Se eu olhar pra trás (Ademir Furtado)

Compartilhe:

Ademir Furtado apresenta uma obra sobre lembranças e coragem.

Curioso, achamos que a vida é linear e que caminhamos sempre à frente, que o passado talvez justifique algumas de nossas atitudes, mas não transforma. É um engano, muitas vezes é o passado – desconhecido, confuso e até mesmo sem importância, que faz o presente ser o que é, que dá o sentido.

A mudança vem através da consciência do que ele representa. Parar para pensar no que passou, mesmo quando tudo pareça claro, é um exercício de coragem e é isso que o romance “Se eu olhar pra trás” (Ademir Furtado), publicado em 2011 pela editora Dublinense, representa.

O cenário começa com o Brasil do governo Lula e uma típica família brasileira: o marido que está próximo a atingir a aposentadoria, a esposa que cuida dos afazeres domésticos e uma filha casada que os presenteou com uma neta.

A linha que segura a história é quando um desconhecido pede a Edimar (o próximo aposentado brasileiro) para tentar conversar com uma senhora que, possivelmente, sabe do paradeiros de documentos importantes que relatam  o período da ditadura no Brasil. Assim, o que parece sem importância a Edimar, ganha um grande valor em sua vida, a medida que ele descobre a verdade sobre a pessoa que escreveu os documentos.

Por fim, capítulos no presente são intercalados com capítulos do passado de Edimar. O narrador, onisciente, constrói a vida da família do personagem, provando que é o passado que justifica o presente, não por Edimar ser o que é, mas por mover a mudança de comportamento a partir da perda de sua ingenuidade que cobriu, sem querer, a história de sua vida.

Compre Se eu olhar pra trás (Ademir Furtado) na Amazon

Conheça 10 escritores brasileiros contemporâneos para ler agora!

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário