Afrofuturismo: Ficções científicas que imaginam uma África do futuro

Já ouviu falar em afrofuturismo?

“Minha ficção científica tem ancestrais diferentes – os Africanos”, diz a escritora Nnedi Okorafor. Entre trechos de sua série “Binti” e seu romance “Lagoon“, Okorafor discute as inspirações e raízes do seu trabalho e como ela abriu estranhas portas através da sua escrita afrofuturista.

Então vamos assistir? O vídeo possui legendas em português!

 

Default image
Bruna Bengozi
Bruna é mestra em História pela USP, redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome do impostor".

3 comentários

  1. Por falar em África futura, eu recomendo o livro Everfair da escritora americana Nisi Shawl. É um romance steampunk de história alternativa que imagina um Congo Belga em que os nativos aprenderam a tecnologia a vapor e se modernizaram, criando uma nação negra própria.

  2. […] Nnedi é uma escritora negra estadunidense, de ascendência nigeriana. Ganhou o prêmio Hugo e Nebula em 2016 pela novela Binti. Doutora em Literatura Inglesa pela Universidade de Illinois, Chicago, é professora de escrita criativa na Universidade de Buffalo. Seu romance Bruxa Akata, carinhosamente apelidado de “Harry Potter nigeriano”, foi lançado no Brasil pela Editora Galera. Quem Teme a Morte foi publicado pela Geração Editorial e você pode encontrar os dois na Amazon. E também pode assistir a uma conferência muito bacana da autora que publicamos aqui na revista. […]

Deixe um comentário