Diário de Leitura 2666 – Roberto Bolaño (7)

GIF Kobo - 468x60


A parte de Amalfitano

Cheguei ao fim de mais uma parte da saga 2666. A partir de agora restam mais 3 partes: de Fate, dos crimes e de Archimboldi.

Amalfitano é um pacato professor, eu o imagino um pouco acima do peso, cabelos pretos, lisos, pele morena, olhar cansado, ombros que revelam desânimo. Foi abandonado por uma mulher que depois retornou com AIDS, tem uma filha chamada Rosa e, por meio de uma ideia de Duchamp (artista europeu), pendurou um livro no varal para ver o que acontece – o quanto o livro aguenta naquela posição desconfortável e o quanto ele aprende com o livro de matemática que ele mal sabe como chegou até ele. O próprio Duchamp é citado em 2666, “me divertia introduzir a ideia da felicidade e da infelicidade nos ready-mades, e depois havia a chuva, o vento, as páginas voando, era uma ideia divertida”.

O que senti nesta segunda parte é que preciso aprender mais sobre história, pois Amalfitano, pesquisa em um livro antigo curiosidades sobre o povo que viveu ali antes da chegada dos Espanhóis no século XVI. Ele quer saber de onde ele pode ter herdado o que ele chama de telepatia, pois, numa noite comum, o pobre personagem começa a ouvir uma voz que, hora diz ser o seu avô, ora o seu pai. Mas ambos já estão mortos. Isso me incomodou um pouco, onde Bolaño quer chegar? Qual é a desse personagem? Até o momento não sei. Essas questões de conversa com os mortos foram explicadas pelo próprio personagem como uma loucura, mas não me agradou.

Leio com um lápis por perto, pois sempre encontro algum trecho bonito ou, o que ocorre com mais frequência, uso o canto das páginas como anotações. Porém isso aconteceu pouquíssimas vezes nessa segunda parte, e não foi por falta de atenção a leitura, foi porque realmente a parte de Amalfitano tornou-se uma incógnita. O que foi importante nessa parte? A resposta deve estar nas próximas partes. E, de encontro com a desagradável ideia de conversa com os mortos, foi a conversa de Amalfitano com a voz que grifei, uma longa conversa que percorreu quase 2 páginas do livro, naquele estilo de Bolaño que já me familiarizei: poucos parágrafos e muitos assuntos.

2666 é um livro ousado, por sua estrutura, pela história do próprio autor e também por tudo o que é apresentado no livro, personagens, enredos, os meios e os fins.

Ao final da segunda parte, há um diálogo de Amalfitano com o farmacêutico, um diálogo sobre literatura, e o farmacêutico diz que prefere ler contos a romances. E segue o pensamento de Amalfitano na página 225, que me dá a certeza que estou lendo um grande combate:

Que triste paradoxo, pensou Amalfitano. Nem mais os farmacêuticos ilustrados se atrevem a grandes obras, imperfeitas, torrenciais, as que abrem caminhos no desconhecido. Escolhem os exercícios perfeitos dos grandes mestres. Ou o que dá na mesma: querem ver os grandes mestres em sessões de treino de esgrima, mas não querem saber dos combates de verdade nos quais os grandes mestres lutam contra aquilo, esse aquilo que atemoriza a todos nós, esse aquilo que acovarda e põe na defensiva, e há sangue e ferimentos mortais e fetidez.

Imagem: Airport BookStore

Onde Comprar: 
Fnac
Livraria Cultura
Livraria Cultura (ebook)
Submarino

 

Francine Ramos é formada em Letras Português/Inglês, trabalha com Tecnologia Educacional e em 2011 criou o blog Livro&café. O que ela quer é ser professora de literatura, ter uma boa biblioteca particular, viajar e ler Virginia Woolf. Tudo isso e mais, sem esquecer do café.

  • João

    Acreidto que bolaño seja sobre literatura e não sobre uma história. Não procurei buscar signficado nos eventos, procurei só admirar a beleza das passagens (existe algo mais poético do que pendurar um livro de geometria no varal pra ver se ele aprende algo?).

    Aliás, esse trecho que você destacou é realmente bonito.

  • http://www.facebook.com/fernando.dearaujo.5 Fernando de Araújo

    o bolaño me parece um daqueles autores, e talvez a função desse trecho que você transcreveu acima seja deixar isso claro, que é necessário brigar pra se extrair o sumo da obra, se quisermos apreender algo dali. é difícil! mas compensa. penso também que não se deve se assustar com algumas pontas que ficam meio soltas na prosa desse escritor. ainda mais nesse livro, que de tão enorme, tenta abarcar uma pequena totalidade e, ainda assim, demonstra que nem sempre as coisas se encaixam. isso dá a sensação de que há episódios meio sem pé nem cabeça, como o do testamento geométrico, mas afinal, não é a própria vida assim, um nonsense? e agora, se prepare: o livro ficará cada vez mais sombrio: esqueça os amores dos críticos e o existencialismo esquizofrênico do amalfitano: o deserto de sonora é o terreno perfeito para o florescimento da maldade humana. boa sorte!

    • francineramos

      Fernando, obrigada pelo comentário.

      Ainda não iniciei a 3ª parte, mas suas palavras me deixaram muito mais curiosa!

      Posso iniciar o meu próximo post com esse seu comentário?

      Abraços,

      • http://www.facebook.com/fernando.dearaujo.5 Fernando de Araújo

        claro que sim. aliás, acompanharei os próximos posts, curioso para ver suas impressões.