7 livros que todo escritor iniciante deveria ler

Querer ser escritor, talvez, seja o desejo (secreto) dos leitores mais assíduos. Por aqui, tenho aquela gaveta cheia de ideias inacabadas, contos que precisam ser reescritos e romances que não saíram do capítulo dois. Pensando nisso, resolvi fazer uma lista dos livros que li com a intenção de iluminar um pouco mais essa minha cabeça de leitora, que deseja ser escritora. Portanto, abaixo você vai conhecer 5 livros que todo escritor iniciante deveria ler. Não que vá resolver todos os seus problemas, mas pode ser um caminho.

1. Para ler como um escritor (Francine Prose)

Francine Prose é escritora e crítica literária, publicou Para ler como um escritor em 2008 com o objetivo de defender que temos muito a aprender com os grandes nomes da literatura mundial. Virginia Woolf, Jane Austen, Nabokov, Philip Roth e Flaubert são alguns dos autores a quem dedica uma leitura atenta e cuidadosa. O livro é muito bem organizado, com ótimos exemplos sobre a escolha das palavras, as frases, o parágrafo, a narração, as personagens, diálogos, detalhes e gestos. No final há duas lista de “livros para ler imediatamente”, uma versão da própria Prose e outra do crítico Ítalo Morriconi, exclusiva de autores brasileiros. | Compre na Amazon

2. A arte de escrever (Arthur Schopenhauer)

“Nesta antologia o leitor vai encontrar textos que trazem as mais ferinas, entusiasmadas e cômicas reflexões acerca do ofício do próprio Arthur Schopenhauer (1788-1860), isto é, o ato de pensar, a escrita, a leitura, a avaliação de obras de outras pessoas, o mundo erudito como um todo. São eles: “Sobre a erudição e os eruditos”, “Pensar por si mesmo”, “Sobre a escrita e o estilo”, “Sobre a leitura e os livros” e “Sobre a linguagem e as palavras”.” | Compre na Amazon

3. Confissões de um jovem romancista (Umberto Eco)

Umberto Eco é um dos intelectuais mais importantes do seculo XX. Até hoje as suas contribuições, não somente na literatura, trazem reflexões muito importantes e urgentes sobre a vida, a sociedade e tudo mais. Confissões de um jovem romancista é fruto de palestras que o autor realizou, como crítico literário, primeiramente. O título do livro é porque, embora com seus xx anos, Eco se considera um jovem romancista pois o seu primeiro brilhante livro, O Nome da Rosa, foi escrito em 1980, quando ele já se firmava como crítico e professor de literatura, porém não como escritor. No livro, o leitor irá se apaixonar pelo processo criativo do autor que, embora árduo, louco e obsecado, é também genial. | Compre na Amazon

4. Como funciona a ficção (James Wood)

James Wood é um crítico inglês conhecido por seu trabalho na revista The New Yorker. No livro Como funciona a ficção, ele traz exemplos de grandes autores, como Henry James, Flauber, Tchekhov, Virginia Woolf, Jane Austen, entre outros. Por meio de um texto simples, como uma boa conversa sobre livros, o autor propõe considerações importantes sobre o livro, seus aspectos estruturais e também em relação ao próprio autor: a narração, os detalhes, os personagens, a linguagem, os diálogos e outros elementos importantes de uma obra de ficção são analisados com entusiasmo. | Compre na Amazon

5. Para ser escritor (Charles Kiefer)

Um guia de escrita criativa! Um livro que desvenda o processo criativo da escrita e orienta o leitor sobre como realizar o seu sonho de se tornar escritor. Muitos buscam ensinar como escrever, mas dentre eles, poucos os que realmente alcançaram, na prática, êxito literário. Escritor consagrado, publicado também na França e em Portugal e ganhador de diversos prêmios (inclusive dois Jabutis), Charles Kiefer, nesta obra, repete na escrita a forma de atuação do escritor-professor em sala de aula. As variadas facetas do processo criativo, os mecanismos de funcionamento do sistema literário e os problemas éticos e sociais da vida autoral são discutidos com rigor e ternura. | Compre na Amazon

6. A Jornada do Escritor (Christopher Vogler)

Em 1949, no clássico O herói de mil faces, o estudioso Joseph Campbell conceituou a chamada Jornada do Herói: uma estrutura presente nos mitos e replicada em todas as boas histórias já contadas e recontadas pela humanidade. Em A Jornada do Escritor, Christopher Vogler faz uma detalhada e esclarecedora análise desse conceito, tomando como base diversos filmes importantes. Resultado de anos de estudo sobre mitos e arquétipos, somados à experiência de Vogler na indústria cinematográfica norte-americana, esta edição, revisada pelo autor, é uma obra de referência fundamental não apenas para quem deseja escrever boas histórias – bebendo da fonte dos mais belos e fascinantes mitos já criados pela mente humana –, como para quem quer entendê-las melhor, relacionando-as à própria vida. | Compre na Amazon

7. Como Melhorar Um Texto Literário. Um Manual Prático para Dominar as Técnicas Básicas da Narração (Felipe Dintel e Lola Sabarich)

A elaboração de um bom texto literário, qualquer que seja seu estilo ou extensão, exige que o autor tenha uma base técnica de recursos que permitam criar narrativas com consistência e qualidade, para que o objetivo de transmitir uma boa história seja atingido. Este guia fornece as ferramentas necessárias para o aprimoramento de um texto literário, fornecendo exemplos comentados que revelam como: Selecionar os elementos mais adequados para construir uma cena; Caracterizar e construir adequadamente os personagens; Manipular e lidar com a passagem do tempo no relato; Adaptar o ritmo narrativo às necessidades da ficção; Estimular a curiosidade do leitor. | Compre na Amazon


Francine Ramos

Criou o Livro&Café em 2011, é professora de Língua Portuguesa, adora ler e trabalhar com mediação de leitura. Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Primeiramente, Fora Temer!

Livro&Café é feito por Francine Ramos, desde 2011.

“Livros, o precioso sangue dos espíritos imortais” Virginia Woolf