Grande Irmão (Lionel Shriver)

Na literatura não importa a história e photo grande-irmao_zps7rdy1df0.jpg sim o modo como a história é contada. O que mais encontro são livros com uma história interessante, porém contada de uma forma ruim, banal, sem graça, que não aproveita a gama completa de possibilidades que a língua – seja portuguesa, inglesa, alemã, etc – permite. Ou seja, quanto mais o escritor dominar a linguagem, quanto mais o escritor entender a literatura como um instrumento artístico, maior a probabilidade de seu texto se transformar numa obra-prima, independente da história que ele está contando. Afirmo isso porque em Grande Irmão, romance da escritora americana Lionel Shriver, o assunto principal da história é – aparentemente simples – uma mulher que possui um irmão com obesidade mórbida e que decide ajudá-lo a emagrecer. E se alguém me falasse que essa premissa traria um livro incrível, eu desconfiaria.

Dietas não me interessam. É claro que se alguém chegar para mim e dizer, “olha esse creme, é só passar na pele que a estria some”, “opa, me dá, quanto é? 100 reais?”. “Que legal, passei e realmente sumiu na hora, muito bom!”, “uia, e não é que funciona”. E fim, segue o jogo, a vida e tudo. O que digo é: o que está disponível para melhorar a minha aparência e for verdadeiro (que ainda não existe), prático, rápido e indolor, tô dentro, se não com licença que tenho outras coisas para fazer.

Então, com esse pensamento firmado sobre achar um porre dietas malucas e afins, por que eu quis ler Grande Irmão? Os motivos são pouco, mas suficientes: 1.) Todos os livros de Lionel Shriver que li, amei. 2.) Ela tem o domínio da linguagem e vai atrás dos detalhes mais complexos da vida. 3.) Tem irmão no título do livro e eu tenho dois.

No início da leitura o que mais gostei foi o próprio texto, Lionel tem um clareza impressionante, seus parágrafos são longos, ao mesmo tempo simples e com informações complexas. Admirável. E algo também interessante: as frases não são feitas para marcar e usar nas redes sociais, como frases de impacto, que resumem as coisas da vida. O impacto que Lionel causa acontece no final dos capítulos, por conta do que ela constrói nos longos parágrafos. Ou seja, há presença de figuras de linguagens (metáforas, paradoxos, antíteses, etc), porém não como uma alegoria boba para enfeitar frases, mas sim para solidificar os personagens e a própria história.

E falando neles, O irmão chama-se Edson, a irmã Pandora. São filhos de um ator famoso em decadência. Ele é músico de jazz, ela uma empresaria no ramo de bonecos para adultos. Aliás, esses bonecos são um caso à parte, gostei muito deles, ao ponto de imaginá-los entre nós: são bonecos que imitam pessoas, feito sobre encomenda e há uma pequena cordinha atrás de cada um, que repete frases (os jargões) da pessoa escolhida. É claro que imaginei os bonecos para várias pessoas que conheço, porém, como a própria Pandora diz, esses bonecos são engraçados, mas também cruéis, pois podem revelar o que a pessoa tem de melhor e pior.

Os irmãos se reencontram no aeroporto, Pandora vai buscá-lo para passar 2 meses na sua casa, antes dele iniciar uma turnê de jazz pelo mundo. Mas ela não o reconhece, pois em vez do irmão magro ela encontra um homem com mais de 170 quilos à sua frente.

Um susto. Um impacto. Olhos que não reconhecem o próprio irmão. Medo de falar, de perguntar o que aconteceu. E a tentativa fracassada de fingir que está tudo bem.

Há uma grande diferença em estar 10 quilos acima do peso e 100 quilos acima do peso. Como uma pessoa saudável se deixa levar por tantos doces, tortas, pudins, salgados, coxinhas, refrigerantes, milk-shake, brigadeiro, pizza, lasanha, queijo, pão de torresmo, hummm… que delícia…. Osp, foco! E de repente o que o espelho mostra não é mais saúde e sim doença.

No caso de Edson, um músico bem sucedido ao ponto de esquecer a humildade e se considerar muito importante para todos à sua volta, recebe uma grande pancada da vida que ele tenta esquecer comendo. Comendo. Mas comendo muito. Comendo tudo à sua volta até que, por falta de opção, ele vai atrás de sua irmã Pandora. E o que era uma história sobre pessoas que comem demais e precisam de uma dieta rigorosíssima, se transforma numa história sobre família, sobre irmãos, principalmente, e marido, e filhos, e tudo que compõe o edifício frágil chamado relacionamento.

A epígrafe do livro, retirada do site Eating Disorder Foundation é: “A indústria da dieta é o único negócio lucrativo do mundo com um índice de insucesso de 98%”. E mesmo com essa verdade escancarada no início do livro, Lionel Shriver leva a personagem Pandora a se agarrar nos 2% de sucesso para ajudar o irmão. Nós, como leitores, abraçamos a ideia com a narradora da história, uma mulher profundamente humana e verdadeira, que transforma a obesidade do seu irmão numa análise emocionante sobre como a vida é.

Assista ao vídeo sobre a obra no canal Livro&Café:

Onde Comprar “Grande Irmão”: Amazon

Anúncio
Avatar
Francine Ramos

Faz da Livro&Café parte essencial de sua vida desde 2011. É professora de Língua Portuguesa, adora ler, escrever (um dia vai publicar um livro) e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

2 Comentários
  1. ‘as frases não são feitas para marcar e usar nas redes sociais, como frases de impacto, que resumem as coisas da vida. O impacto que Lionel causa acontece no final dos capítulos, por conta do que ela constrói nos longos parágrafos. Ou seja, há presença de figuras de linguagens (metáforas, paradoxos, antíteses, etc), porém não como uma alegoria boba para enfeitar frases, mas sim para solidificar os personagens e a própria história.”

    Comentário certeiro, que resume bem o que sinto com os livros dessa mulher, fantástica. Esse livro está na minha lista de desejos há tanto tempo, espero não terminar o ano sem comprá-lo e lê-lo. Descobri o blog hoje, é a quarta resenha que leio e estou adorando, parabéns

    1. Oi, Alessandro! Muito obrigada pela visita.
      E compre sim Grande Irmão é um livro surpreendente. Acredito que dificilmente um livro dela irá superar “Precisamos Falar Sobre o Kevin”, porém a qualidade da escrita e as histórias de Lionel são sempre incríveis.

      Beijos!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado