Livro mostra que o autoritarismo na China enfrenta seu maior oponente: as mulheres

Em “Enfrentando o dragão – O despertar do feminismo na China”, Leta Hong Fincher mostra que esse movimento popular representa hoje a maior ameaça ao autoritarismo na China.

Na véspera do Dia Internacional da Mulher em 2015, o governo chinês prendeu por 37 dias cinco ativistas feministas. Elas acabaram se tornando uma famosa causa mundial. Hillary Clinton falou em nome delas e ativistas em todos os cantos do planeta inundaram as redes sociais com a hashtag #freethefive.

Mas essas cinco mulheres são apenas uma parte de um movimento feminista muito maior que envolve advogados de direitos civis, ativistas trabalhistas, artistas performáticos e guerreiros on-line, que está provocando um despertar sem precedentes entre as mulheres da China. Em Enfrentando o dragão – O despertar do feminismo na China (Matrix Editora), a jornalista e estudiosa Leta Hong Fincher mostra que esse movimento popular representa hoje a maior ameaça ao regime autoritário da China.

COMPRE O LIVRO NA AMAZON

O surgimento de uma nova consciência feminista

Por meio de entrevistas com as cinco feministas e outros ativistas chineses importantes, a autora esclarece os desafios que eles enfrentam, traça o surgimento de uma nova consciência feminista com campanhas semelhantes ao #metoo e descreve como o regime comunista suprimiu a história de suas próprias lutas e conquistas feministas.

Portanto, se a Revolução Comunista estabeleceu a igualdade entre homens e mulheres, o que deu errado na China de hoje, com um novo disparo das desigualdades de gênero, levando à articulação da onda feminista contemporânea?

Na época da Revolução, o novo governo empreendeu iniciativas ambiciosas para angariar a mão-de-obra feminina para a construção da nova nação comunista.

CONHEÇA 25 Livros Essenciais sobre Feminismo

O peso da desigualdade na China

Atualmente, as chinesas sentem o peso da desigualdade em todas as suas atividades diárias e uma grande sensação de injustiça, até com casos de assédio perpetrados por homens participantes de movimentos pelos direitos humanos.

Por fim, nesta obra, você vai ver como a prisão dessas cinco ativistas feministas desencadeou o despertar de consciência nas mulheres chinesas e como a misoginia está no centro do autoritarismo na China e de outros regimes autoritários. Se esse movimento feminista não for reprimido, pode se tornar uma fonte de grande transformação no país.


Sobre Leta Hong Fincher

Leta Hong Fincher já escreveu para o New York Times, Washington Post, The Guardian, BBC e CNN entre outros. Ela ganhou o prêmio Sigma Delta Chi da Society of Professional Journalists por suas reportagens na China. Atualmente é Professora Assistente Adjunta na Universidade Columbia.

 


Default image
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.
Deixe um comentário