Mary Cassatt

Mary Cassatt: 20 obras da pintora impressionista

Já falei um pouquinho aqui na revista sobre um app chamado Muzei que traz pinturas para a tela do seu celular. A cada dia, uma nova obra aparece como papel de parede e, recentemente, uma delas me chamou a atenção: “Alimentando os patos”, de Mary Cassatt.

Quem foi Mary Cassatt?

Mary Stevenson Cassatt nasceu em Allegheny, Pensilvânia, em 22 de maio de 1843 e faleceu em Le Mesnil-Théribus, em 14 de junho de 1926, aos 83 anos.  É considerada uma grande pintora impressionista. Nascida na Pensilvânia, Mary passou boa parte da vida adulta na França, tendo sido grande amiga de Edgar Degas e exposto seus trabalhos junto a outros grandes nomes da pintura impressionista.

Seus trabalhos costumam retratar a vida privada e social de mulheres, com ênfase nos momentos íntimos de mães e seus filhos. Foi descrita por Gustave Geffroy, em 1894, como uma das “les trois grandes dames” (três grandes damas) do impressionismo, junto de Marie Bracquemond e Berthe Morisot.

Mary Cassatt numa cadeira com um guarda-chuva. No verso está escrito “a única fotografia para a qual ela posou.” Cortesia de Durant Ruel, 1913. The Frick Collection/Frick Art Reference Library Archives.

Uma vida dedicada à arte e ao feminismo

Proveniente de uma família de classe média alta, Mary enfrentou seu pai para poder se dedicar à arte, e aos 15 anos se matriculou na Pennsylvania Academy of the Fine Arts, na Filadélfia, para se tornar uma pintora profissional, numa época em que apenas aproximadamente 20% de todos os estudantes de artes eram mulheres. Impaciente com a lentidão de suas aulas e com o paternalismo de seus colegas e professores homens, Mary decidiu estudar os Antigos Mestres por conta própria. Porém, as dificuldades não diminuíram. Mary, sem o apoio familiar, se viu com dificuldades para se manter por meio da sua arte e, mesmo quando começou a ter algum sucesso profissional tempos depois, já morando na França, se deparou com a política machista e o conservadorismo do meio artístico. E ela, com sua visão ácida e crítica, não poupava ninguém ao falar sobre o preconceito com as mulheres artistas, cujos trabalhos eram dispensados, a menos que elas tivessem um amigo ou patrocinador no júri dos eventos.

Sendo uma feminista desde a tenra idade, embora que de maneira sutil e privada, tendo rejeitado o estereótipo de “artista mulher”, Mary apoiou o sufrágio. Em 1915, ela expôs dezoito trabalhos em apoio ao movimento de Louisine Havemeyer, uma dedicada feminista. A exibição lhe trouxe um conflito com sua cunhada, Eugenie Carter Cassatt, uma anti-feminista e anti-sufrágio, que boicotou seus trabalhos, junto da sociedade da Filadélfia. Mary respondeu ao boicote vendendo as obras que antes estavam destinadas a seus herdeiros, em especial The Boating Party, que acredita-se tenha sido inspirado no nascimento da filha de Eugenie, Ellen Mary. Ele foi vendido para a Galeria Nacional de Arte, em Washington DC.

Assim, Mary Cassatt, ao lado de outras artistas que despontaram no século XIX, era a personificação da “nova mulher”, que, negando o casamento, conseguira ser bem sucedida e conhecida pela excelência de seus trabalhos. E boa parte dessa visão foi influenciada pela própria mãe de Mary, Katherine Cassatt, que acreditava que mulheres com educação formal deveriam ter reconhecimento nas atividades sociais.

A artista sofreu no final da vida com reumatismo, neuralgia, diabetes e catarata e faleceu quase cega. Desde sua morte, em 1926, suas obras foram impressas em selos postais dos Estados Unidos e foram vendidas por até US$ 2,9 milhões em leilões.

Conheça algumas das pinturas de Mary Cassatt

Durante o carnaval, óleo em tela, 1872. Coleção particular.


Mary Cassatt

Jovem mulher em um sofá listrado com seu cachorro, óleo em tela, 1875. Fogg Museum (Harvard Art Museums), Cambridge, MA, EUA.

Mary Cassatt

A leitora, óleo em tela, 1878. Coleção particular.

Retrato da artista, guache em papel, 1878. Metropolitan Museum of Art, EUA.

Mary Cassatt

Mãe penteando o cabelo de sua filha, pastel em papel, 1879. Brooklyn Museum, EUA.

Mary Cassatt

Na caixa, óleo em tela, 1879. Coleção particular.

O chá, oléo em tela, 1879-1880.

Mary Cassatt

Mãe e filho, óleo em tela, 1880. Coleção particular.

Crianças brincando na praia, óleo em tela, 1884.

Mary Cassatt

Maternidade, pastel em papel, 1890. Coleção particular.

Mary Cassatt

O banho, 1890-1891. Art Institute of Chicago, EUA.

Mary Cassatt

O verão, óleo em tela, 1894. Crystal Bridges Museum of American Art, Bentonville, AR, EUA.

Festa no barco, óleo em tela, 1893-1894. National Gallery of Art, Washington, DC, EUA.

Carinho maternal, pastel, 1896. Philadelphia Museum of Art, Philadelphia, PA, EUA.

Alimentando os patos, gravura em água-tinta, 1895. Allen Memorial Art Museum (AMAM), Oberlin, OH, EUA.

Leitura no jardim, óleo em tela, 1898. Coleção particular.

Mary Cassatt

Jovem mãe costurando, 1900.

Sara segurando um gato, óleo em tela, 1908. Coleção particular.

Antoinette em sua penteadeira, óleo em tela, 1909.

Auguste lendo para a sua filha, óleo em tela, 1910. Coleção particular.

Você pode encontrar outros trabalhos de Mary Cassatt para download em alta resolução no WikiArt.

Imagem padrão
Bruna Bengozi
Bruna é mestra em História pela USP e graduanda em Letras pela Univesp. Redescobriu (e redescobre) o amor pelos livros, pela música e pela vida. Aguarda ansiosamente a queda do capitalismo e do patriarcado. Sofre de "síndrome da impostora".

Assine nossa newsletter

Toda semana um resumo com os principais conteúdos da revista em seu e-mail!

Deixe um comentário