Noite e Dia, um romance de Virginia Woolf

Noite e Dia, escrito em 1917, é conhecido como o livro mais simples de Virginia Woolf, no entanto não é o primeiro livro dela, ou seja, alguns podem pensar que ela poderia ter feito melhor, talvez. Noite e Dia é um romance sobre os valores do casamento e a necessidade de liberdade de uma mulher. O que temos é a personagem Katharine não se importando tanto com um suposto casamento. O que temos é Ralph tão maduro e tão romanticamente apaixonado. O que temos é uma família inglesa adoradora de literatura, uma bela casa, festas (chás) e outras coisas mais que acontecem noite e dia; noite e dia em Londres. E o romance se desenrola de acordo com o impulso e a razão de Katharine misturados, em alguns momentos, com sua doce sabedoria. É interessante ver a busca de Virginia Woolf para mostrar que sua personagem principal não era uma simples mulher e era uma simples mulher: atitudes infantis, outras normais, outras sábias e maduras (a personagem foi inspirada na irmã de Virginia Woolf, Vanessa Bell). 

O que me deixa absolutamente feliz foi que, no início da leitura, achei que eu estava diante de uma história no estilo de Jane Austen, o que me entristeceu um pouco – não porque eu considere a Austen ruim, pelo contrário, ela é ótima – mas me entristeceu saber que em determinado momento, sabe-se lá por que, Virginia Woolf quisesse uma história típica dos romances de Jane Austen. Ainda bem que eu me enganei. Noite e Dia é como uma cortina que se abre para Londres, é como se dia após dia aquele passarinho que pousa numa janela relatasse os acontecimentos de pessoas…humanas! Simples e maravilhosamente humanas! E nesse ponto Virginia Woolf é tão sagaz, fazendo do simples belo, da rotina aventura. Os personagens dançam confortáveis entre as amarguras da vida. Eles revelam uma característica de sempre optar por encarar o problema, por resolver a situação de acordo com os seus impulsos. Gosto muito disso.

Assim como Katherine Mansfield criticou o romance Noite e Dia (e foi por isso que as duas não mais se entenderam como amigas), ela também o elogiou. E também é essa a minha vontade: gosto, fico muito feliz com muitos pontos do livro. Em outros, porém, Virginia Woolf deslizou um pouquinho, por exemplo: o pai de Katharine Hilbery é de personalidade forte, mas ao longo da história ele quase não aparece até que, em certo momento, ele surge “do nada”. Faltou alguma coisa ali e, por outro lado, o susto que senti quando o pai de Katharine volta à história, fosse o mesmo sentido pelos personagens quando “notaram” a presença dele, ou seja, ela pode ter feito isso propositalmente. E nos capítulos finais, diferente de todo o livro que é lento e repleto de detalhes, ela acelerou um pouco o ritmo da história. Mas é um livro de Virginia Woolf e isso basta: pela técnica, pela sinestesia, pelo mergulho na mente romântica de cada personagem.

As frases lindas do livro Noite e Dia foram o meu alimento para o twitter @woolfv nesse últimos dois meses. Alguns outros trechos, os maiores, estão no blog e revelam uma história romântica, como Virginia Woolf poderia estar na época em que o escreveu. Sim, Virginia Woolf romântica! Isso lhe soa estranho? Para mim, depois de ler Noite e Dia, não mais.

Onde comprar o romance Noite e Dia (Virginia Woolf):
Amazon

Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

10 comentários

  1. […] dois romances anteriores de Virginia Woolf, Noite e Dia e A Viagem, foram feitos sobre o olhar da editora de seu meio-irmão, que era uma pessoa muito […]

  2. […] dois romances anteriores de Virginia Woolf, Noite e Dia e A Viagem, foram feitos sobre o olhar da editora de seu meio-irmão, que era uma pessoa muito […]

  3. […] dois romances anteriores de Virginia Woolf, “Noite e Dia” e “A Viagem”, foram feitos sobre o olhar da editora de seu meio-irmão, que era uma pessoa […]

  4. […] dança Cósmica das Feiticeiras3 – Emily Dickinson – Wild Night4 – Virginia Woolf – Noite e Dia5 – Lima Barreto – Diário do Hospício e Cemitério dos vivos6 – Álvaro de Campos – […]

  5. Estou “terminando” Dia e Noite agora e o livro me fascinou consideravelmente, mas fora os personagens mencionados no seu artigo (muito bom) ainda tenho um afeto maior por Mary Datchet. Pretendo escrever sobre também assim que terminar a leitura.

    Parabéns pelo blog, tornarei-me leitor 🙂

    Ciro P.

  6. Parece ótimo, fiquei com vontade de ler! Vi sua resenha lá no Tudo de Livro também! =)

    Até agora, da Virgínia, só li o Mrs. Dalloway.

    Beijos!

  7. Este é um romance ainda da fase não existencialista de Virgínia Woolf, por isso segue um padrão diferente, assim como The Voyage Out. Apesar de ser diferente de tudo que mais gosto da Woolf, adoro este livro. O acho sagaz e frutífero, um bom começo.

    Parabéns pelo belo post!!

  8. Minha única ressalva a Noite e dia é a mudança no ritmo da narrativa.
    Adoro seu espaço, F.

  9. Olá Francine,
    Fiquei morrendo de vontade de ler esse livro dps de ler sua resenha, aliás nunca li Virginia Wolf, mas já tinha ouvido falar dela… adorei sua resenha.
    Ah, gostei muito do seu espaço… tbm trabalho no mundo empresarial, sou formada em ADM, mas gostaria muito de fazer um curso de letras, como você…rs, nada a ver uma coisa com a outra neh?! rs
    Bj.

Deixe um comentário