uma música e um fantasma

Crônica: Uma música e um fantasma

Compartilhe:

Escolha uma música. É bom ser alguma que ainda não lhe traga grandes emoções. E escute-a. Escute-a quantas vezes forem necessárias, até que, em certo ponto mágico da compreensão que chega através dos ouvidos, a música faça parte de você e lhe permita sentir o que seja necessário sentir para que o fantasma – que pode ser uma coisa, uma pessoa, uma situação – comece a ganhar formas mais concretas à sua frente. Feche os olhos, se preferir. Sente no tapete da sala, se gostar. E mergulhe na música. Não há nenhum poder maior que isso. E não é a música em si, é você e a música; a combinação; a comunhão; portanto, permita-se.

E se não funcionar com a primeira música escolhida, procure outra e aguarde o momento certo de petrificar o fantasma, de torná-lo tão sólido, tão denso e tão dolorido que, ao abrir os olhos (da alma, do coração ou os olhos mesmo) seja possível visualizá-lo como algo tão comum quanto a poltrona azul no canto da sua sala. Alivia.

Isso é ouvir música. Alguns chamam de prece, outros de reza, comunicação com o além, encontro com o cosmos. Seja lá o que for. Existe e faz bem. Recomendo.

Conheça: 50 músicas inspiradas em livros

Compartilhe:
Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

5 comentários

  1. O próprio texto nos encharca como só a arte consegue, minha querida mana Fran. Seus textos vêm melhorando a cada dia e ficando mais e mais interessantes. A música tem um poder inacreditável no meu processo criativo, e será sempre assim.

    😉

  2. Que lindo este post, Fran, sei exatamente do que você está falando porque a minha ligação com a música é muito intensa! Sem palavras!

Deixe um comentário