Em “A Paciente Silenciosa”, Alex Michaelides nos guia por um suspense psicológico, onde o silêncio de uma pintora famosa após um ato chocante desencadeia uma busca implacável pela verdade.

“A Paciente Silenciosa” é um thriller psicológico extraordinário escrito por Alex Michaelides que cativa os leitores desde as primeiras páginas e os mantém envolvidos em um labirinto de segredos, mistério e tensão psicológica. Combinando elementos do suspense hitchcockiano, a astúcia de Agatha Christie e algumas pinceladas de tragédia grega, o livro é uma leitura que surpreende a cada virada de página.

a paciente silenciosa

A história começa com a protagonista, Alicia Berenson, uma pintora famosa, cometendo um ato inexplicável e chocante: ela mata seu marido, Gabriel, com cinco tiros no rosto. O que torna esse crime ainda mais intrigante é o fato de que Alicia nunca mais profere uma única palavra após o evento. Sua recusa em falar ou dar qualquer explicação sobre seu terrível ato cria um mistério perturbador que rapidamente se torna assunto de discussão pública e aumenta sua fama, mesmo enquanto ela é internada em um hospital psiquiátrico judiciário.

Theo Faber, um psicoterapeuta forense, fica obcecado com o caso de Alicia e vê nela a oportunidade de uma carreira desafiadora. Ele está determinado a fazê-la falar e desvendar os segredos por trás da tragédia. No entanto, à medida que Theo mergulha mais fundo na mente complexa e perturbada de Alicia, ele descobre que os motivos por trás de seu silêncio vão além do que ele poderia imaginar. A busca por respostas leva o leitor por um caminho tortuoso e cheio de reviravoltas inesperadas.

Uma escrita afiada

A escrita de Michaelides é afiada e envolvente, mantendo o leitor ligado ao mistério ao longo de toda a narrativa. A estrutura do livro, alternando entre os pontos de vista de Theo e o diário de Alicia, oferece uma visão intrigante das complexidades do relacionamento deles e dos eventos que levaram à tragédia.

O livro é uma exploração profunda da psicologia humana, do trauma e da natureza do silêncio. Ele faz questionamentos sobre a natureza da verdade, a capacidade de cura da terapia e até onde alguém está disposto a ir para desvendar um mistério. À medida que o enigma se desenrola, o leitor é desafiado a questionar sua própria compreensão dos personagens e a moralidade por trás de suas ações.

Em “A Paciente Silenciosa”, Alex Michaelides oferece um thriller psicológico que permanecerá na mente do leitor muito tempo após a leitura. Com um final que desafia as expectativas, o livro é uma adição ao gênero e coloca o autor entre os grandes nomes do suspense psicológico.

Confira 10 trechos do livro “A paciente silenciosa”:

“Há tanta dor em todos os lugares, e nós apenas fechamos os olhos para isso. A verdade é que estamos todos com medo. Temos medo um do outro.”

“Somos compostos de diferentes partes, algumas boas, outras ruins, e uma mente saudável pode tolerar essa ambivalência e fazer malabarismos entre o bem e o mal ao mesmo tempo. A doença mental é justamente a falta desse tipo de integração – acabamos perdendo o contato com as partes inaceitáveis ​​de nós mesmos.”

“Uma vez que você nomeia algo, isso impede que você veja tudo, ou por que isso é importante. Você se concentra na palavra, que é apenas a menor parte, na verdade, a ponta de um iceberg.”

“Acredito que o mesmo é verdade para a maioria das pessoas que se dedicam à saúde mental. Somos atraídos para esta profissão porque estamos danificados – estudamos psicologia para nos curar. Se estamos preparados para admitir isso ou não, é outra questão.”

“Escolher um amante é muito parecido com escolher um terapeuta. Precisamos nos perguntar, é alguém que vai ser honesto comigo, ouvir críticas, admitir erros e não prometer o impossível?”

“Sabe, uma das coisas mais difíceis de admitir é que não fomos amados quando mais precisávamos. É uma sensação terrível, a dor de não ser amado.”

“O objetivo da terapia não é corrigir o passado, mas permitir que o paciente enfrente sua própria história e sofra por ela. 

“Meu antigo terapeuta costumava dizer que a intimidade requer a experiência repetida de ser correspondido – e isso não acontece da noite para o dia.”

“O desenvolvimento de nossas personalidades não ocorre isoladamente, mas em relação com os outros – somos moldados e completados por forças invisíveis e não lembradas; ou seja, nossos pais. Isso é assustador, por razões óbvias.”

“De alguma forma, agarrar-se a flocos de neve que desaparecem é como agarrar a felicidade: um ato de posse que instantaneamente dá lugar a nada.”

COMPRE O LIVRO NA AMAZON

Share.