O valor do meu riso?

Prometi uma crônica por semana, ou uma pequena anotação, um parágrafo apenas que me trouxesse de volta o desejo de escrever alguma coisa que não resenha; não notícia; não jornalismo. Alguma coisa sim poesia; sim prosa; sim poema; sim pequenos e lindos detalhes da vida.

Mas não consegui.

A promessa foi apenas para mim.

Talvez por isso seja mais difícil.

Quarta-feira, cansada, deitada na cama, mas ainda com a luz acesa, como se fosse um sinal para uma luz invadir a mente; para uma ideia aparecer; para uma conexão com um mundo cósmico surgir.

Agora estou assustada que usei a palavras cósmico.

Quis escrever meu Deus, mas prefiro minha Deusa.

Virginia Woolf. É isso. Quando eu estava na cama com a luz acesa e tal. Ao meu lado estava um livro “O valor do riso e outros ensaios”. O livro é lindo, a foto de capa uma perfeição. E a parte interna, o texto, é roxo. Um roxo escurão. Roxo hematoma.


O olhar de Virginia Woolf sobre Jane Austen

E na orelha tinha um texto que dizia coisas tão incríveis sobre Virginia Woolf. E senti felicidade, porque aquilo tudo eu gostaria de ter dito, mas nunca disse, nunca consegui. Como se aprender fosse uma simples escada. Eu no 3º andar. A mulher do texto no 8º, 9º. Eu disse andar? Eu queria dizer outra coisa.

É sexta-feira. O livro continua no mesmo lugar, sobre a cama, desde quarta-feira. Eu fiquei de voltar para lá, mas não consegui. Dormir para quê? Escrever?


Imagem: FreeImagesLive


Avatar
Francine Ramos

Editora da Livro&Café desde 2011. É professora de Língua Portuguesa e tenta ser escritora (um conto seu foi publicado na coletânea Leia Mulheres, em 2019). Acredita que os livros podem mudar o mundo e ama Virginia Woolf.

Não há comentários. Seja o primeiro!

Deixe um comentário

O seu e-mail não será publicado