Café da manhã em Plutão e a força da aceitação

Não escondo de ninguém a minha admiração pelo ator irlandês Cillian Murphy. Após me apaixonar pela sua atuação em Peaky Blinders, série britânica que está em sua quinta temporada (e sobre a qual eu escrevi aqui), resolvi procurar outras obras das quais ele participou. Já havia assistido aos filmes mais famosos, como Batman Begins, A Origem e Dunkirk, ambos dirigidos por Christopher Nolan. Mas resolvi ir além e, dentre vários trabalhos, encontrei o filme Café da manhã em Plutão (Breakfast on Pluto, 2005) e estou simplesmente encantada!

Adaptada do livro homônimo escrito por Patrick McCabe e dirigida por Neil Jordan, a produção conta a história de Patrick/Patricia “Kitten” Brady (numa interpretação linda de Murphy), uma travesti nascida em uma pequena cidade da Irlanda. Fruto do relacionamento de um padre (papel de Liam Neeson) e uma doméstica, Kitten é abandonada ainda bebê por sua mãe e rejeitada por sua família adotiva e pela escola religiosa em que estuda, que não entendem seus gostos e sua personalidade. Mas é na amizade com outros excluídos do bairro – uma negra, um pseudo-terrorista do IRA, um garoto com Síndrome de Down – que a nossa protagonista se fortalece para enfrentar a rejeição e, ao ficar mais velha, resolve ir para Londres atrás de sua progenitora.

Café da manhã em Plutão
Cillian Murphy em Café da manhã em Plutão. Foto: Divulgação.

A comédia dramática trata de assuntos muito delicados, como a violência contra homossexuais, o abandono familiar, a intolerância sexual e religiosa – nesse sentido, não foge dos conflitos políticos e civis da Irlanda e Inglaterra na conturbada década de 70 – as referências ao IRA são constantes na trama. É também com este filme que o diretor Neil Jordan volta ao tema da homossexualidade, que lhe deu notoriedade em Traídos pelo Desejo (1992) e que também estava presente em outro prestigiado filme, Entrevista com o Vampiro (1994).

Leia mais: 30 livros incríveis com personagens LGBT

Apesar dessas questões tão complexas, a trama ganha leveza ao colocar Patrick/Patricia se afirmando como pessoa e contestando as violências e o abandono por meio do bom humor e da escrita. Suas histórias em torno da “Dama Fantasma engolida pela cidade que nunca dorme” são cheias de fantasia e beleza e a ajudam a prosseguir na busca por sua mãe e a sobreviver, mesmo quando a realidade se mostra cruel.

Café da manhã em Plutão é um filme singelo, delicado, engraçado, inteligente, tocante. É uma linda lição de aceitação e de perdão. E tudo ao som de uma ótima trilha sonora que traz Bobby Goldsboro, T-Rex, Patti Page, Harry Nilsson, Cole Porter, Dusty Springfield, entre outros.

Assim dito, por favor, vejam essa pequena obra-prima!

TRAILER DE CAFÉ DA MANHÃ EM PLUTÃO:

FICHA TÉCNICA: 

Café da manhã em Plutão (Breakfast on Pluto)
Irlanda / Grã Bretanha, 2005
Direção e Roteiro: Neil Jordan
Elenco:  Cillian Murphy, Liam Neeson, Stephen Rea, Laurence Kinlan, Brendan Gleeson e Bryan Ferry
Duração: 135 minutos

SOBRE:

Cafezinho, nossa nova coluna, tem como objetivo reunir indicações variadas com um diferencial: os textos serão curtos e até mais intimistas, bem propícios para se ler naquelas pausas de poucos minutos – ou em qualquer momento que você quiser, fique à  vontade! 

Anúncio
Avatar
Bruna Bengozi

Bruna é mestra em História pela USP, redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome do impostor".

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado