Meus livros de infância: contos de fadas, O Cachorrinho Samba na Fazenda e Heidi

Nesta semana o blog Livro&Café está se dedicando aos livros infantis, pois o Dia Das Crianças está aí e acreditamos muito no quanto é importante os livros estarem presentes na vida de crianças e adolescentes, pois assim podemos construir um futuro melhor, mais esperançoso, amoroso e, principalmente, questionador. Livros, mesmo com suas infinidades de temas, podem realizar a difícil tarefa de transformar. E sempre é para melhor.

Na minha infância eu não era uma super leitora, tampouco fã de gibis da turma da Mônica, ou algo do gênero. O que me lembro é ter uma coleção – já antiga na época – de contos de fadas. Eram grandes livros, velhos, capa dura, um azul, outro vermelho, outro amarelo. E em cada um deles havia também um disco, que narrava as histórias contidas nos livros. Eu gostava de ouvir o disco e ler junto com o narrador, imitando a voz dele.

 photo o-cachorrinho-samba_zpsmnhevydy.jpgOutra lembrança boa que tenho é com o livro “O Cachorrinho Samba na Fazenda”, que foi indicado pela escola e que me deu muito trabalho para ler (pode ser daí que tenha surgido minha preferência por livros considerados difíceis). Pois, na minha cabeça de criança, o cachorrinho iria dançar um samba na fazenda. E quando o livro chegou ao final e o tal cachorro não dançou nenhuma música eu fiquei muito decepcionada, porém eu quis ler o livro de novo, e de novo, e de novo, até entender realmente o que havia acontecido na história que fez o cachorro não sambar. Desisti, mas mantive o livro por perto até perceber o que havia de errado e aquilo, para mim, se transformou numa grande descoberta. A minha professora, quando leu o título do livro na sala de aula, fez uma pausa entre as palavras “cachorrinho” e “samba”, que me fez entender o título assim: “O cachorrinho: samba na fazenda”. Eu ri naquela época, como rio até hoje quando me lembro dessa história. O mistério fica por conta do motivo que me fez não desistir do livro, pois quando eu realmente compreendi que o nome do cachorro era Samba, e que ele foi apenas passear na fazenda, eu quis ler todos os livros do mundo, mas eu não tinha fácil acesso a eles naquela época… mas continuo fiel nesta luta até hoje!

Depois do cachorrinho Samba, um outro livro importante para a minha formação como leitora foi “Heidi”, que conta a história de uma menina órfã que vai viver com o seu avô nas montanhas geladas de algum lugar que não me lembro  photo heidi_zpsaast7lwt.jpgmais. É um lindo livro e também tive extrema dificuldade para ler – ele não devia ser indicado para a minha idade, pois eu o achava grande demais, com letras miúdas, mas aprendi a traçar metas com este livro. Eu dizia para mim mesma que era preciso ler até chegar na próxima figura do livro. Li, voltei páginas, reli, comecei tudo de novo, li mais uma vez, até novamente entender a história Desta vez sem trocadilhos com o título, mas compreendendo o quando era bom virar a página e descobrir um mundo totalmente diferente do meu.

Acredito que depois de Heidi não houve um outro livro que me marcasse tanto. Talvez Heidi e o cachorrinho Samba fiquem guardados na minha memória porque o jeito que eu olhei para eles é o mesmo jeito que olho até hoje, pois eu sempre questiono o título dos livros antes de começar a ler, talvez por medo de me enganar com o título… e quando amo muito um livro leio de novo, e de novo, e de novo…

Um livro nunca é chato, nunca é ruim, livros sempre são uma porta de possibilidades, para mim, é como se aquele primeiro livro que li na vida, tivesse me trazido para aqui, e agora.

Dê livros no Dia Das Crianças!

Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

5 comentários

  1. Nossa, eu amava esse livro. Minha irmã tinha a coleção do cachorrinho samba. Eu os pegava escondido para lê pois ela não deixava eu lê. Coisa de criança. Kkkkkkk Até hoje lembro disso. Eu lembro que não conseguia entender muita coisa quando lia o livro, mais achava o samba muito lindo. Bjos!

  2. eu gostaria de ter todos os livros infantis. são tão lindos e inspiradores. 🙂

  3. Que lindo esse amor pelos livros da infância. Não conhecia esses livros, mas eu também ouvia estorinhas no cd vindo com a coleção infantil que eu tinha, daquelas histórias cliches mas que toda criança já leu com alibabá e os quarenta ladrões, joão e o pé de feijão, ect, quando pequena eu lia mesmo eram os gibis da turma da monica, eu passava horas vendo os desenhos depois de ter lido a história. Livro infantil é mesmo uma maravilha. Tem alguns que são escritos com uma sensibilidade tão incrivel, que é inpossível adultos não gostarem de ler.

    • Oi, Flávia!
      Livros bons são eternos. no caso dos infantis, são eternos e para todas as idades. Impossível não amar esses livros. Quando vou em livrarias, adoro ver a sessão infantil, fico babando nas cores, os formatos, os desenhos… <3

      Beijos!

  4. Estou começando a ficar arrasada…. Só eu não conheço o Cachorrinho Samba ;(

Deixe um comentário