Constelação de gênios – uma biografia do ano de 1922 (Kevin Jackson)

Constelação de Gênios. Uma biografia do ano de 1922 Kevin Jackson Tradução de Camila Mello Editora Objetiva 567 pg.

Em minhas andanças pela internet – e não me lembro mais em que site – encontrei um título de livro interessante que veio ao encontro de algumas coisas sobre as quais penso, como “enquanto Virginia Woolf escrevia, Salvador Dali pintava”. A obra é Constelação de Gênios. Uma biografia do ano de 1922, do escritor (editor, apresentador, professor e muitas outras coisas) inglês, Kevin Jackson. O lançamento no Brasil aconteceu neste ano. Nele, o autor traz mês a mês, dia após dia, os fatos acontecidos em um ano fantástico para a literatura, pintura, cinema, ciência, psicologia e diversas outras áreas, como um almanaque a ser consultado, ou lido do início ao fim!

De leitura absurdamente fácil, o livro tem como cerne o que o autor considera o marco da modernidade: o lançamento dos livros Ulysses, de James Joyce, e A terra devastada, de T. S. Eliot. A tradução para o português peca em algumas regras gramaticais, mas são 567 páginas de fascinação e loucura, repletas de cenas épicas ou de bastidores desses personagens que foram de carne e osso e genialidade.

Abaixo, alguns momentos curiosos dessa época contidos na obra. Deleite-se!

  • James Joyce assim que lançou Ulysses, após mais de uma década de escrita, sofreu de “depressão autorial pós-parto”, segundo seus amigos próximos. Para comemorar a chegada dos exemplares da editora, eles saíram para jantar em um restaurante em Paris, mas lá Joyce mal tocou na comida, lançando de quando em vez suspiros amargurados;
  • Outro fato sobre Joyce, este nada a ver com a literatura, é que ele relutou muito em extrair todos os dentes após uma inflamação séria. Por fim, ele encarou o desafio e afirmou “tudo bem, eles não me serviriam de nada mesmo”;
  • Virginia Woolf odiou a leitura de Ulysses, considerando que “há gênio, eu acho; mas da água inferior”. Classificou a obra de “salobre, pretensiosa e malcriada”, e deu graças a Deus por não precisar resenhá-la;
  • Ernest Hemingway foi enviado para a Guerra Greco-Turca como correspondente do jornal canadense Toronto Daily Star. Ele foi jornalista em seu início de carreira. Hospedado em Constantinopla, padeceu horrores. Teve malária, perdeu peso significativamente e se encheu de piolhos. Ao despedir-se, a dona do hotel se desculpou pelos piolhos, mas acrescentou que, se não fosse o serviço da pousada, ele dormiria na rua, o que seria muito pior;
  • H. G. Wells, famoso por seus romances de ficção científica, sugeriu certa vez que seu epitáfio devia ser “Eu avisei, seus bobalhões”;
  • Voltando a James Joyce, ele tinha uma vontade imensa de conhecer o lendário Marcel Proust. Isso aconteceu em Paris, em um “jantar modernista”, em 18 de maio de 1922. Joyce apareceu embriagado e os dois tiveram apenas conversas tolas. Proust: “Você gosta de trufas?”, Joyce: “Gosto”. Após a morte de Proust, Joyce lamentaria profundamente esse episódio;
  • Charles Chaplin, um comediante já aclamado, resolveu se aventurar em um filme sério, Uma mulher de Paris. A crítica o elogiou efusivamente, mas o público não recebeu bem essa “seriedade”. A bilheteria não foi como se esperava e imediatamente Chaplin começou a pensar em sua próxima comédia. O público vencera;
  • O livro Sidarta, de Herman Hesse, faria sucesso somente quarenta anos após seu lançamento.  Foi bem recebido na década de 60, entre o movimento hippie;
  • Em 8 de fevereiro de 1922, Hemingway tomou chá com Gertrude Stein, a quem muito admirava. Ah, isso foi só uma curiosidade mesmo… E aproveito para recomendar Paris é uma festa, de Hemingway, que contém essa passagem e outras curiosas com o escritor Scott Fitzgerald.

Assim como o historiador Suetônio, que sabia muito dos bastidores do Império Romano – revelados na obra A vida dos doze Césares – Kevin Jackson também propõe, além dos feitos que já sabemos de 1922, revelações instigadoras, surpreendentes e exóticas. Datas, dados e fatos para consulta. Ou… devoração completa!

Onde comprar o livro de Kevin Jackson: Amazon

Leia também: