Katherine Mansfield

5 contos de Katherine Mansfield que você precisa ler!

Compartilhe:

Katherine Mansfield viveu pouco, mas deixou um belo registro sobre a vida, as sutilezas do cotidiano reveladas em situações surpreendentes. Abaixo você encontra informações sobre 5 contos de Katherine Mansfield que você precisa ler!

Katherine Mansfield foi uma escritora de contos que nasceu na Nova Zelândia e morreu muito jovem, de tuberculose, em 1923. Seus contos são muito admirados por grandes escritores:

  • Virginia Woolf deixou registrado em seu diário que tinha ciúmes de Katherine Mansfield, por causa do estilo da escrita dela. As duas chegaram a se conhecer, frequentaram a casa uma da outra, trocaram cartas e escreveram em revistas da época sobre seus respectivos livros (com comentários inflamados que acabou por abalar a amizade delas);
  • Clarice Lispector pegou um livro dela da prateleira de uma biblioteca e não conseguiu parar de ler, leu todo o conto em pé, admirada;
  • Vinícius de Moraes escreveu um soneto para ela.

Enfim, Katherine Mansfield viveu pouco, mas deixou um belo registro sobre a vida, as sutilezas do cotidiano reveladas em situações surpreendentes. Conheça 5 contos de Katherine Mansfield que você precisa ler!

1. Bliss (ou Felicidade ou Êxtase )

Esse conto é um dos mais famosos de Katherine Mansfield, pois através da personagem Bertha Young é possível captar o que é a felicidade, no sentido mais simples. A personagem principal é uma mulher comum, casada, com filhos e está contente porque irá receber visitas em sua casa. Me lembra um pouco a Mrs. Dalloway de Virginia Woolf, apesar do tom melancólico que não existe no conto de K. Mansfield.

O conto está presente no livro: 15 contos escolhidos de Katherine Mansfield (Editora Record)

2. Aula de Canto

Quem ama literatura deve conhecer a história da professora que constrói uma aula com muita rigidez porque, momentos antes, leu a carta de seu noivo desmanchando o compromisso, o que faz da aula tão dura e difícil, como foi para ela receber essa notícia. Ela passa para as suas alunas todo o sentimento de perda através do ensino da música. A história não termina assim, mas o recado que fica é: a vida não para, tudo desmonta e tudo se reconstrói com o passar do tempo, o tempo que não é de uma vida inteira, o tempo que também é das horas, dos minutos, de uma canção.

O conto está no livro: Os melhores contos de Katherine Mansfield (L&PM Pocket)

3. O cansaço de Rosabel

Escrevi uma resenha sobre esse conto. É lindo, lindo, lindo, lindo! 

O conto está no livro: Aula de canto e outros contos (Editora Revan)

4. Je ne parle pas français

O cenário inicial do conto é um café francês onde um escritor narra sua história a partir da lembrança de um bilhete onde está escrito “je ne parle pas français” (eu não falo francês). Mas para chegar na história em si, é como se o leitor fizesse parte do cenário, pois ele está sentado na mesma mesa que o escritor, que faz questão de se apresentar e mostrar quem é, para depois contar sua triste história. Triste, porém com algumas pitadas de humor, uma característica de Katherine Mansfield. Outra evidência muito forte é o caminho do texto até chegar ao clímax, que geralmente parece estar camuflado no campo narrativo e, de repente, surge à nossa frente como um desenho muito bem traçado. Emocionante.

O conto está presente no livro: 15 contos escolhidos de Katherine Mansfield (Editora Record)

5. A mosca

Uma frase da crítica literária Francine Prose, sobre esse conto tão maravilhoso: “uma ação que a primeira vista parece óbvia em seu sentido e importância, mas que se torna mais complexa à medida que pensamos nela”. É aquele tipo de conto que depois de lido, vai sempre fazer parte de seus pensamentos, cedo ou tarde.

O conto está presente no livro: 15 contos escolhidos de Katherine Mansfield (Editora Record)

Assista ao vídeo no canal Livro&Café!

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Deixe um comentário