grande sertão

Diário de Leitura – Grande Sertão: Veredas (4) No sistema de jagunços

Compartilhe:

O Dia D. Hoje é a prova sobre o livro Grande Sertão: Veredas. Em geral, o professor pede para escrever o enredo, fazer um resumo e uma análise breve sobre os principais personagens. A ideia, como avisei no primeiro post, era terminar a leitura hoje, mas ainda estou na página 341, no meio da história.

Riobaldo está lá, entretido no meio dos jagunços, também sendo um, atirando, se defendendo e, principalmente, sobrevivendo ao sertão. Diadorim ganhou um ferimento na perna, fugiu e voltou novamente inteiro.

Guimarães Rosa utiliza frases curtas num grande parágrafo, o que deixa a narrativa veloz e densa. Cada frase, por mais simples que seja, ganha um significado maior a cada avanço, como se o “virar a página” também significasse entender a página anterior. E se eu não entendi, eu volto. Voltei várias páginas, reli outras para conseguir me adaptar aos nomes de todos os personagens. Isso é coisa do sertão: nomes parecidos, gente parecidas, tudo se fundindo, misturado e confuso. Quem é quem? Deus? Diabo? Gente boa e gente má? Está tudo lá em Grande Sertão: Veredas, o único romance que Guimarães Rosa escreveu. E ele precisava escreveu outro? Não. É como aquela situação de matar com um único tiro. Certeiro.

Leia mais >> Maria Bethânia lê trechos de “Grande Sertão: Veredas” (Diadorim)

E como a arte imita a vida, abaixo um trecho do livro que gostei muito. Ele “chegou” até mim num dia que eu estava pensando sobre amizade. Esta aí toda a resposta:

Mais em paz, comigo mais, Diadorim foi me desinfluindo. Ao que eu ainda não tinha prazo para entender o uso, que eu desconfiava de minha boca e da água e do copo, e que não sei em que mundo-de-lua eu entrava minhas ideias. O Hermógenes tinha seus defeitos, mas puxava por Joca Ramiro, fiel – punia e terçava. Que, eu mais uns dias esperasse, e ia ver o ganho do sol nascer. Que eu não entendia de amizades, no sistema de jagunços. Amigo era o braço, e o aço!

Amigo? Aí foi isso que eu entendi? Ah, não; amigo, para mim, é diferente. Não é um ajuste de um dar serviço ao outro, e receber, e saírem por este mundo, barganhando ajudas, ainda que sendo com o fazer a injustiça aos demais. Amigo, para mim, é só isto: é a pessoa com quem a gente gosta de conversar, do igual o igual, desarmado. O de que tira prazer de estar próximo. Só isto; quase; e todos sacrifícios. Ou – amigo – é que a gente seja, mas sem precisar de saber o por quê é que é. Amigo meu era Diadorim; era Fafafa; o Alaripe; Sesfrêdo.  (…)

ROSA, Guimarães. Grande Sertão: Veredas, Nova Fronteira, p. 180.

Compre “Grande Sertão: Veredas”na Amazon

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

4 comentários

  1. Oi, Fran!
    Hoje passei a tarde inteira lendo seu blog e quando cheguei na parte de Guimarães Rosa nao quis mais parar. Eu também li Grande Sertão no ano passado, depois de duas tentativas fracassadas – e posso dizer com todas as letras que terminei a leitura encantada, me perguntando o porquê de não tê-lo lido antes, muito antes. Mas acho que aconteceu comigo o que acontece com muita gente por aí: não estava preparada ainda, não tinha chegado a hora.
    Mas, agora, depois de tê-lo lido, virei fã de carteirinha.
    Eu não fiz uma resenha, mas tb coloquei na minha página alguns comentários sobre as dificuldades que tive pra concluir a leitura, quando puder e se quiser, dê uma olhadinha!
    Beijo

    • Oi, Day! Muito obrigada pelo tempo que passou em meu blog e pelos bons comentários que registrou aqui, fiquei muito feliz! Estou indo já no seu blog para ler suas impressões sobre Grande Sertão: Veredas.

      Beijos

Deixe um comentário