizou a curadoria e organizou o livro, publicado primeiramente pela Appaloosa Books, e hoje disponível gratuitamente na internet. Seu segundo livro, “Todos os nós”, foi publicado pela Editora Penalux, no final do mesmo ano. 

Em 2020, Maria Luiza lançou a Editora Mormaço, por onde publica seu terceiro livro, o “Tantas que aqui passaram”, viabilizado via financiamento coletivo.

Editora Mormaço: a vez dos novos autores

A Editora Mormaço tem como proposta valorizar a pluralidade e dar visibilidade a autores independentes e estreantes no cenário editorial. A marca baiana é uma iniciativa da escritora Maria Luiza Machado, editora responsável, junto ao seu sócio e também escritor Daniel Pasini. 

A editora surgiu em defesa da literatura autoral que é feita no Nordeste. A Mormaço também vai abrir espaço para outras publicações, além de projetos e antologias desenvolvidos pelos sócios. Dentro deste movimento, a dupla criou a Revista Mormaço, publicação digital que reúne textos produzidos por uma equipe fixa de escritores e também enviada por voluntários e colaboradores.

Por assessoria de imprensa da Editora Mormaço – Lais Matos 

Foto de capa: João Régis Novaes


Leia mais: Literatura de Cordel para crianças em 10 livros

Compartilhe:
Imagem padrão
Colaboradores
Seja um colaborador(a) do site Livro&Café! Saiba como no link abaixo.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário