livros de História da Arte

Os 30 melhores livros de História da Arte para estudar e se encantar!

A História da Arte possui uma amplitude difícil de determinar, pois para conhecê-la é preciso de uma busca constante nesse universo tão rico e poderoso, que tanto diz sobre as humanidades. De um lado, não é apenas saber os nomes das “escolas”, como Barroco, Modernismo etc. Por outro lado, escolher um caminho para estudar o tema é necessário devido à complexidade do tema. Sendo assim, abaixo você encontra os 30 melhores livros de História da Arte para estudar, se encantar, se apaixonar…

1. A História da Arte (E.H. Gombrich)

Da sinopse: “A História da Arte é o mais célebre e popular livro sobre arte já publicado. Por mais de 50 anos, foi uma introdução inigualável ao tema, desde as primeiras pinturas nas cavernas até a arte experimental de hoje. Em todo o mundo, leitores de todas as idades e formações encontraram no Professor Gombrich um verdadeiro mestre, que alia conhecimento e sabedoria a um talento peculiar para comunicar de maneira direta seu profundo amor pelas obras de arte que descreve. Assim, A História da Arte deve sua duradoura popularidade não só ao texto objetivo e simples, mas também à perícia do autor em apresentar uma narrativa clara.” + Amazon

2. História da Arte: do moderno ao contemporâneo

O livro, segundo a sinopse, “apresenta artistas e movimentos artísticos modernistas, assim como marcos no panorama da arte contemporânea, como o desenho industrial, o realismo, o simbolismo, o impressionismo, o expressionismo, o fauvismo, o cubismo, o futurismo, as abstrações russas, o dadaísmo e o surrealismo. Por fim, complementam a abordagem da contemporaneidade artística os temas moda, pop arte, performance e happening, minimalismo e conceitualismo, land art, novas mídias, neoexpressionismo, múltiplas narrativas, arte urbana e estética relacional.”

3. A arte e seus objetos

“No seu clássico estudo sobre a arte e seus objetos, Wollheim parte da hipótese de que a natureza da arte deve ser entendida simultaneamente do ponto de vista do artista e do ponto de vista do espectador. No desenvolvimento da tese Wollheim aborda questões fundamentais sobre a representação, a expressão, o estilo, o significado da intenção do artista e a natureza essencialmente histórica da obra de arte. Além do famoso texto A arte e seus objetos, esta edição traz ainda outros seis ensaios relacionados com as teorias da arte, a crítica, a representação, a percepção e a natureza dos valores estéticos.  + Amazon

4. A imagem da mulher: um estudo da arte brasileira

Entre os tantos livros de História da Arte, esse se torna essencial! A sinopse diz: “Muitos foram os papéis sociais da mulher brasileira nos três últimos séculos. E as artes plásticas têm sido seu espelho, revelando retratos das mais variadas épocas. Sobretudo na pintura, podemos definir claramente o papel da mulher em diversos momentos da história nacional. Por vezes nos surpreendendo com seu comportamento de vanguarda e suas conquistas numa sociedade tida como patriarcal e machista. Por fim, a autora nos conduz por um roteiro que espelha esses múltiplos papéis, num trabalho minucioso e dedicado de resgate das representações femininas.”

RESENHA: Minha história das mulheres (Michelle Perrot)

5. Tudo sobre arte

Compre na Amazon

Entre os livros de História da Arte, esse também pode ser considerado para iniciantes. Organizado cronologicamente e repleto de ícones que encantaram o mundo, o livro traça um panorama da evolução artística em seus mais importantes estilos e movimentos, apresentando as obras emblemáticas da pintura, da escultura, da arte conceitual e da performática, além de análises detalhadas que facilitam sua compreensão. Por fim, o livro traz a cronologia dos principais acontecimentos, o que ajuda o leitor a compreender o contexto sociocultural da época em que as obras foram criadas. + Amazon

6. Arte moderna no Brasil

Obra fundamental em uma lista de livros de História da Arte e também “para o conhecimento do Movimento da Arte Moderna no Brasil. Um dos momentos mais criativos da cultura brasileira, o livro apresenta de forma completa a constituição e desenvolvimento nas artes visuais (1900-1950), de forma completa apresenta os detalhes da Semana de Arte Moderna de 1922 e seus desdobramentos em todo o Brasil. O livro concilia a análise de poéticas individuais com o significado que estas irão adquirir no processo histórico-artístico brasileiro.” + Amazon

7. Breve historia da arte moderna

livros de história da arte
Compre na Amazon

Um livro de História da Arte para iniciantes. Elaborado de modo inteligente e ilustrado ricamente, o livro explora 50 obras-chave, desde os primeiros exemplos do modernismo até a arte contemporânea. De maneira prática e concisa, descubra como e por que a arte moderna se desenvolveu, quem foram os artistas inovadores, quais foram suas criações, onde e quando elas ocorreram. O texto apresenta muitas imagens icônicas e revela as diferentes técnicas usadas para criá-las. Portanto, ao desmitificar o jargão técnico, a autora oferece um conhecimento profundo para uma plena apreciação da arte moderna. + Amazon


8. O fim da história da Arte

Este livro traz dois ensaios onde Hans Belting – um dos maiores pensadores das artes visuais da atualidade – articula questões centrais para a reflexão sobre a história da arte. Para o autor, é preciso reformular a “ciência das artes” para uma abordagem que evite o maior pecado de um historiador: o anacronismo. A história da arte, tal como era contada, aparece para ele como um “equívoco ocidental”, que trata o desenvolvimento de algumas correntes da produção visual de uma determinada cultura como uma narrativa única e universal. Portanto, o autor propõe uma revisão das concepções da pesquisa em um novo modo de encarar esses fenômenos e chamá-los pelo nome que eles têm. + Disponível em sebos da Amazon

9. Arte Comentada

“Arte comentada tira a história da arte do domínio dos manuais enfadonhos, conduzindo-a a um mundo com apresentação dinâmica, ensaios sucintos de uma página e explicações em colunas separadas. Uma breve revisão de legendas e colunas laterais fornece um curso relâmpago de história da arte. Assim, incorporando mais de trezentas ilustrações, Arte comentada busca nos próprios elementos da arte – composição, movimento, equilíbrio, cor e desenho. De Stonehenge ao Guggenheim, de Holbein a Warhol, a linguagem da arte é clarificada em cinco seções.” + Amazon

10. Looking at picture

“Um livro do escritor Robert Walser merece ser lido! “Looking at Pictures” apresenta um lado pouco conhecido do excêntrico gênio suíço: seus grandes escritos sobre arte. Seus ensaios consideram Van Gogh, Cézanne, Rembrandt, Cranach, Watteau, Fragonard, Brueghel e seu próprio irmão Karl e também discutem tópicos gerais, como o caráter do artista e do diletante, bem como as diferenças entre pintores e poetas. Portanto, cada peça é marcada pelo olho único de Walser e sua delicada sensibilidade.” Disponível em inglês na Amazon

11. Arte africana

Cada vez mais precisamos acessar a arte e a cultura africana. E saber de livros de História da Arte sobre esse tema tão urgente é incrível!

Da sinopse: “o contexto brasileiro, a maior parte dos estudos que tem como foco a África se concentra na herança deixada por seus povos na cultura brasileira, estabelecendo relações entre etnias daquele continente e a complexidade das identidades que compõem o Brasil. Nesse sentido, Arte Africana vem oportunamente preencher essa antiga lacuna. Descrita pelo “Times Literary Supplement” como “a melhor introdução geral ao estudo da arte africana, repleto de informações de primeira linha, estimulante e fascinante”. + Amazon

12. O abuso da beleza: a estética e o conceito de arte

O livro apresenta “a evolução do conceito de beleza durante o último século. Mostra que ela foi removida da definição de arte: antes era quase unânime que o propósito final de uma obra de arte era ser bela; no século XX, essa ideia foi refutada e a beleza destronada, chegando, em alguns casos, a ser considerada um crime estético. Para Danto, a beleza não deve ser a finalidade da obra de arte, e muito menos ser evitada. Por fim, ele expande esta reflexão sobre a importância da beleza comentando as ideias de artistas e críticos como Rimbaud, Fry, Matisse, os Dadaístas, Duchamp entre outros.” + Amazon

13. Arte moderna 

Segundo Lorenzo Mammi: “Giulio Carlo Argan foi o último representante de uma grande tradição crítica que corresponde historicamente aos movimentos modernos da arte. De fato, o crítico e ensaísta italiano provém de uma escola (a de Adolfo e Lionello Venturi) que procura o sentido da arte na sua história, mais do que em faculdades inatas ou em princípios absolutos. Foi Argan, aliás, que levou essa orientação até as últimas conseqüências: se a arte é um fenômeno histórico, não há garantia de que ela seja eterna. O desaparecimento do artesanato, de que a arte era guia e modelo, e o surgimento da produção industrial, que se baseia sobre outros princípios, pode muito bem determinar o fim da arte como atividade culturalmente relevante.” Livro esgotado, porém, você pode encontrar em sebos

14. Teorias da Arte

“Em Teorias da arte, Anne Cauquelin empreende um estudo abrangente sobre estética, levando o leitor à reflexão especulativa dessas e muitas outras questões. É a partir da influência das teorias no domínio da arte, com a exposição de diversas categorias de pensamento, que a autora desenha uma trajetória que parte de Platão, visita Hegel, Schopenhauer, Nietzsche e aporta em Aristóteles, Kant e Adorno. Ao final, tem-se uma síntese não ingênua de todas essas teorias estéticas e uma luz sobre esse palimpsesto no qual construímos “nossa inabalável crença na arte”. + Amazon

15. Conceitos fundamentais da História da Arte

“Os Conceitos Fundamentais da História da Arte, de Wölfflin, são um marco na evolução da teoria estética moderna. Este estudo sobre a evolução do estilo na arte situa a obra no conjunto da vida de uma época. Através da análise das obras dos grandes artistas, de Dürer a Rembrandt, o autor mostra a evolução interna dos estilos e define as categorias permanentes da arte. Por fim, com a publicação do livro, o autor conclui um trabalho de vários anos, inúmeras vezes recomeçado.” + Amazon

16. Significado nas artes visuais

“Uma obra indispensável na estante dos que se interessam pela pintura, escultura, arquitetura e artes em geral. Seu autor, Erwin Panofsky, um dos mais renomados críticos de nosso tempo, reúne neste volume uma coletânea de ensaios sobre Teoria da Arte, iconografia, estilos e atitude estética. No livro, sua visão estrutural e ampla erudição desvelam as artes visuais nas suas diferenças e significados profundos ligados ao estilo dos artistas e ao dos respectivos tempos.” + Amazon

17. Universos da Arte

Neste livro Fayga Ostrower analisa obras de arte usando os princípios da linguagem visual. Ele mostra como todo artista é fruto das influências que busca, bem como de seu tempo histórico. O livro tem mais de 300 ilustrações, sendo 118 esquemas que exemplificam os conceitos de composição e 188 reproduções de obras datadas desde a pré-história até os dias de hoje. Assim, quem teve o privilégio de assistir às aulas de Fayga reconhece aqui sua forma de falar: a linguagem simples para explicar problemas complexos e a profunda crença de que arte e experiência de vida se misturam. + Amazon

18. História da Arte (Graça Proença)

“A mais completa obra de História da Arte, para fins didáticos, já publicada no Brasil. São mais de 400 páginas sobre os grandes movimentos artísticos, tendências e artistas, além de materiais e técnicas utilizadas, estão presentes nesta obra, que abrange de forma contextualizada toda a História da Arte em linguagem clara e didática. Cerca de setecentas imagens, todas legendadas, reproduzidas em cores e grande formato, transformam o livro em uma verdadeira galeria de obras-primas.” + Amazon

19. O descredenciamento filosófico da arte 

Da sinopse: “Os ensaios reunidos neste livro recolocam, com a inconfundível verve de Danto, temas importantes da estética, tais como as relações nem sempre respeitosas da filosofia para com a arte, a interpretação das obras artísticas e a situação – assim como as perspectivas de sobrevivência – da arte no mundo contemporâneo. Portanto, trata-se de uma leitura imprescindível para filósofos, artistas e demais interessados na cultura e em seus desdobramentos.” + Amazon

20. Espaço e lugar

“O objetivo deste livro é discutir o espaço físico e simbólico da arte. Uma das características que definem a existência da arte é o fato de ela ocupar um espaço comumente pensado como o espaço institucionalizado do museu ou da galeria, para citar os exemplos mais conhecidos de instituições artísticas.” + Amazon

21. Arte contemporânea: uma história concisa

“Durante os últimos quarenta anos, mudanças profundas e variadas ocorreram na arte, tendo a divergência de estilo como característica mais marcante. Este panorama explora de maneira brilhante a eterna questão – a da relação da arte com a vida cotidiana – que perpassa o Minimalismo, o Pop, a Arte Conceitual, a Performance e as muitas feições assumidas pelos trabalhos de Warhol, Beuys, Bourgeois e de muitos outros artistas cuja obra é discutida e ilustrada. Assim, o livro constitui uma rica fonte de informações e oferece uma visão única e indispensável da evolução da arte nas quatro últimas décadas.” + Amazon

22. Arte indígena no Brasil: alteridade e relação

Se falamos de livros de História da Arte, não podemos esquecer das histórias que formaram o Brasil muito além da colonização. Assim, no livro “Arte indígena no Brasil Els Lagrou apresenta ao leitor um rico exame das concepções ameríndias sobre arte. O autor mostra como nesses universos a categoria está associada não exatamente à contemplação estética, mas à produção de corpos e pessoas. Esse enquadramento nos aproxima do pensamento ameríndio, descentrando o olhar ocidental, razão da complexidade etnográfica e sutileza analítica, assim como pela riqueza das imagens que acompanham o texto. Por fim, o texto nos faz percorrer, sob o permanente risco de sermos seduzidos, por esse fascinante e poderoso universo da arte indígena amazônica.” + Amazon

23. A Arte de ver a arte

Um livro de história da Arte difícil de encontrar no Brasil, mas há algumas edições em sebos. Na Amazon, é possível comprar o livro na versão em espanhol. Sobre a obra: “Esteja em pé diante de uma gravura em madeira japonesa ou da Guernica de Picasso, este livro ajudará os leitores a refinar a visão e dar-lhes mais confiança ao analisar a arte. Este guia essencial possui um glossário que abrange movimentos artísticos e terminologia técnica – e uma lista valiosa de leituras recomendadas.”

24. A definição da arte

Informações da sinopse: “O objeto de estudo deste livro não é simplesmente a arte a ser definida, mas o problema filosófico da possibilidade de uma definição da arte. Ou seja, da maneira como se coloca para as estéticas contemporâneas. Umberto Eco aborda a questão de três pontos de vista:

  • a partir de alguns ensaios históricos, que retomam as definições da antiga estética indiana, da estética medieval e de algumas correntes dos últimos dois séculos;
  • por meio de alguns ensaios teóricos, que examinam também as posições dos estudiosos contemporâneos;
  • e mediante a inspeção do território das poéticas de vanguarda, para ver como e até que ponto as instâncias de tais poéticas se inserem nos quadros especulativos organizados pela estética.

25. Idea – a evolução do conceito de belo

Panofsky estuda nessa obra a trajetória da ideia artística de Platão e Fídias a Michelangelo e Dürer. Acompanha sua evolução desde quando elaborada pelas antigas teorias de arte, que ainda não dissociavam o belo do bem, até as estéticas que, com o Renascimento e o Maneirismo, começaram a revolucionar os fundamentos do belo apoiando-se muito mais na vontade e no prazer. Portanto, a origem da modernidade na arte é contemporânea dessa inversão de sentido. Ou seja, bem anterior ao que apontam as periodizações clássicas da história da arte. + Amazon

26. Diante da imagem

Falar de livros de História da Arte também é falar de nosso próprio olhar e postura, Sendo assim, “o que ocorre quando nos colocamos diante da imagem? Neste livro, o historiador da arte Georges Didi-Huberman – professor da École des Hautes Études, em Paris, e autor de dezenas de livros fundamentais, recorda que, em francês, voir (ver) rima com savoir (saber), o que sugere que, em nossa aproximação às imagens, o olhar nunca é neutro ou desinteressado. Diante delas, enlaçamos o visível juntamente com palavras e modelos de pensamento. De onde vêm esses modelos? Assim, é precisamente essa interrogação, uma espécie de arqueologia crítica da História da Arte, que o autor leva a cabo nestas páginas.” + Amazon

27. Figuras da História

Ao falar de livros de História da Arte, um nome essencial é Rancière! “Como a arte contribuiu para eventos que atravessaram uma era? Que lugar atribui aos atores que participaram desses eventos – ou que deles foram vítimas? Essas questões remetem à história da própria arte. Portanto, perguntar sobre a forma como os artistas recortam o mundo sensível para isolar ou redistribuir seus elementos é questionar a política presente no coração de qualquer abordagem artística.”  + Amazon

28. Isso é arte?

Entre os livros de História da Arte, essa capa muito me incomoda por sua mensagem violenta. Porém, vamos à sinopse: “O livro conduz o leitor por uma excitante viagem através de mais de 150 anos de arte moderna, do impressionismo até os dias de hoje. E não poderia haver guia melhor que o editor de artes da BBC Will Gompertz. Com estilo envolvente – que mescla profundo conhecimento do assunto, ótimo texto e um delicioso senso de humor – ele conta a história dos movimentos, dos artistas e das maravilhosas obras de arte que não apenas mudaram a arte para sempre, mas ajudaram a criar e definir o mundo moderno.” + Amazon

29. Mantendo um olho aberto: ensaios sobre a arte

Se falamos de livros de História da Arte, temos que falar dos ensaios de Julian Barnes. Ele “brinda o leitor com uma série de ensaios que focalizam quase dois séculos de produção artística. Seu olhar arguto se detém sobre obras clássicas, como A balsa da Medusa, de Géricault, até os perturbadores nus de Lucien Freud, neto do inventor da psicanálise, e salta do cubismo à Pop Arte, de pintores badalados como Cézanne e Delacroix a mestres pouco populares, como Vuillard e Juan Gris. Ao demonstrar que a ambição maior da arte é renovar nossa visão de mundo, Julian Barnes renova nossa visão da arte.” + Amazon

30. História ilustrada da arte

Para iniciantes, esse livro de História da Arte é como um guia “para entender a evolução das artes visuais no Ocidente, esse livro apresenta um extenso panorama das mais significativas manifestações artísticas criadas pelo homem. Nas quatrocentas páginas do volume, centenas de belas produções de obras e de arte, além de textos esclarecedores, levam ao leitor a uma incrível viagem, desde as pinturas encontradas nas cavernas pré-históricas, passando pelos tesouros das grandes civilizações antigas, até a diversidade de estilos nos dias atuais.” | Compre na Amazon


Imagem padrão
Francine Ramos
Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

4 comentários

  1. […] Leia mais: Os 30 melhores livros de História da Arte para estudar e se encantar! […]

  2. […] Conheça arte, das mais diversas formas possíveis. […]

  3. Ahhh, que post perfeito! ?

Deixe um comentário